Confira nossa versão impressa

Para onde Deus nos leva?

A Solenidade da Ascensão de Jesus aos céus é um dos mistérios centrais da nossa fé. Ela revela o grande ponto de chegada da obra criadora e redentora de Deus: levar a humanidade a participar da sua glória na vida eterna. E isso já se realizou em Jesus Cristo, o Filho de Deus feito homem. E, é claro, pela graça de Deus, também em todos os santos e redimidos dos céus.

O mistério da Ascensão está ligado ao mistério da Encarnação, e o leva ao seu cumprimento: entrando na glória de Deus, o Filho de Deus leva consigo também a humanidade, que uniu a si pela sua “humanização”. Por isso mesmo, podemos dizer que a Ascensão de Jesus revela a grande promessa final de Deus para a humanidade. Para nós, é a celebração da esperança e daquilo que buscamos, mesmo sem o saber: chegar a Deus, estar com Ele para sempre e contemplar a sua glória.

É bem isso que expressa a liturgia da Solenidade da Ascensão. “Ó Deus, a ascensão de Jesus já é nossa vitória. Fazei-nos exultar de alegria e fervorosa ação de graças pois, membros do seu corpo, somos chamados na esperança a participar da sua glória” (Oração do Dia). O primeiro prefácio da Ascensão proclama: “Subiu aos céus, não para se afastar de nossa humildade, mas para dar-nos a certeza de que nos conduzirá à glória da imortalidade”. E o segundo prefácio contém a afirmação da fé ainda mais profunda na redenção plena: “Ele, após a Ressurreição, apareceu aos discípulos e, à vista deles, subiu aos céus, a fim de nos tornar participantes de sua divindade”.

A Oração sobre as Oferendas, da missa da Ascensão, vai nessa mesma linha: “Concedei, por esta comunhão de bens entre o céu e a terra, que nos elevemos com Ele até à pátria celeste”. Também vai na mesma direção a Oração depois da Comunhão: “Fazei que nossos corações se voltem para o alto onde está, junto de vós, a nossa humanidade”. Em Jesus ressuscitado e glorificado, junto de Deus Pai, cada um de nós também já está representado, bem como a nossa humanidade inteira.

Foi pensando nisso que o autor da Carta aos Efésios convidou a comunidade de Éfeso à alegria e à esperança: “Que Ele abra o vosso coração à sua luz, para que saibais qual a esperança que o seu chamamento vos dá, qual a riqueza da glória que está na vossa herança com os santos, que imenso poder Ele exerceu em favor de nós que cremos, de acordo com a sua ação e força onipotente!” (Ef 1,18-19). São Paulo podia dizer, com toda convicção, que não colocamos a nossa esperança em Cristo apenas para esta vida (cf. 1Cor 15,19).

De fato, a fé cristã não se restringe a esta vida e às realidades que podemos experimentar neste mundo, cuja figura passa (cf. 1Cor 7,31). Anunciamos os bens eternos e a vida eterna, que já se manifestou em Jesus Cristo e da qual todos já podem ter parte mediante a fé e a adesão a Jesus Cristo Salvador. A esperança cristã é ousada e nos projeta para além dos limites deste mundo, alcançável não por mérito e realização nossa, mas por benevolência e providência de Deus, que nos chamou à existência plena, e não para a frustração dos anseios do nosso coração.

Faz bem recordar isso, que é parte da fé que proclamamos todos os domingos e se refere às realidades escatológicas. Em todas as orações eucarísticas da celebração da missa, nós pedimos, com estas ou semelhantes palavras: “Esperamos também nós participar da vida eterna…” Ou ainda: “Esperamos também nós saciarnos eternamente da vossa glória”. Talvez temos falado pouco da vida eterna e das grandes realidades da esperança cristã, bem explicadas na primeira parte do Catecismo da Igreja Católica. O Papa Bento XVI também tratou da esperança cristã na sua bela encíclica Spe salvi (Salvos na esperança).

Sem o anúncio da grande esperança cristã, corremos o risco de transformar a mensagem cristã numa utopia apenas humana e terrena, facilmente assimilada a uma ideologia política. E a própria Igreja poderia ser vista apenas como uma “ONG do bem”, como advertiu o Papa Francisco em diversas ocasiões. No entanto, a esperança cristã não nos faz estar de braços cruzados, com os olhos apenas voltados para o céu. Pelo contrário, ela é inspiradora de nossa ação para realizar bem nossa missão neste mundo e para fazer aparecer, já na vida pessoal e social, os sinais dessa esperança. Conhecer e acolher as grandes promessas de Deus é fonte de energia e dinamismo para o nosso empenho em favor da caridade, da justiça e do cuidado de tudo o que Deus colocou sob os nossos cuidados nesta vida.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

‘Estás com inveja porque sou bom?’

25º DOMINGO DO TEMPO COMUM 20 DE SETEMBRO DE 2020 Um patrão sai de madrugada a contratar trabalhadores para...

Quem foi o sacerdote Melquisedeque?

O Ricardo Paiva, que mora no bairro do Itaim, pede que eu fale a respeito de Melquisedeque, citado na Bíblia.

Para ter a paz no coração

É possível ter paz no coração em um tempo tão difícil como o que estamos vivendo? Minha mãe repetia-nos muitas vezes (tanto...

Ecologia integral

A celebração do Dia da Árvore, estipulada no Brasil para o próximo dia 21, antevéspera da primavera, nos dá a ocasião de...

Vem trabalhar na minha vinha

Para pregar o retiro do Ano Santo do Grande Jubileu de 2000, São João Paulo II convidou o Cardeal vietnamita François-Xavier Nguyên...

Newsletter