Confira nossa versão impressa

O que convém ao cristão?

Muitas pessoas bem-intencionadas perguntam: “Como deve viver o cristão? Por quais princípios devemos orientar nossas decisões e ações?” A mesma questão foi exposta a Jesus pelo homem rico do Evangelho: “O que devo fazer para herdar a vida eterna?” (Lc 18,18). A pergunta faz todo o sentido, pois se refere a escolhas importantes na vida.

Jesus indicou os mandamentos de Deus como caminho para fazer as escolhas certas e “herdar a vida eterna”. E também propôs a todos a via das bem-aventuranças, para alcançar a felicidade eterna; por outro lado, o mandamento do amor a Ele e ao próximo é necessário para ter parte com Ele já neste mundo e na vida eterna. Ele é “o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6) para todos. As respostas e indicações de Jesus continuam valendo para todos nós.

Por vezes, porém, parece difícil encaixar nossas decisões diretamente em algum dos mandamentos e nem a todas as pessoas parecem claros os motivos altos que deveriam orientar nosso agir. Nesses casos, não faltam princípios singelos para nos ajudar nas escolhas e decisões da vida cristã. São Paulo e São João recomendam que os cristãos vivam de acordo com a sua alta dignidade (cf. Rm 8,16; Gl 4,6-7; 1Jo 3,1). No Batismo, o cristão foi acolhido por Deus como filho querido e, portanto, deve comportar-se como tal, cuidando sempre para que suas escolhas e ações sejam agradáveis a Deus e conformes à sua vontade. Diante de decisões a tomar, mesmo as mais difíceis, podemos nos perguntar sempre: “Neste caso, como faria um filho muito querido de Deus? A decisão que estou para tomar é conforme os mandamentos e a vontade de Deus?”

O cristão deve lembrar que Deus é Pai de muitos outros filhos e, portanto, cada filho de Deus faz parte de uma grande família de irmãos. Amor a Deus e amor ao próximo são inseparáveis (cf. Mt 23,8; 1Jo 4,20-21). Nenhuma ação contra o próximo é boa diante de Deus e, por isso, a prática do mal contra os outros, não importando a quem, deve ser sempre rejeitada, pois também é contrária ao amor de Deus.

São Paulo ainda faz outra recomendação importante, pedindo que os cristãos levem uma vida digna da vocação à qual foram chamados (cf. Ef 4,1) e vivam “de maneira digna de Deus” (1Ts 2,12). A vocação do cristão é a santidade, o que significa viver e agir em comunhão com Deus. É contrário à santidade tudo aquilo que se apresenta claramente como mau e contrário aos mandamentos. O agir do cristão, porém, não pode ser orientado apenas pela renúncia ao mal, mas pela prática do bem. Portanto, cabe-lhe fazer positivamente as escolhas que levem à prática do bem, sobretudo da caridade e da misericórdia. A santidade de vida floresce em todo tipo de obras boas.

Deus não deixa de nos oferecer continuamente a luz da verdade para fazermos as escolhas certas, corrigirmos nossos erros e voltarmos ao bom caminho, que Jesus indicou no Evangelho. Em uma palavra, Ele mesmo é o bom caminho (cf. Jo 14,6) e a luz do mundo. Quem o segue não anda nas trevas e não tropeça (cf. Jo 8,12). Por isso, se queremos acertar em nossas decisões, podemos sempre nos perguntar: “Como Jesus agiria se estivesse em meu lugar? Como decidiria?” Certamente, isso requer de nós um conhecimento sempre maior de Jesus e do Evangelho. A vida cristã, de fato, é um permanente discipulado, e nunca cessamos de aprender com Jesus, nosso Mestre.

A Oração da missa do 15º Domingo do Tempo Comum traz outro princípio precioso para orientar a vida cristã: “Dai aos que professam a fé rejeitar o que não convém ao cristão e abraçar tudo o que é digno desse nome”. Rejeitar aquilo que mancha a dignidade do cristão, que é filho de Deus. E abraçar o que honra a dignidade do cristão.

Nem sempre será fácil fazer escolhas coerentes com a dignidade do cristão. No entanto, essa dignidade possui um valor tão alto, que as escolhas mais difíceis valem a pena para não manchar nem perder a dignidade de filhos de Deus, irmãos de Jesus Cristo, salvos pelo sangue do Filho de Deus derramado por nós sobre a cruz. O caminho da vida cristã não promete ser fácil a ninguém. Ele, no entanto, dignifica muito. Por Ele, também vale a pena abraçar as escolhas mais difíceis.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Com avanços nos testes, CoronaVac pode ser a primeira vacina contra a COVID-19 no Brasil

Conheça os detalhes do imunizante que está sendo desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan e qual será...

Novo cardeal afirma que os escândalos não impedem a reforma do Papa Francisco

Em entrevista a um jornal italiano, Dom Marcello Semeraro ressalta que o processo de reforma da Cúria Romana tem o objetivo ético...

São Paulo prorroga campanha de Multivacinação e Poliomielite até dia 13 de novembro

Com baixa adesão, medida visa a aumentar as coberturas vacinais contra cerca de 20 doenças no território paulista

Esta sexta, 30, é o último dia para realizar matrículas e rematrículas na rede estadual

Processos podem ser realizados de forma online ou presencialmente nas escolas, diretorias de ensino e postos do Poupatempo

Missas em cemitérios no Dia de Finados: confira os locais e horários

Na Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, na segunda-feira, 2, diferentes paróquias da Arquidiocese de São Paulo organizam missas nos cemitérios da...

Newsletter