Confira nossa versão impressa

Violência contra as crianças

Na última semana, o Brasil acompanhou estarrecido a tragédia da menina de 10 anos que, violentada durante anos por um parente próximo, veio a engravidar e foi submetida a um aborto. Na sequência do episódio, os esforços que tantos cidadãos empreenderam em defesa das duas vidas (a da jovem gestante e a de sua filhinha de quase 6 meses) foram tachados, por algumas personalidades e meios de comunicação, de fundamentalismo religioso: restringir o aborto, alega-se, seria uma “violência adicional” contra a criança vítima do estupro.

No breve espaço deste editorial, havíamos decidido apontar que a verdadeira violência contra as crianças tem ocorrido cada vez mais, em nossos dias, com sua hipersexualização precoce, e procurávamos um exemplo recente que ilustrasse o ponto, até que… sinal dos tempos! Na mesma semana, uma grande plataforma de streaming divulgou o breve lançamento de um filme sobre uma garota “de 11 anos que quer pertencer a um grupo de meninas da sua idade que dançam sensualmente”. É isso mesmo: garotas de 11 anos, que dançam sensualmente, transmitidas numa plataforma de streaming como algo corriqueiro. O cartaz mostrava quatro crianças seminuas, em poses sensuais (o chamado “twerking”). A plataforma, depois de receber uma avalanche de críticas nas redes sociais, se desculpou pelo cartaz (a quem chamou de “inadequado”) e alterou a descrição do filme – mas manteve agendado o lançamento, embora seja difícil entender como pode um cartaz ser “inadequado”, e ser “adequado” o filme que diz respeito ao mesmo conteúdo.

Não se trata, porém, de um caso isolado: toda a nossa cultura está desgraçadamente se encaminhando para a sexualização precoce das crianças: “músicas”, ouvidas por crianças, com letras e danças sexualizadas, exaltando partes íntimas das “novinhas”; YouTubers e influenciadores digitais, hoje campeões de audiência entre o público infanto-juvenil, com vídeos e livros obscenos circulando livremente; “exposições artísticas” que consistem em mostrar um homem adulto inteiramente nu a crianças, e incitando-as a tocá-lo; nas prateleiras dos shoppings, roupas supostamente “infantis”, que não muito tempo atrás não seriam usadas nem por mulheres “da vida”. Tudo isso acontece hoje no Brasil, e só não vê quem não quer.

É evidente que, por mais corrupto que estejam o ambiente e a cultura, nada justifica o estupro sofrido pela menina capixaba de 10 anos, assim como nada justifica a morte de outra criança, igualmente inocente, sentenciada à morte por aborto provocado. O caso deve ser minuciosamente investigado, e os culpados, rigorosamente punidos pelas autoridades, tudo na forma da lei. No entanto, seria indesculpável pretender fechar os olhos aos impactos da sexualização infantil que está havendo na sociedade, e o que isso provoca em termos de desorientação afetiva e desordens no âmbito da sexualidade humana. Se todo um povo se depara cotidianamente com meninas rebolando ao som de letras com conteúdo sensual, para não dizer, indecentes, e à noite assiste em seu sofá a um streaming com garotas de 11 anos “que dançam sensualmente”, será ainda surpreendente que aumentem os casos de abuso sexual?

Nosso Senhor advertiu seriamente sobre a punição aos que levassem os pequeninos ao mal: chamou uma criança a Si e disse: “Quem causar escândalo a um só destes pequenos que creem em mim, melhor seria que lhe atassem ao pescoço a mó de um moinho e o lançassem ao fundo do mar” (Mt 18,6). Todos nós – especialmente os pais e mães, mas também os educadores e parentes de crianças – temos uma enorme responsabilidade para com a formação de nossos jovens, que devemos levar muito a sério. Maxima debetur pueris reverentia, dizia o poeta romano Juvenal: “Deve-se às crianças a máxima reverência!”

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Um momento de revolta contra Deus tem perdão?

“Minha mãe sofreu um acidente e, em casa, estamos vivendo sérios problemas. Num momento de raiva, quando do acidente, eu disse que...

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à...

Postura conservadora

Recentemente, circulou a notícia de que os organizadores do Oscar, a maior premiação às produções da indústria cinematográfica, deixaram o seguinte recado:...

A encíclica Humanae vitae, de São Paulo VI, nos dias de hoje

Na encíclica Humanae vitae, publicada em 1968, São Paulo VI tratou da paternidade responsável, da abstinência da...

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de...

Newsletter