Rede Vida, 25 anos

A Rede Vida de Televisão comemora 25 anos de fundação e de programação. Sua história se insere no esforço da Igreja no Brasil em evangelizar, de maneira mais decisiva e eficaz, por meio da televisão, para levar a imagem e a mensagem da Igreja Católica ao povo e aos lares brasileiros.

Não é demais recordar que, nos anos 1990, a presença da Igreja Católica na televisão brasileira ainda era muito tímida, enquanto já havia uma forte presença dos grupos evangélicos nesse meio de comunicação. Muitos católicos se questionavam: onde está a Igreja Católica, que não aparece e não se vê? Enquanto isso, em seus monitores havia abundantes imagens de templos evangélicos repletos de fiéis e de pregadores entusiastas a atrair sua atenção. As imagens não deixam de impactar o inconsciente coletivo, levando facilmente a concluir, embora de maneira equivocada: “O que não se vê na televisão, não existe”. Os católicos brasileiros sentiam a necessidade de se reconhecer e se identificar com uma linguagem televisiva que pudessem vincular à sua comunidade de fé. Também outros canais e redes de televisão de inspiração católica foram logo surgindo no mundo da comunicação ligado à Igreja, participando de sua missão.

Os católicos brasileiros sentiram- -se alegres e reconfortados ao ver e ouvir a sua Igreja pela TV, que chegava às suas casas e lhes falava familiarmente da fé, da cultura e das orientações para a vida diária.

A Rede Vida convidava para momentos de celebração, oração e pregação; proporcionava, com frequência e sem filtros, a imagem e a palavra do Papa e dos bispos, contribuindo, dessa maneira, para a unidade da Igreja e para nutrir e fortalecer os laços de comunhão entre os fiéis e seus pastores, e vice-versa. Mediante sua programação, a Rede Vida ajudou muitos a conhecerem locais importantes ligados à fé e à devoção do povo católico, como os lugares santos da Bíblia, da vida de Jesus e dos santos, os santuários e templos católicos pelo Brasil e o mundo, testemunhas preciosas da nossa fé. Ajudou a conhecer e divulgar a extraordinária variedade cultural das práticas da vida cristã católica, embora unidas pela mesma fé.

Com coragem e pioneirismo, a Rede Vida respondeu ao apelo, tantas vezes reiterado, do Papa e dos bispos para que a Igreja Católica entrasse com decisão e sem medo no vasto, desafiante e promissor mundo das comunicações, para anunciar a Boa-Nova do Evangelho e contribuir, de maneira eficaz, com a edificação da sociedade, à luz dos princípios do Evangelho. Foram 25 anos de muito trabalho e aprendizado, de dificuldades e de êxitos inegáveis, os quais agradecemos a Deus.

Muitos contribuíram para a história da Rede Vida nesses 25 primeiros anos de sua existência. Pioneiro dessa iniciativa foi o jornalista João Monteiro de Barros Filho, ao colocar a TV Independente a serviço da missão da Igreja no Brasil. Igualmente, também, Dom Luciano Mendes de Almeida, que foi Arcebispo de Mariana (MG) e Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), um grande entusiasta e incentivador da criação da Rede Vida. Dom Antonio Maria Mucciolo, então Bispo de Barretos (SP) e, em seguida, Arcebispo de Botucatu (SP), dedicou longos anos de sua vida a este canal televisivo como Presidente do Instituto Brasileiro de Comunicação Cristã (Inbrac), mantenedor deste importante veículo de comunicação católico. Não de forma diferente, também colaborou muito o Cardeal Orani João Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ), que presidiu o Inbrac por oito anos. Numerosos leigos, padres e bispos abraçaram com entusiasmo, desde o início, a causa da Rede Vida. Com seu apoio, a programação deste canal católico chegou rapidamente aos lares dos centros urbanos e também aos lugares mais remotos do imenso território brasileiro. Um time bem variado de comunicadores, servidores e benfeitores da Rede Vida, nesses 25 anos, moldou seu rosto e sua linguagem, ajudando a sustentar a sua programação. Os telespectadores e apreciadores de seus programas também se tornaram participantes da sua missão em favor da evangelização.

Certamente, nem tudo é perfeito, e a Rede Vida pode e deve ser sempre mais aprimorada e eficaz, em comunhão e sintonia com as orientações da Igreja e com os princípios que norteiam a ação e a vida cristãs. No mundo cultural e religioso, em constante mutação, é preciso aprender com as próprias falhas, para aprimorar ulteriormente nosso serviço à missão da Igreja. É inegável, porém, que a Rede Vida, como as demais redes e canais de televisão ligados à Igreja, presta hoje um inestimável serviço à evangelização no Brasil.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas colunas

Quem dizem os homens que eu sou?

Neste tempo de pandemia e isolamento, as redes sociais vêm ganhando maior espaço na vida e no cotidiano das pessoas. Algumas pessoas...

O futuro da humanidade

O livro do Gênesis, em seu primeiro capítulo, faz uma construção teológica muito bonita sobre a criação do Universo: “No princípio, Deus...

A força da comunidade

Passado um semestre praticamente inteiro de convivência com o novo coronavírus e as mudanças na dinâmica social impostas pela pandemia em todo...

Novo Diretório para a Catequese

Há vários anos, o Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização vinha trabalhando na elaboração de um novo Diretório Geral para...

Newsletter