Comemorando

Dias atrás, um jovem jornalista me perguntou sobre os motivos da comemoração
do centenário do Cardeal Paulo Evaristo Arns. Achei que a pergunta poderia ser
uma provocação, mas levei a questão pelo lado bom e achei que valia a pena
responder, pois também podia ser uma busca sincera das razões para essa
comemoração. Por quais motivos comemoramos o centenário de Dom Paulo? Ou
o aniversário da dedicação da Catedral Metropolitana, como fizemos no dia 5 de
setembro? Ou o aniversário da Proclamação da Independência do Brasil, no dia 7
de setembro?

Comemorar significa trazer à memória e recordar. Naturalmente, com
características de festa, boas lembranças e algo mais. Não se fazem
comemorações de fatos detestáveis. Se muito, deles se faz a lembrança para que
isso sirva como advertência, para que nunca mais aconteçam.

Comemoramos o dia da Independência do Brasil como lembrança de um fato bom
e importante para nosso país e o povo brasileiro. Ao mesmo tempo, tomamos
consciência de que a independência não diz respeito apenas a circunstâncias e
fatos do passado, mas é uma construção contínua, que envolve cada geração, a
fim de que os objetivos e benefícios da independência cheguem a todos os
brasileiros. Assim, constatamos que, quase 200 anos após a Proclamação da
Independência, os seus benefícios ainda não chegaram a grande parte dos
brasileiros. Temos muito a fazer, também em nossos dias, para que isso aconteça.

Há muito o que fazer para que a grande desigualdade social e econômica do
Brasil seja superada; que os benefícios da educação, saúde, saneamento básico,
trabalho, habitação e alimento diário cheguem a todos. A Independência do Brasil
precisa se refletir numa convivência respeitosa, fraterna e solidária, em que
violências, discriminações e ódios sejam superados. A comemoração da
Independência do Brasil é um chamado a olhar para o presente e o futuro, com a
renovação do compromisso de trabalhar pelo bem do Brasil, considerado em sua
enorme diversidade regional social, cultural e humana. Um país verdadeiramente
independente não abandona nem descarta nenhum de seus filhos.

A comemoração do centenário do Cardeal Paulo Evaristo Arns, 5° arcebispo
metropolitano de São Paulo, é um convite a fazer memória desse grande cidadão,
Bispo e Pastor da Igreja, de sua personalidade marcante e os múltiplos aspectos
de seu empenho no serviço à Igreja e à sociedade. É hora de lembrar, para não
esquecer, o legado e as lições que Dom Paulo deixou. A Igreja faz história nos
acontecimentos e pessoas que testemunham tempos e situações vividas por ela e
pela comunidade humana e atitudes tomadas no desempenho de sua missão.

Dom Paulo viveu num momento muito especial da vida da Igreja, logo após o
Concílio Vaticano II, que procurou colocar em prática na sua ação pastoral. Mas
também viveu um tempo difícil na história do Brasil e não ficou indiferente diante
da situação vivida pelo povo brasileiro, empenhando-se com coragem e esperança
para a superação das agressões à dignidade humana e para o retorno à
convivência democrática.

Não há um tempo igual ao outro, embora possam existir muitas semelhanças.
Fazer a memória de personalidades do passado serve para nos inspirar na
construção do presente e na projeção do futuro. Uma construção boa requer
bases sólidas. A base sólida da Igreja é sempre Jesus Cristo, a Palavra de Deus e
o testemunho dos apóstolos. Mas ela também olha para as situações já vividas ao
longo de dois milênios e para o testemunho dos seus grandes protagonistas, ao
longo dessa história, perscrutando suas vidas e sua obra, para discernir sobre o
presente e sobre decisões a tomar.

Faço votos de que o centenário do nascimento de Dom Paulo Evaristo Arns, que
vamos abrir solenemente no próximo dia 14 de setembro, ajude a Igreja e a
sociedade a se confrontar com o testemunho e as lições que ele deixou.

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo Metropolitano de São Paulo

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter