Confira nossa versão impressa

O patriotismo cristão

No ensejo das comemorações da Independência de nossa Terra de Vera Cruz, convém relembrar o ensinamento da Igreja acerca do verdadeiro e sadio patriotismo.

O Catecismo da Igreja Católica ensina, em primeiro lugar, que a unidade do gênero humano foi prejudicada pelo pecado, tendo Deus, então, agrupado os homens “segundo seus países, cada um segundo sua língua e segundo seus clãs” (cf. Gn 10,5). Esta “pluralidade de nações” foi ordenada para “limitar o orgulho de uma humanidade decaída”, sempre tentada a construir, numa nova Torre de Babel, um governo global divorciado do Criador. A organização em nações, no entanto, é transitória e não vigorará na eternidade – e, devido ao nosso pecado, cria o risco permanente de uma idolatria da pátria ou de um indevido relativismo religioso (cf. CIC, nos 56-57).

Para evitar tais perigos, a Igreja continua a ensinar mais detalhadamente os deveres que derivam do amor à pátria contidos no Quarto Mandamento (CIC, nos 2.238-2.240). Nós, cristãos, portanto, devemos ser cidadãos exemplares: respeitar e colaborar lealmente com a autoridade legitimamente constituída (cf. 1Pd 2,13.16); rezar pelos governantes (cf. 1Tm 2,2); estimar os concidadãos; contribuir com o pagamento de impostos, sempre que sejam justos e não abusivos; votar com consciência e responsabilidade, exercendo o direito ao voto; e defender o país, interessar-se e participar da vida pública, de modo a santificar a política.

Se acaso, porém, a autoridade pública se desviar de sua finalidade, pretendendo emitir preceitos e leis contrários à moral, aos direitos fundamentais ou ao Evangelho, o cristão tem não apenas o direito, mas também o dever, de recusar obediência por objeção de consciência (CIC, nº 2242). A qualquer lei, decreto ou ordem judicial que permita matar inocentes no ventre materno ou que restrinja os direitos divinos, por exemplo, o verdadeiro cristão responde, como São Pedro: “É preciso obedecer antes a Deus que aos homens” (At 5,29; cf. Mt 22,21).

Quanto ao acolhimento de imigrantes, trata-se de manifestação da virtude bem cristã da hospitalidade. A imigração deve ser admitida “na medida do possível” e “em vista do bem comum”. Ao imigrante acolhido, por sua vez, cabe respeitar com gratidão o patrimônio material e espiritual do país que o acolhe, obedecer às suas leis e dar sua contribuição financeira” (CIC, nº 2.241).

Enfim, ensina a Igreja que toda sociedade deve ser organizada conforme a visão de homem revelada por Deus, Criador e Redentor. E adverte que, historicamente falando, as sociedades que rejeitaram a Deus e buscaram seus referenciais em si mesmas ou em suas ideologias exerceram um poder totalitário e tirânico sobre o homem (CIC, nº 2.244).

Poderíamos concretizar essas lições sobre patriotismo com a vida de São Tomás More (1478-1535), retratada em “O homem que não vendeu sua alma”, vencedor de seis Óscares. Advogado e célebre humanista, após grandes sucessos diplomáticos em nome da Coroa, ele foi alçado ao cargo de chanceler da Inglaterra. A certo momento, no entanto, o Rei ordena- -lhe agir contra a lei de Deus, e diante da firme recusa, More, nosso exemplo de cidadão cristão, é condenado por lesa-pátria! Felizes de nós, no entanto, se pudermos morrer repetindo o que ele disse no cadafalso: “O Rei ordenou-me ser breve, e como sou o obediente servo do Rei, breve eu serei. Eu morro como bom servo de Sua Majestade – mas primeiro de Deus”.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

‘Que sejamos pedras vivas na edificação da Igreja’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa nesta terça-feira, 20, na capela...

Aos 85 anos, morre o Padre Daniel Francis McLaughlin

Sacerdote norte-americano era missionário no Brasil desde 1981, e atuou em paróquias das zonas Leste e Noroeste da cidade de São Paulo

CoronaVac é a vacina em teste mais segura contra covid-19

A informação foi dada hoje pelo diretor do Instituto Butantan O diretor do Instituto...

Vândalos colocam fogo em igrejas em Santiago, no Chile

“A violência é má, e quem semeia violência consegue destruição, dor e morte. Nunca justifiquemos nenhuma violência”, afirmou o Arcebispo de Santiago,...

Número de mortes violentas aumenta 7,1% no 1º semestre, diz anuário

O maior crescimento desse tipo de crime ocorreu no Ceará No primeiro semestre deste...

Newsletter