E depois do sínodo?

O primeiro sínodo arquidiocesano de São Paulo está na fase da assembleia sinodal, momento mais concentrado do caminho sinodal percorrido desde 2017 até o presente. Depois de tudo o que vimos, ouvimos e discernimos sobre a realidade eclesial, pastoral e social de nossa Arquidiocese, a assembleia está agora ocupada na elaboração das diretrizes e orientações que deverão incidir no caminhar da nossa Arquidiocese na sua fase pós-sinodal. 

Os participantes da assembleia sinodal arquidiocesana estão distribuídos em 25 comissões temáticas, que abrangem as mais diversas dimensões da vida e missão da Igreja: caridade organizada nas mais diversas dimensões, liturgia, catequese, atividades missionárias, formação cristã, evangelização nas diversas fases da vida, formação e ação do laicato, pastoral das vocações, formação e ação do clero, formação e ação ecumênica e de diálogo inter-religioso, evangelização pela comunicação, no mundo da educação, da cultura e da vida pública, estrutura, organização e coordenação pastoral, administração dos bens da Arquidiocese, além de outras. 

Não se trata agora de elaborar um receituário de ações, para ser aplicado após o encerramento do sínodo. O momento é de se colocar diante da grande questão posta pelo tema do sínodo arquidiocesano, que convoca a Arquidiocese inteira a fazer um “caminho de comunhão, conversão e renovação missionária”. Também o lema do sínodo nos desafia a sermos mais e melhor “testemunhas de Deus na Cidade”, pois é isso que somos chamados a ser e a fazer. Cada comissão temática se colocará diante da pergunta: como vamos traduzir o tema e o lema do sínodo em novas posturas e atitudes evangelizadoras e pastorais, para que, em cada dimensão da vida, organização e ação da nossa Arquidiocese, em todos os níveis, sejamos uma Igreja que viva a comunhão e supere toda forma de divisão? Para que sejamos uma Igreja em estado de conversão efetiva e permanente aos apelos de Deus, manifestados a nós de muitos modos? Que fazer para que sejamos uma Igreja participativa, onde todos se reconhecem pertencentes e cada qual ofereça a sua parte, de acordo com os dons recebidos? Que fazer, enfim, para sermos uma Igreja renovadamente missionária em nossa Cidade, mediante todo o nosso modo de estar na Cidade, de ser e agir nela? 

O sínodo arquidiocesano é um momento de graça vivido pela nossa Igreja em São Paulo. Temos consciência dos nossos limites e de que o chamado a participar do processo sinodal ainda não é acolhido por todos. No entanto, há uma participação expressiva do povo santo de Deus de nossa Arquidiocese, que participa e acredita na proposta sinodal, que está plenamente inserida nas buscas e esforços da Igreja inteira neste período da nossa história. O Papa Francisco, mediante o chamado ao sínodo universal, que terá a sua assembleia em outubro de 2023, aponta para essa direção: comunhão, conversão, participação, missão. A vida eclesial somente se renovará quando esse chamado for levado a sério, mediante o es- forço alegre e esperançoso de todos os membros da Igreja. 

Nosso sínodo terá suas atividades concluídas, se Deus quiser, em dezembro deste ano. Haverá uma celebração de conclusão em 25 de março de 2023, quando se espera publicar as indicações sinodais de forma orgânica. Elas deverão desencadear um processo pós-sinodal, para rever e adequar às diretrizes sinodais todas as dimensões da vida, organização e ação pastoral e evangelizadora da Arquidiocese. E será uma nova etapa de nossa Igreja em São Paulo, à luz das orientações sinodais. 

O Papa Francisco tem observado, já na Exortação Pós-Sinodal Evangelii Gaudium (2013), que a evangelização, mais do que fazer ações pontuais, precisa desencadear processos que traduzam princípios, diretrizes, propósitos e rumos da vida e ação da Igreja. E os processos darão origem à vida e dinamismo novos na Igreja. Esperamos isso mesmo do nosso sínodo: que ele desencadeie processos para o cultivo da comunhão eclesial, da conversão constante a Cristo e ao Evangelho e da renovação missionária, tão necessária em nossos dias. Desde a preparação do sínodo e ao longo de cada etapa, confiamos na ação do Espírito Santo e nos pusemos sinceramente à sua escuta. Temos a confiança de que o mesmo Espírito Santo, que “renova a face da terra”, abençoará o nosso sínodo com frutos abundantes. 

2 comentários em “E depois do sínodo?”

  1. Participei de algumas assembleias anteriores e esperamos ainda estar confiantes em participar ativamente de outras necessidades advindas dessa conversão e da renovação missionário entre todos Família, Igreja, comunidades enfim todos e todas Deus habita essa cidade Deus lhes abençoe e os guarde e os ilumine seus trabalhos…

    Responder

Deixe um comentário