O cristão e o mundo laico

Esse é um tema que vez por outra volta para as rodas de discussão; contudo, gostaria de propor uma perspectiva diferente.

Como abordei em meus últimos artigos, Deus ao criar Adão e Eva sonhou para eles um mundo em que o homem é ordenado a Deus: o Espírito comanda a inteligência e esta comanda a vontade.

Nós, em nossa busca da santidade, sabemos como é difícil esse ordenamento. Mas, intimamente, sabemos também que essa é a única via para pleitearmos, com a ajuda da graça, nosso lugar no céu.

Deus sonhou isso para nós individualmente, mas também para os casais e suas famílias. Felizes as famílias e seus filhos que colocam, no centro de suas vidas, a vontade de Deus.

Pensemos, então, que a sociedade é como que uma união de famílias, inicialmente vivendo em comunidades e evoluindo até o que conhecemos como nossas cidades. A pergunta direta seria, então: não deveriam elas também buscar colocar Deus no centro de suas existências e organizar-se com base em Suas leis, inscritas na lei natural?

A única resposta católica possível aqui é “sim”. Naturalmente que uma sociedade centrada em Deus é o melhor modelo. Criando leis com base nos ensinamentos de Deus, no decálogo, certamente teríamos uma sociedade justa, harmônica e feliz.

Contudo, pelas mãos de nossos primeiros pais, o pecado entrou no mundo. E com o pecado, tudo ficou bem mais complicado para todos nós. No mundo atual, a centralidade em Deus é tratada com escárnio, o mundo não quer mais viver em Cristo, mas nem sempre foi assim.

Após a vinda de Cristo, dos primeiros padres e de uma avalanche de santos e doutores da Igreja, a sociedade esboçou sua tentativa de uma vida voltada a Deus, uma cristandade. Nela, nossa Igreja teve papel central como magistério e depósito da fé dada por Cristo. Quem melhor poderia ajudar o homem e a sociedade a ordenar-se em Deus.

Mas a sociedade, impérios e Igreja são constituídos por homens imperfeitos, fracos na fé, na inteligência e na vontade. Além da fraqueza humana, o pecado original nos empurra com toda a força para o pleno afastamento de Deus, e não foi diferente aqui.

O homem preferiu outro caminho, ordenar-se em si mesmo. Em vez de colocar Deus no centro, colocou sua própria vontade; em vez de mergulhar nas escrituras e no conhecimento das leis de Deus, engatou a marcha ré da história e traçou uma rota de volta ao paganismo.

Nessa rota, vieram as revoltas. A científica, a protestante, a Francesa e tantas outras. Embalados por supostas boas intenções, de melhorar a vida do homem moderno, andamos para trás.

É justamente nessa onda que ganha força a ideia: “É preciso separar a Igreja do Estado”. Não que fosse nova, já se falava sobre isso muito antes. Em 1443, um assistente do papa Nicolau V (Albertti) já dizia: “A Deus deve ser deixado o cuidado das coisas divinas, as coisas humanas são da competência do juiz”.

Essa frase parece mais honesta. Deus deve cuidar apenas da alma, das coisas do mundo deve cuidar o homem. E é aqui que queremos colocar nosso olhar. A ideia original do Estado laico já vem com o tempero do humanismo iluminista.

Não se trata, portanto, de separar o Estado da Igreja, mas de separar o homem de Deus. E se somos homens na busca da santidade de fato, sabemos que isso não tem como dar certo.

Mas podem perguntar: o Estado pode professar ele próprio uma “fé oficial”? Ou ainda: como viver em sociedade se nem todos tem a mesma fé, se o Estado possui seu próprio credo?

Vou iniciar pela segunda: o Estado não pode subtrair das pessoas a sua liberdade de credo, qualquer credo. Isso faz parte do livre arbítrio dado por Deus e que não podemos lhes roubar, nem nós individualmente nem o Estado.

Para a primeira, faço uma provocação: O Estado já não possui um “credo próprio”?

O que se diz sobre a hipótese de um juiz de relevância nacional ser católico praticante? Qual o tratamento que recebem aqueles que pleiteiam cargos públicos e que professam com clareza sua fé em Cristo? São tratados com igualdade aos que professam outra fé?

Se a resposta é “não”, então o Estado que deveria se separar da fé mudou de opinião. Se inicialmente fingiu ser ateu, vemos agora que seu credo, na verdade, é anticristão. E sob esse credo, não há lugar para os imitadores de Cristo.

Mas Jesus nos lembrou de nosso lugar: estamos no mundo, mas não somos do mundo. É a nossa santidade, nossa oração e nosso apostolado que precisam ser luz para clarear as consciências e levá-las de volta para Deus.

Passados 500 anos, vimos no que o mundo se tornou sem Deus. É hora de trabalharmos para colocá-Lo de volta no centro.

Luiz Vianna é engenheiro, pós graduado em marketing e CEO da Mult-Connect, uma empresa de tecnologia. Autor dos livros “Preparado para vencer” e “Social Transformation e seu impacto nos negócios”, é também músico e pai de três filhos.

guest
2 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Edson Vicente Sivieri
Edson Vicente Sivieri
8 meses atrás

Excelente artigo e que deve nos fazer refletir sobre as correntes do mundo atual e de nosso compromisso como evangelizadores, tementes a Deus e… seres humanos.

O que se vê em prática em nossos dias, é uma realidade bem ao contrário do que seria o mundo ideal, sem aqui descambar para complexos de Polyanna, mas sim na direção do que o autor coloca como o “sonho de Deus”.
Nada distante de nossa sociedade tupiniquim (nem geograficamente, nem popularmente) a descristianização avança em marcha acelerada e hoje, por mais incrível que pareça, assumir-se como seguidor de Cristo (aquele verdadeiro, dos evangelhos e não o “revolucionário” que certas mentes pregam por aí, após uma consistente lavagem cerebral) torna a pessoa uma ameaça ao establishment e a ordem pública.

E ainda me falam da inquisição ?

Passamos a viver em um mundo que deixou de amar a Deus e que vende a figura do estado, agora maquiado de “Super-Homem”, como solução para a angústia da perda de sua identidade. Aqui se peleja contra a própria natureza humana (aliás, aquela criada por Deus) e alimenta-se o incauto com a falácia de que ele tem o direito de ser Deus… o seu Deus inclusive, e da forma que desejar ser.

Sim, cabe a cada um dos verdadeiros Cristãos recolocar Deus no centro, de onde ele nunca deveria ter saído.

Fico com aquela que soube colocar Deus em seu supremo lugar e de se colocar a Deus, como humilde serva:
“E por fim, meu imaculado coração triunfará”

Obrigado Luíz.

Luiz Vianna
Luiz Vianna
8 meses atrás

Edson, obrigado pelo seu comentário, muito pertinente. Concordando com sua ponderação, sugiro conferir meu outro artigo sobre essa desordem do mundo: https://osaopaulo.org.br/colunas/a-desordem-e-o-pecado-original/