Testemunho cristão e fidelidade a Deus

A vida cristã está fundamentada na fé em Deus e na sua Palavra. Os sacramentos, em especial a Eucaristia, são o alimento daqueles que assumem o seu Batismo e buscam, dia a dia, em meio aos desafios e perseguições, com o testemunho de suas vidas, edificar o Reino de Deus.

O evangelista Mateus nos apresenta uma síntese do testemunho que o cristão é chamado a dar de Jesus: “Não tenhais medo dos homens, pois nada há de encoberto que não seja revelado e nada há de escondido que não seja conhecido”… “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma”… “Não tenhais medo”… (Mt 10,26-33). Neste tempo de pandemia do novo coronavírus, toda a sociedade está perdida, confusa, com medo. Os cristãos católicos, homens e mulheres, marcados pela experiência do amor de Cristo, manifestado sobretudo na sua entrega à morte – e morte de cruz –, na obediência ao amor do Pai celeste, buscam igualmente viver a sua fé.

A fé não é algo externo à vivência cristã: ela é a prova do amor sincero e verdadeiro a Cristo e ao seu Reino. Não se pode viver a fé apenas mediante palavras e boas intenções. A fé necessita de testemunho e fidelidade Naquele em quem se crê, Cristo.

Esta triste realidade do coronavírus, na qual milhões de pessoas mundo afora foram infectadas e milhares já perderam suas vidas, exige dos cristãos um testemunho novo, testemunho de coragem, confiança e fidelidade a Deus. Jesus exorta os seus apóstolos, dizendo: “Não tenhais medo” (Mt 10,26-33). Não ter medo não significa que haverá sucesso no testemunho, que não haverá problemas de diversas ordens, inclusive morte, mas, sim, que Deus estará sempre conosco, Ele nunca faltará com a sua Palavra: “Eu estarei convosco todos os dias, até os confins do mundo” (Mt 28,20).

O testemunho cristão é fundamentalmente a prática das bem-aventuranças de Jesus, que diz: “Vinde benditos de meu Pai, recebei por herança o Reino preparado para vós desde a fundação do mundo. Pois tive fome, e me destes de comer. Tive sede, e me destes de beber. Era forasteiro, e me recolhestes. Estive nu, e me vestistes; doente, e me visitastes; preso, e viestes me ver” (Mt 25,34-36). O testemunho da fé cristã católica é dado no concreto da vida, nas mais diversas situações da existência humana: fome, privação de moradia digna, sede de justiça, migração, nudez, doença e prisão, realidades que evocam atenção, solidariedade, justiça. Nessas realidades, a pertença a Cristo é decisiva para o bom testemunho da fé. No irmão que sofre, é Deus quem sofre; no discípulo perseguido, é Jesus quem é perseguido.

Não ter medo significa viver da coragem de ter optado por Cristo e pelo seu Evangelho. De ter escolhido a vida escondida em Cristo ressuscitado, que é vida e salvação de todo aquele que Nele crê e busca viver a Sua santa Palavra: “No mundo tereis tribulações, mas tendes coragem, Eu venci o mundo” (Jo 16,33).

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas colunas

‘Manso e humilde de coração’

14º DOMINGO DO TEMPO COMUM 5 DE JULHO DE 2020 Antes de sua conversão, Santo Agostinho – homem erudito...

Quem dizem os homens que eu sou?

Neste tempo de pandemia e isolamento, as redes sociais vêm ganhando maior espaço na vida e no cotidiano das pessoas. Algumas pessoas...

O futuro da humanidade

O livro do Gênesis, em seu primeiro capítulo, faz uma construção teológica muito bonita sobre a criação do Universo: “No princípio, Deus...

A força da comunidade

Passado um semestre praticamente inteiro de convivência com o novo coronavírus e as mudanças na dinâmica social impostas pela pandemia em todo...

Newsletter