Confira nossa versão impressa

No serviço aos irmãos, o testemunho da fé

Nos Evangelhos encontramos, como que numa síntese, no que consiste o testemunho cristão: adesão e fidelidade a Cristo, que resultam em frutos de amor e misericórdia (cf. Jo 15,4s). Neste longo tempo de pandemia do novo coronavírus, muitos de nós vivemos como que perdidos, inseguros, com medo, temendo o contágio com o causador da COVID-19. Foi neste tempo difícil, porém, que mulheres e homens, temendo ou não contrair a doença, em meio a mortes, perdas e luto, impelidos pelo amor a Cristo e ao próximo, saíram pelas ruas de São Paulo e investiram seus talentos (cf. Mt 25,14-30) na acolhida, no trabalho e no amor a uma multidão de sofredores desta grande cidade. Populações em situação de rua, migrantes, refugiados, mulheres marginalizadas e tantos outros grupos minoritários foram destinatários de um amor que salva. A fé é isso, é viver sem medo, como missionário do amor, indo ao encontro de quem mais precisa, independentemente da sua raça, classe social ou religião. 

A triste realidade deste novo coronavírus, que nesta pandemia infectou milhões de pessoas e ceifou milhares de vidas, exigiu e exigirá, da sociedade e dos cristãos, uma nova postura de maior amor a Deus e ao próximo, sem medo ou preconceitos. Não ter medo significa ter consciência dos problemas, doenças, injustiças, morte etc., com confiança na confortante certeza da presença de Deus entre nós: “Eu estarei convosco todos os dias, até os confins do mundo” (Mt 28,20). Dessa forma, o testemunho cristão se faz missão, frutifica em bondade, amor e doação. Traduz-se na vivência das bem-aventuranças: “Tive fome, e me destes de comer. Tive sede, e me destes de beber. Era forasteiro, e me recolhestes. Estive nu, e me vestistes; doente, e me visitastes”. 

Faz-se presente no concreto da vida das pessoas: fome, sede, nudez, doença, prisão, migração, falta de moradia e tantas outras realidades que requerem nossa atenção e solidariedade. No irmão que sofre, é Deus quem sofre; no irmão injustiçado, é Cristo que o alvo da injustiça. Não termos medo de investir os talentos recebidos e por ter optado por Cristo e pelo seu Evangelho. Viver a alegria de ter escolhido a vida escondida em Cristo Ressuscitado, que é vida e salvação para todo aquele que crê Nele e na sua Palavra, que diz: “No mundo, tereis tribulação, mas coragem: Eu venci o mundo. Comigo você também vencerá” (Jo 16,33).

As pandemias, sejam as do novo coronavírus, as da indiferença, da ganância, da miséria e tantas outras, não as venceremos sozinhos, mas colocando nossos dons em comum e a serviço do bem. Que os responsáveis políticos, sobretudo os que foram eleitos neste ano de pandemia, saibam promover políticas públicas em favor da vida e a dignidade de todos; que saibam cuidar das populações, sobretudo das mais vulneráveis, com verdadeiro amor e respeito.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Câmara lança campanha de 21 dias pelo fim da violência contra a mulher

Além da violência física contra a mulher, deputadas destacam importância de se combater violência política e psicológica A Secretaria da Mulher e a Primeira-Secretaria...

Dom Odilo à TV Canção Nova: ‘Que Deus continue iluminando e fortaleça este trabalho’

Arcebispo Metropolitano presidiu missa na comemoração dos 20 anos da emissora na capital paulista Na noite da segunda-feira, 23, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo...

Em live, Cardeal Scherer refletirá sobre a encíclica Fratelli tutti

Nesta quarta-feira, 25, às 20h30, a Arquidiocese de São Paulo realizará mais uma edição do Diálogos com a Cidade, totalmente on-line, em virtude da...

Jovens se conectam a Assis para pensar em uma economia a serviço da vida

Mais de 2 mil jovens, de 115 países, participaram, entre os dias 19 e 21, do encontro internacional “Economia de Francisco”, atendendo ao convite...

Papa Francisco aos jovens: ‘Não fiquem fora de onde se produz o presente e o futuro!’

Em mensagem aos participantes de ‘Economia de Francisco’, o Papa defende uma nova abordagem econômica que inclua os pobres “Ou vocês se envolvem ou a...

Newsletter