Confira nossa versão impressa

Amar a Deus no irmão

Estamos nos aproximando do fim de um ano bem diferente, atípico, que muito exigiu de todos nós. Tivemos que mudar e nos adaptar a uma situação nova e desconhecida. Ainda estamos aprendendo a lidar com tudo isso. Neste período, buscamos de muitos modos conservar e alimentar a nossa fé. Não faltou criatividade. A Palavra, sobretudo o Evangelho, nos alimentou a cada dia, em especial nos domingos e demais festas litúrgicas. Percebemos que os textos oferecidos pela liturgia têm revelado certa tensão na relação de Jesus com as autoridades do seu tempo. Durante vários domingos, pudemos acompanhar o conflito entre Jesus e as lideranças representadas pelos fariseus, saduceus, anciãos do povo e doutores da lei. Fazem planos para apanhar Jesus, buscam colocá-lo à prova, elaboram verdadeiras armadilhas. No entanto, em tudo são desmascarados pelas respostas dadas por Jesus. 

Em um desses confrontos, um fariseu pergunta a Jesus qual é o maior mandamento da lei. Eram tantos os mandamentos que a maioria das pessoas os desconhecia e, por isso, não tinha como observá-los. Os fariseus, porém, eram conhecedores das leis e criticavam a maioria do povo, gente simples que desconhecia tais leis. Respondendo à pergunta do fariseu, Jesus diz que a lei maior é o amor. Primeiro amar a Deus com tudo o que existe em nosso ser: com todo o coração, com toda a alma e todo o entendimento. Este tudo compreende até mesmo o que não é bom. É com todo o coração que tem luz e trevas, trigo e joio, terra boa e terra árida. Podemos amar sem medo, não precisamos esconder alguma coisa de Deus. Não precisamos esperar chegar à perfeição e nem ter tudo resolvido na vida para poder amar.

No entanto, Jesus continua a ensinar e diz que o segundo mandamento é semelhante ao primeiro: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Como posso amar a Deus de todo o meu coração, se o meu coração está cheio de outros interesses? O amor a Deus não é verdadeiro se não vem acompanhado do amor ao próximo. Não existe, portanto, como desejavam os fariseus e tantos outros nos dias de hoje, um amor a Deus e outro ao próximo. Santo Agostinho ensina: “O amor a Deus é o primeiro na ordem dos preceitos, o amor ao próximo é o primeiro na ordem da práxis. Amando ao teu próximo, tornas puro o teu olhar para poder ver a Deus”. 

Hoje teríamos dificuldades com a pergunta do fariseu e a resposta de Jesus, pois, à semelhança daquele tempo, criamos inúmeras leis para nos sentirmos seguros e inventamos inúmeras orações e devoções para nos sentirmos bem; criamos ritos e novenas para pacificar nossa relação com Deus e nos sentirmos merecedores do prêmio eterno. É um verdadeiro arsenal de coisas piedosas e rituais que de nada valem se não somos capazes de amar. “No meio da densa selva de preceitos e prescrições – dos legalismos de ontem e de hoje –, Jesus faz uma abertura que permite vislumbrar dois semblantes: o rosto de Deus e a face do irmão. Não nos confia duas fórmulas ou preceitos: não se trata de preceitos e fórmulas. Ele confia-nos dois semblantes, aliás, um único rosto, o rosto de Deus que se reflete em numerosos outros rostos, porque na face de cada irmão, especialmente do mais pequenino, frágil, indefeso e necessitado, está presente a imagem do próprio Deus” (Papa Francisco). Dom Pedro Casaldáliga diz: “No final do meu caminho me dirão: E tu, viveste? Amaste? E eu, sem nada dizer, abrirei o coração cheio de nomes”. Um coração que não ama é um coração vazio de Deus e dos seres humanos. “Nosso coração deve ser como uma agenda cheia de nomes, que no final da vida, quando seremos perguntados sobre o amor, nos bastará abrir o coração para que Deus veja cheio de nomes” (Padre Adroaldo). 

É uma mentira dizer que amo a Deus se sou indiferente à dor de muitos que não têm o mínimo para sobreviver, em especial os que passam fome – no Brasil, este número já ultrapassa 10 milhões –, em estado permanente de insegurança alimentar. É o que nos ensina o discípulo amado: “Se alguém disser: ‘Eu amo a Deus’, mas odeia seu irmão, esse tal é um mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (1Jo 4,20).

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Câmara lança campanha de 21 dias pelo fim da violência contra a mulher

Além da violência física contra a mulher, deputadas destacam importância de se combater violência política e psicológica A Secretaria da Mulher e a Primeira-Secretaria...

Dom Odilo à TV Canção Nova: ‘Que Deus continue iluminando e fortaleça este trabalho’

Arcebispo Metropolitano presidiu missa na comemoração dos 20 anos da emissora na capital paulista Na noite da segunda-feira, 23, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo...

Em live, Cardeal Scherer refletirá sobre a encíclica Fratelli tutti

Nesta quarta-feira, 25, às 20h30, a Arquidiocese de São Paulo realizará mais uma edição do Diálogos com a Cidade, totalmente on-line, em virtude da...

Jovens se conectam a Assis para pensar em uma economia a serviço da vida

Mais de 2 mil jovens, de 115 países, participaram, entre os dias 19 e 21, do encontro internacional “Economia de Francisco”, atendendo ao convite...

Papa Francisco aos jovens: ‘Não fiquem fora de onde se produz o presente e o futuro!’

Em mensagem aos participantes de ‘Economia de Francisco’, o Papa defende uma nova abordagem econômica que inclua os pobres “Ou vocês se envolvem ou a...

Newsletter