Confira nossa versão impressa

Conselhos evangélicos

A expressão “conselhos evangélicos” é aplicada para caracterizar aqueles que, na Igreja, assumem o estado de vida religiosa. Por esse compromisso, uma pessoa assume viver a pobreza, obediência e castidade como entrega a Deus e serviço aos irmãos, particularmente os mais pobres. O ato de assumir os conselhos evangélicos é também chamado de “profissão religiosa”, que é feita no final de um período de acompanhamento e discernimento vocacional. A profissão religiosa é a conclusão do processo formativo, e, assim, o religioso ou religiosa está livre dos impedimentos que afastam o fervor da caridade e a busca da perfeição de vida e do culto a Deus.

Para representar o que seja a vida religiosa na Igreja, podemos usar duas imagens. Na primeira, a vida religiosa é como um farol, que ilumina e, ao mesmo tempo, aponta uma direção para o seguimento de Cristo. Ela serve ao corpo da Igreja, o conjunto dos fiéis, como modeladora da vida cristã, um convite contínuo à santidade. A segunda imagem se refere à multiplicidade dos carismas da vida religiosa, na qual Cristo é o tronco, e as diferentes expressões da vida religiosa, masculina e feminina, são como ramos. O resultado final é como uma árvore frondosa, firmemente plantada e com abundância de flores e frutos, alimentando a vida da Igreja.

Os frutos da vida religiosa são comprovados e autenticados pelos inúmeros santos e santas que marcaram a história da Igreja. Homens e mulheres que não só buscaram a santidade pessoal, mas contribuíram pela santificação do corpo. Pela oração e pelo apostolado, eles cuidaram dos doentes, dos órfãos e das viúvas. Trabalharam pela educação, pela saúde, ajudando a aliviar os sofrimentos e curar as feridas, tudo pelo Reino e pela dignidade humana. Foram mártires, pastores, eremitas, pregadores, doutores e doutoras da fé, monges e monjas que, em cada tempo e nas mais diversas culturas, deixaram sua marca e seu nome.

A vida religiosa, no entanto, não vive apenas das glórias do passado; ela também é sinal marcante nos dias de hoje. Pela vivência dos conselhos evangélicos, nos diferentes carismas, as pessoas que consagram suas vidas continuam assumindo o serviço da caridade. Continuam deixando sua marca ao cuidar dos pobres e dos excluídos ou rezando intensamente nos mosteiros, nos conventos e nas clausuras, enquanto elevam sacrifícios de louvor e ação de graças na liturgia. Assim como ontem, o mundo de hoje precisa da presença religiosa, do farol e da árvore frondosa, que mostra uma Igreja comprometida e em saída, atuante na construção de uma sociedade mais justa e solidária. Assim é a vida religiosa que mostra a força da fé e a alegria de ser cristão no mundo.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Um momento de revolta contra Deus tem perdão?

“Minha mãe sofreu um acidente e, em casa, estamos vivendo sérios problemas. Num momento de raiva, quando do acidente, eu disse que...

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à...

Postura conservadora

Recentemente, circulou a notícia de que os organizadores do Oscar, a maior premiação às produções da indústria cinematográfica, deixaram o seguinte recado:...

A encíclica Humanae vitae, de São Paulo VI, nos dias de hoje

Na encíclica Humanae vitae, publicada em 1968, São Paulo VI tratou da paternidade responsável, da abstinência da...

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de...

Newsletter