Confira nossa versão impressa

Mês das mães, mês de Maria

Dizia o Venerável Arcebispo Fulton J. Sheen, em pregação radiofônica intitulada “A Mãe de Jesus”, que uma vez que integram a natureza humana tanto a religiosidade quanto a maternidade, todas as religiões possuem alguma forma de princípio feminino: desde a lendária princesa Kuan Yin, injustamente morta pelo pai por ter consagrado sua virgindade a Deus e tida pelos chineses como “Deusa da Misericórdia”, em razão da caridade que dispensou aos seus consortes na mansão dos mortos, até a veneração muçulmana por Fátima, a filha prematuramente falecida de Maomé, que a chamou “a mais bendita entre todas as mulheres do paraíso, depois de Maria” (o Corão, aliás, tem mais de 30 versículos sobre a Mãe de Jesus, e professa sua Imaculada Conceição e o Nascimento Virginal de Cristo). No mundo pagão romano, o grande Virgílio escrevia em sua quarta Écloga (dita “messiânica”): “Olhai benigna, ó casta mulher, sobre teu recém-nascido, por quem terminará a férrea idade, e a áurea a todo o mundo surgirá”.

O verdadeiro princípio feminino da religião só é entendido, no entanto, se lembrarmos que Deus, desde a criação do mundo, tinha já em vista a Redenção, e planejou-a em suas mínimas circunstâncias: a nação, o lugar, o tempo, e a família em cujo seio aconteceria a Encarnação de seu Filho foram todos meticulosamente pré-ordenados. Se dizemos, portanto, que todo grande amor é como um sonho que se torna realidade, e que o chamado “amor à primeira vista” é, na verdade, a correspondência entre o amado que encontramos e sua imagem que já possuíamos em nós (como que um “amor à segunda vista”), então devemos também chamar de amor aquilo que Deus nutria, desde a criação, por aquela que viria a ser sua Mãe – foi o primeiro amor do mundo.

Qualquer um de nós, se pudesse criar sua própria mãe, a faria com as mais elevadas qualidades. Conta-se que o pintor James Whistler, quando elogiado pela beleza do famoso retrato que fizera de sua mãe, respondeu: “Sabe como é: quando se pinta a própria mãe, tenta-se fazê-lo tão bem quanto se pode”. Ora: o Todo-Poderoso, que preexistiu à sua própria mãe, fê-la tão bem quanto Deus podia.

E Maria tem, de fato, um papel todo especial na economia da salvação. Toda a História gira em torno de três Fiat (“Faça-se”): Fiat lux (a criação do mundo; Gn 1,3); Fiat voluntas tua (o sofrimento na Cruz; Mt 26,42); e Fiat mihi secundum verbum tuum (o consentimento de Maria, em nome da humanidade, para com a encarnação; Lc 1,38). Com isso, nós, católicos, não propomos a adoração de Maria, mas apenas sua veneração – e não porque a ideia provenha de nós mesmos, mas porque Deus assim o ordenou, ao fazê -la cheia de graça (Lc 1,28).

Depois de ser Mãe de Jesus, Maria se tornou também a Mãe de toda a humanidade. Aquele “Mulher, minha hora ainda não chegou” (Jo 2,4), que Cristo lhe dirigiu em resposta ao pedido do milagre em Caná, significava “Maria, se eu fizer este milagre, estarei tomando o caminho da Cruz – e tu já não mais serás a ‘mãe do carpinteiro’, mas a mãe do Redentor – e de todos os por Ele redimidos. Por isso, já não te chamo ‘mãe’, mas saúdo-te como ‘Mulher’, a nova Eva”. O mesmo título – e a mesma maternidade universal – ela recebe aos pés da cruz, quando ouve “Mulher, eis aí teu filho” (Jo 19,26-27).

Honrar Maria, portanto, é honrar Jesus – qual filho, afinal, não se sentiria lisonjeado com as reverências endereçadas à sua mãe? E, quando recorremos à sua poderosa intercessão, fazemo-lo com base em que os apelos de uma Mãe têm uma força toda especial diante de seu Filho. Digamos, pois, com Gabriel: “Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo!”

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Três clássicos filmes de Frank Capra

JOÃO FOUTO Um dos diretores mais influentes do cinema nos anos 1930, apresentou em suas obras mensagens sobre...

‘Comeram e ficaram satisfeitos’

18º DOMINGO DO TEMPO COMUM 2 DE AGOSTO DE 2020 A multiplicação dos pães foi um dos milagres mais...

O casamento ‘não deu certo’. É possível anulá-lo?

Vejam o que me pergunta o Maycon, que mora no bairro de Santana: “Padre, fui casado durante dois anos. Casei porque minha...

O isolamento dos idosos

Os desdobramentos de 2020 não param de acontecer. Olhar, avaliar e compreender este ano histórico já é uma ousadia. Vamos focar a...

Newsletter