Confira nossa versão impressa

O apostolado da formação

Estamos ainda no Mês das Missões e, tendo abordado nas últimas semanas a eficácia apostólica da vida de oração e da vivência da santidade nas pequenas coisas do cotidiano, queremos hoje tratar de uma parte também fundamental (e não raro negligenciada) da evangelização: a formação humana, intelectual e doutrinária do próprio apóstolo.

É claro que a vida intelectual não é o fim último do cristão (é possível ser santo sem saber teologia!), e nem todos são chamados a se santificar por meio da especulação aprofundada. No entanto, a Igreja sempre valorizou o cultivo da inteligência, inclusive valendo-se da sabedoria alcançada do mundo greco-romano. Santo Agostinho argumentava que, como os hebreus libertos do jugo faraônico haviam legitimamente espoliado os egípcios de seu ouro, prata e finas vestes, para destiná-los já não aos cultos idolátricos mas ao serviço do Deus vivo (cf. Ex 3,21-22), assim também os cristãos, ao deixarem o paganismo, deveriam em justiça manter as partes saudáveis de sua cultura: o ouro e a prata de suas artes liberais (filosofia, lógica, gramática e retórica) e de seus bons preceitos morais (por exemplo, as ideias de que “sofrer a injustiça é pior que praticá-la” ou que “o maior do mundo é aquele infligido à alma”, defendidas no Górgias de Platão) e as finas vestes de suas instituições humanas, políticas e jurídicas (De Doctrina Christiana, II, 40, 60-61).

E, se bem considerarmos a religião cristã, veremos que ela exige, por sua própria natureza, uma cultura da palavra – e justamente por isso é que os mosteiros tornaram-se, após a queda do Império Romano, focos de preservação do patrimônio cultural da antiguidade: “Visto que, na Palavra bíblica, Deus caminha para nós e nós para Ele, [os monges] precisavam aprender a penetrar no segredo da língua, compreendê-la na sua estrutura e no seu modo de se exprimir. Assim, devido precisamente à procura de Deus, tornaram-se importantes as ciências profanas que nos indicam as vias rumo à língua. A biblioteca, por isso, era parte integrante do mosteiro, assim como a escola. (…) O mosteiro serve para a formação e a erudição do homem – uma formação cujo objetivo último é fazer com que o homem aprenda a servir a Deus. Mas isso supõe precisamente também a formação da razão, a erudição, baseada no qual o homem aprende a perceber, por entre as palavras, a Palavra” (Bento XVI, Encontro com o mundo da cultura no Collège des Bernardins, 12/09/2008).

Junto com esta formação humanística, o apóstolo deve buscar também conhecer a doutrina da Igreja – não apenas a Bíblia, mas o Catecismo, os dogmas, o magistério. Quem, por exemplo, tiver estudado a história da Igreja antiga conseguirá explicar a um irmão protestante, que esteja de boa vontade e com dúvidas sinceras, as incongruências do Sola Scriptura (uma ótima introdução ao assunto, aliás, está no livro “Todos os caminhos levam a Roma”, de Scott Hahn).

Devemos, então, formar-nos para que, tendo contemplado as verdades reveladas por Nosso Senhor, possamos transmiti-las a nossos irmãos, que muitas vezes “se perdem por falta de conhecimento” (Os 4,6). Trata-se de um ato de caridade, pois a ignorância costuma privar as almas da recepção frutuosa dos sacramentos (especialmente a Confissão e a Eucaristia, a “autoestrada para o Céu”, no dizer do Beato Carlo Acutis). Atendamos, pois, ao apelo do próprio São Pedro: “Estai sempre prontos a responder para vossa defesa a todo aquele que vos pedir a razão de vossa esperança” (1Pd 3,15).

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Como denunciar as fake news e outras irregularidades nas Eleições 2020?

Em sites específicos e até pelas redes sociais é possível ajudar a combater a desinformação neste dia de eleições Neste dia de eleição, eleitores que...

Eleitores de 57 cidades voltam às urnas neste domingo em todo o país

Na capital paulista, a disputa será entre Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL). Votação acontece até às 17h

Projeto Janelas CASACOR: beleza, sustentabilidade e responsabilidade social

Vitrines estão espalhadas por 13 bairros de São Paulo, sendo quatro delas em comunidades, com uma exposição inclusiva, gratuita, segura

Papa exorta novos cardeais a permanecerem sempre no caminho do Senhor

O Papa Francisco presidiu neste sábado, 28, o Consistório Ordinário Público no qual foram criados 13 novos cardeais. A celebração aconteceu na Basílica de São...

Arquidiocese de São Paulo terá igreja jubilar pelos 200 anos de mártir coreano

No próximo domingo, 29, às 10h30, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidirá uma missa na matriz da Paróquia Pessoal Coreana...

Newsletter