Confira nossa versão impressa

Ponto de vista

Ponto de vista diz respeito a uma situação e à maneira ou à perspectiva particular pela qual o indivíduo emite sua opinião. De modo bem simples, é a forma como cada pessoa enxerga a realidade e a compartilha. Este modo particular de ver as coisas sofre influências do meio em que vive, da cultura e do nível de informação de cada indivíduo. Por isso, não é incomum a divergência entre os pontos de vista. Daí a expressão popular: “Todo ponto de vista é a vista de um ponto”.

Pontos de vista influenciam diretamente as escolhas e atitudes pessoais dos indivíduos. Quando um conjunto de pessoas compartilha um mesmo ponto de vista, pode-se esperar dele um comportamento mais ou menos uniforme. O fato, contudo, de muitas pessoas compartilharem um mesmo ponto de vista não isenta o indivíduo da responsabilidade pessoal de confirmar, por meio de informações isentas
e seguras, do confronto com os fatos e com os princípios, se um determinado ponto de vista tem relação com a verdade, com a realidade e com a moralidade. Um ponto de vista pode ajudar a compreender as motivações de determinadas escolhas e ações humanas, mas não é suficiente para justificá-las sob o ponto de vista ético. O comportamento humano e social não pode depender apenas de um ponto de vista subjetivo.

A situação do mundo, no contexto de pandemia, revela como diferentes pontos de vista têm influenciado atitudes pessoais, sociais e decisões políticas, e dividido a opinião pública.
Da qualificação da COVID-19, como doença leve ou grave, à forma de tratamento e até as posturas e controvérsias em torno do isolamento social e decisões por fechar ou abrir indústrias e comércio, tudo isso tem dividido a opinião das pessoas e provocado confrontos abertos. O difícil é saber o quanto as decisões tomadas estão pautadas pelo confronto com a realidade e a busca do bem comum, ou, simplesmente, por pontos de vista influenciados por interesses políticos, econômicos ou mesmo ideológicos. Fato é que muitas pessoas estão morrendo.

Um ponto de vista controverso é seguramente aceitar que as mortes provocadas pelo novo coronavírus fazem parte de um processo normal, em que alguns morrem enquanto a maioria vai apenas passar por isso, em uma espécie de “seleção natural”. Sendo a vida um valor que deve ser defendido em todas as suas etapas, a morte de qualquer pessoa, independentemente da idade ou qualquer outro fator, não pode ser recebida passivamente, sem dor nem luta.

Outra questão sobre a morte é que, em decorrência dos avanços da Medicina e da Ciência, a vida passou a ser mais longa. A cura das doenças e a melhora na qualidade da alimentação e do bem-estar aumentaram a expectativa de vida, dando certa impressão de vitória sobre a morte. O contexto atual joga por terra essa expectativa, sobretudo quando a morte acontece em centros de terapia intensiva, rodeada por profissionais, que, mesmo lançando mão de todos os recursos, são incapazes de evitar que ela ocorra.

Já nas periferias, a morte parece não causar a mesma impressão, o que talvez explique, em parte, a falta de temor, de cuidados e prevenção contra o contágio do novo coronavírus. Em geral, a periferia tem grande familiaridade com mortes decorrentes das muitas violências que sofre: moradias inadequadas e aglomeradas, falta de saneamento, condições de saúde e higiene precárias, poucos investimentos e recursos para educação, esporte e cultura, consumo de drogas e álcool…

O valor da vida é igual para todos e o risco de morte também. Pontos de vista são importantes para um debate, para a busca de soluções e para a tomada de decisões, mas, para isso, é preciso convergência. O que pensamos não pode ser o que nos separa, mas, sobretudo agora, deve ser o que nos une.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Três clássicos filmes de Frank Capra

JOÃO FOUTO Um dos diretores mais influentes do cinema nos anos 1930, apresentou em suas obras mensagens sobre...

‘Comeram e ficaram satisfeitos’

18º DOMINGO DO TEMPO COMUM 2 DE AGOSTO DE 2020 A multiplicação dos pães foi um dos milagres mais...

O casamento ‘não deu certo’. É possível anulá-lo?

Vejam o que me pergunta o Maycon, que mora no bairro de Santana: “Padre, fui casado durante dois anos. Casei porque minha...

O isolamento dos idosos

Os desdobramentos de 2020 não param de acontecer. Olhar, avaliar e compreender este ano histórico já é uma ousadia. Vamos focar a...

Newsletter