Confira nossa versão impressa

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de protestante, não de católico”. Trata-se, é claro, de um estereótipo bastante inadequado.

Na verdade, a Igreja, já desde seus primórdios, venerava as Sagradas Escrituras: diante das perseguições do Império Romano, muitos católicos pagaram com a própria vida, tornando-se, assim, mártires, por sua recusa em entregar os manuscritos sagrados para serem queimados.

Sempre havia, também, a consciência acerca dos frutos espirituais da leitura orante e assídua da Bíblia. Em sua troca de correspondências, São Jerônimo († 420) recomendava a seu amigo Eustóquio a meditação assídua da Palavra, de modo a que “o sono o encontrasse com a Bíblia nas mãos, e que sua cabeça, quando cedesse ao sono, descansasse na página sagrada”. O mesmo São Jerônimo escrevia à mãe cristã Leta que todo dia tomasse de sua filha um relato sobre sua leitura bíblica: a menina deveria estudar primeiro os Salmos e aproveitar suas melodias; depois ler os Provérbios e o Eclesiastes, para aprender sobre sabedoria; e a história de Jó, sobre a paciência. Na sequência, deveria passar aos Evangelhos – os quais desde então permaneceriam sempre em suas leituras diárias – e ao restante do Novo Testamento. Apenas depois de conhecer bem este tesouro é que se deveria passar a ler o restante do Antigo Testamento: a Lei e os Profetas (cf. encíclica Spiritus paraclitus, 41-43, do Papa Bento XV).

É verdade, porém, que já houve, na história da Igreja, algumas heresias surgidas de uma leitura apressada das Escrituras e desvinculada do ensinamento dos apóstolos. E não nos referimos apenas ao protestantismo: séculos antes de Lutero (1483-1546), a Bíblia já desde o século XIII vinha sendo abusada pelos cátaros, pelos valdenses e pelos lolardos, para justificar todo tipo de erro, a partir de traduções tendenciosas para os idiomas vernáculos. Em tais contextos, foram adotadas algumas cautelas com relação à circulação dessas traduções não autorizadas da Escritura – pois a lei suprema da Igreja é a salvação das almas, colocada em perigo por estas correntes heréticas. De todo modo, quem desejar se aprofundar nos motivos pelos quais os princípios protestantes da livre interpretação e do Sola Scriptura não encontram apoio na história da Igreja e no ensinamento dos apóstolos pode consultar o saboroso livro “Todos os caminhos levam a Roma”, no qual o ex-pastor presbiteriano Scott Hahn conta a história de sua conversão ao catolicismo a partir de um estudo aprofundado da própria Escritura.

O cisma protestante, no entanto, já aconteceu há muito tempo, e no último século a Igreja tem cada vez mais “exortado os fiéis a ler diariamente os Evangelhos, os Atos e as Epístolas, para deles extrair alimento da alma” (Spiritus paraclitus, 43). Em 1943, o Papa Pio XII nos lembrou da gratidão que devemos ter à “amorosíssima Providência de Deus, que do trono da sua majestade nos mandou esses livros como cartas do Pai celeste aos próprios filhos” (encíclica Divino afflante Spiritu, 13). E o Concílio Vaticano II “exorta com ardor e insistência todos os fiéis (…) a que aprendam ‘a sublime ciência de Jesus Cristo’ (Fl 3,8) com a leitura frequente das divinas Escrituras”. O mesmo Concílio adverte, porém, que “a leitura da Sagrada Escritura deve ser acompanhada de oração, para que seja possível o diálogo entre Deus e o homem; porque ‘a Ele falamos, quando rezamos, a Ele ouvimos, quando lemos os divinos oráculos’” (Dei verbum, 25).

Para quem ainda não tem acesso a um bom curso de estudos bíblicos, um jeito simples e tradicional de tomar mais contato com a Bíblia é ler os quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), um capítulo por dia, separando 10 ou 15 minutos para uma leitura meditada. Leiamos, pois, a Escritura, e digamos a Jesus “Loquere, Domine, quia audit servus tuus” – “Fala, Senhor, que teu servo escuta!” (1Sm 3,9).

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Missionários Claretianos comemoram 125 anos de presença no Brasil

Uma missa presidida pelo Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, na Paróquia Imaculado Coração de...

Prefeitura pede que no Dia de Finados cerimônias religiosas em cemitérios ocorram em espaços abertos

Em nota divulgada à imprensa na tarde da segunda-feira, 26, a Prefeitura de São Paulo recomendou que...

‘Acolhamos com fé a semente e o fermento do Reino de Deus’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 27, na capela...

Conheça os novos cardeais do Papa Francisco

Entre eles estão os arcebispos de Washington (EUA) e de Santiago do Chile Três...

Capela São Camilo de Lellis é a presença da Igreja no Hospital do Mandaqui

O templo localizado no hospital da zona Norte de São Paulo é o último retratado na série especial de reportagens do O...

Newsletter