Você vai à Missa dominical?

O Domingo é, por excelência, o dia da Eucaristia, da Palavra de Deus e da Igreja. Em nenhum outro momento ou situação compreendemos tão bem que a Igreja é, aqui e agora, a comunidade dos discípulos de Jesus Cristo, reunidos com Ele, na unidade da Trindade Santa. A assembleia eucarística visível é sinal expressivo da realidade mais ampla e profunda da Igreja.

Na Eucaristia, o mistério da fé que professamos com palavras é celebrado de modo ritual, com gestos, palavras, hinos, atitudes e simbolismos. É sempre o Pai que nos acolhe, o Filho que nos convoca e instrui com sua palavra e nos alimenta com o Pão da Vida, e o Espírito Santo que age e dá eficácia à ação sacramental da Igreja. Na celebração da Eucaristia, formamos uma comunhão de fé e amor, comunidade fraterna, sem distinção nem discriminação, e somos animados na vivência da fé no testemunho diário. Na celebração da Eucaristia dominical, a comunidade de fé é novamente enviada para as suas múltiplas missões no mundo. A partir da Eucaristia dominical, o povo de Deus dispõe-se à prática da caridade pessoal e comunitária.

A celebração da Liturgia dominical deve ser bem preparada, em todos os seus aspectos, por quem preside e pelos que participam da equipe de celebração. Essa preparação envolve necessariamente a ação do sacerdote que preside a celebração e a de toda comunidade celebrativa, a escolha e a execução dos cantos, para que sejam adequados ao conteúdo celebrado na Liturgia; os leitores e demais servidores da celebração que devem fazer bem a sua parte, em benefício da comunidade celebrante. É necessário retomar a formação litúrgica de todo o povo, como orientou o Papa Francisco (Desiderio desideravi, 2022). Envolve também o ambiente celebrativo, para que favoreça a oração e o encontro pessoal e comunitário com Deus. Os horários das celebrações dominicais precisam ser adequados para que o povo possa cumprir o dever dominical. Também vale a pena recordar que é importante fazer uma boa acolhida das pessoas e criar um ambiente de fé e fraternidade para a celebração.

O Domingo é o Dia de Deus e da comunidade de fé, quando as pessoas, famílias e grupos de todo tipo devem reunir-se e celebrar na grande comunidade, cultivando os laços da comunhão eclesial, fraternidade, senso de pertença e participação na Igreja, povo santo de Deus. Por isso, devem ser evitadas as celebrações de grupos restritos, a não ser em ocasiões especiais, como retiros e encontros formativos específicos. Quem mais recebeu em dons, carismas e formação cristã não deve isolar-se em grupos seletos, mas oferecer seus dons e sua participação generosa nas mais variadas necessidades pastorais da paróquia, a grande comunidade de fé, família de Deus, que necessita desses dons e carismas para o seu bem e crescimento.

A preparação para a celebração dominical já pode começar na família, com uma oração da manhã e uma das leituras da missa dominical. Muitas famílias já fazem isso e, assim, as crianças e adolescentes são envolvidos desde cedo na oração comunitária, feita em família, que depois vai se estender à Missa na comunidade paroquial. Após a Missa, as comunidades paroquiais também podem oferecer um momento de convívio fraterno, para criar maior entrosamento entre os participantes da Missa dominical. Isso pode trazer muito fruto para a vida das comunidades. Se queremos renovar a vida das nossas comunidades eclesiais, demos maior valor à Missa dominical, centro da semana, e à acolhida e aproximação das pessoas.

A pesquisa do sínodo e o levantamento paroquial (2018), em vista do sínodo arquidiocesano (2017-2023), deixou clara a baixa participação dos católicos na Missa dominical em São Paulo. Os que frequentam regularmente a Missa aos Domingos e dias santos de guarda não passam de 6% do total de católicos da Arquidiocese. Isso questiona profundamente o alcance da nossa ação evangelizadora que, em grande parte, se desenvolve a partir da celebração dominical. É verdade que a vida cristã não se resume a participar da missa aos Domingos. Sem essa participação, porém, ela desaparece. Além disso, a participação na Missa diária também é um valor a ser incentivado. Por isso, em todas nas igrejas paroquiais deve ser oferecido, ao menos, um horário de Missa diária durante a semana. Mesmo com poucos os participantes, é importante que a Missa seja celebrada, em horário adequado à participação do povo. A divulgação da Missa diária ajudará a aumentar a participação do povo.

Não basta lamentar que o Domingo tenha sido assimilado pelas mais variadas ocupações e propostas de lazer ou trabalho da sociedade de consumo. Como católicos, precisamos pensar concretamente como pode ser recuperado o sentido cristão do Domingo e a participação assídua na celebração da Eucaristia. O preceito dominical nunca foi abolido e continua válido para todos os católicos que não estejam legitimamente impedidos de o fazer. Como recuperar o sentido cristão do Domingo, Dia do Senhor e da Comunidade?

guest
5 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Jose Fernandes
Jose Fernandes
11 dias atrás

Essas visitas as casas. Não foram feitas em todas as ruas. Prova disso. Onde moro. Não veio ninguém na rua. Ver nada.

Jose Fernandes
Jose Fernandes
11 dias atrás

Parabens pela matéria e explicação. Infelizmente. Esta assim mesmo. O povo hj em dia está vivendo uma verdadeira apostasia .ainda bem q não são todos

Ana Lúcia
Ana Lúcia
11 dias atrás

Gratidão 🙏

Cristina
Cristina
11 dias atrás

Sim

Maria de Fátima Zago
Maria de Fátima Zago
10 dias atrás

Difícil ver a igreja vazia
Domingo sem missasemana sem Graças