Confira nossa versão impressa

Amar a Pátria

Os conceitos de pátria e, sobretudo, de patriotismo, trazem logo à mente várias interpretações e até reservas por causa do uso manipulado que certos movimentos culturais e ideologias políticas fizeram deles. No entanto, aqui desejo me referir a eles no sentido neutro e originário, conforme a definição do “Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa”.

Pátria vem da palavra latina pater, que significa “pai” e, por consequência, refere-se à terra dos pais, terra que nos viu nascer, lugar da origem, do nosso berço, ou que assim se considera por escolha. Em sentido mais amplo e cultural, pátria é o lugar ou país com o qual nos identificamos e do qual nos sentimos parte. A pertença a uma pátria chama em causa imediatamente as relações com um povo, do qual alguém é membro e com o qual se sente comprometido. Infelizmente, há milhões de pessoas que, por vários motivos, são apátridas, não tendo uma pátria. Geralmente, isso acontece por causa de guerras, perseguições e discriminações severas, que acabam excluindo pessoas da participação da vida do seu povo, obrigando-as a procurar, fora dele e de seu país, um novo povo de referência para sua vida. Para o cristão, a relação com a pátria também possui um significado? Evidentemente, ele também é um ser humano, que necessita e tem o direito a uma pátria. Ao mesmo tempo, o cristão sabe que a sua pátria neste mundo ainda é provisória e que, nesta vida, ele se encontra na condição de peregrino, a caminho da pátria definitiva. Também sabe, porém, que, durante esta vida, ele deve ser cidadão e envolver-se ativamente na promoção do bem comum do seu povo e de sua pátria e que ele próprio também possui o direito à cidadania plena. Nenhum cristão ou pessoa de qualquer religião deveria ser discriminado por causa de sua fé, nem ser considerado cidadão de segunda classe por ser pessoa de fé religiosa.

A pátria deveria ser para todos, e também para os cristãos, o lugar e a referência mais próxima para viver o amor ao próximo e as virtudes humanas da justiça, honestidade e solidariedade. É também o espaço para o exercício da liberdade, em que cada um está relacionado com os outros, como parte de um todo, desempenhando seu senso de responsabilidade social e oferecendo sua contribuição para a edificação do bem comum. A pátria é o lugar do exercício e da afirmação da própria dignidade e do respeito à dignidade dos demais.

Assim, podemos entender o motivo pelo qual a Doutrina Social da Igreja e a moral social católica conclamam todos os católicos, e também as demais pessoas de boa vontade, a unir seus esforços na edificação da convivência humana e social digna, respeitosa e solidária, na busca do bem comum. A participação de todos no bem da pátria equivale ao interesse que todos precisam ter na edificação e conservação da “casa comum”, ou da “cidade”, entendida como espaço de convívio e busca do que é bom para todos.

Isso independe de opção partidária ou ideológica, é questão de cidadania, como expressão do direito e do dever de todos. Nesse sentido, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) firmou o Pacto pela Vida e pelo Brasil, em abril passado, junto com outras cinco instituições de expressiva credibilidade pública, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a Comissão Arns, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC). Mediante esse pacto, condensado em dez pontos, os signatários convocam todos os brasileiros, neste tempo de crise sanitária, política e econômica, a unir esforços em defesa da vida humana, pensando especialmente nos mais vulneráveis da sociedade. A pandemia mostrou, de maneira inequívoca, que muitos brasileiros continuam excluídos dos benefícios do bem comum, que a pátria deveria proporcionar a todos. A defesa da vida inclui o acesso aos bens da alimentação, saúde, habitação, segurança e educação.

Por outro lado, mediante o Pacto, os signatários também fazem um forte apelo ao diálogo social e político, em vista do respeito pela democracia. Vivemos uma situação política marcada por forte polarização, na qual parece que o bem está todo de um lado e o mal está todo de outro. A convivência na pátria-casa comum supõe diversidade e pluralismo, em que o diálogo franco e o respeito levem a somar, a partir das diferenças, não sendo necessário um antagonismo bipolar e excludente. Que a comemoração do Dia da Pátria nos ajude a avançar no diálogo, feito de abertura e tolerância, e a centrar as atenções naquelas questões que requerem a contribuição de todos na edificação da casa comum.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Ordenação marca os 20 anos do diaconato permanente na Arquidiocese de São Paulo

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a ordenação de cinco novos diáconos permanentes para a Arquidiocese no sábado, 21. A...

Butantan anuncia que testes da CoronaVac chegaram à fase final

Os resultados sairão na primeira semana de dezembro Chegou à fase final o estudo clínico da CoronaVac, a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria...

Ministério reconhece estado de calamidade pública no Amapá

Estado ficou mais de 80 horas sem energia elétrica e até agora a situação não foi totalmente restabelecida O Ministério do Desenvolvimento Regional publicou portaria...

‘Que Deus nos dê um coração generoso, aberto para as necessidades dos irmãos’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa nesta segunda-feira, 23, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Monsenhor Marcos Pavan é nomeado maestro da Capela Sistina

Neste domingo, 22, data em que a Igreja recorda a memória de Santa Cecília, padroeira dos músicos, o Papa Francisco nomeou o Monsenhor Marcos...

Newsletter