Viver segundo o Espírito

Quando chegou o dia de Pentecostes, todos eles estavam reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho, como de vento forte, e encheu a casa toda onde eles estavam.” Tudo começou numa casa, ambiente pequeno, fechado, pouca gente, porém, lugar da manifestação do Espírito como uma forte rajada de vento. A natureza mostra-nos que o vento modifica a realidade. Quando está muito quente e seco, antes da chuva sempre vem um vento forte. Ele desaparece, mas fica a terra umedecida pela chuva que faz germinar sementes, e estas vão embelezar a criação e alimentar os famintos. Isso é o vento. O Espírito, em nível bem diferente, causa mudanças grandiosas, pois é a força divina que muda o mundo.

“E apareceram línguas como de fogo se repartindo, e foram pousar sobre cada um deles. Todos ficaram repletos do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas.” O Espírito espalhou diversos dons às várias pessoas e colocou todos em comunicação: a unidade na diversidade. Esta é a verdadeira face da comunidade que nasce em Pentecostes, a qual deixa florescer carismas novos, mantendo sempre a unidade entre os que dela fazem parte. No entanto, pode acontecer de as pessoas, grupos ou partidos se fecharem em suas particularidades, achando-se os donos da verdade e procurando fazer de tudo para eliminar quem pensa ou age de modo diferente. Hoje, isso é muito visível naqueles que se definem como cristãos de direita ou de esquerda, inflexíveis no modo de pensar, tratando o outro como inimigo a ser eliminado, com a gravidade de usar citações bíblicas, com o propósito de justificar o que fazem e pensam.

O apóstolo Paulo recorre à imagem do corpo humano para mostrar que todos os dons são importantes para que tudo funcione bem e harmonicamente. Na falta de um órgão, o outro tem que trabalhar dobrado. Quando um adoece, o corpo todo padece. Na comunidade cristã, isso significa a doença da intolerância, de se achar dono do lugar, de viver ofendendo e insultando o outro, impedindo a entrada do Espírito. O Papa Francisco escreve: “Há sempre a tentação de construir ‘ninhos’: reunir-se à volta do próprio grupo, das próprias preferências, o semelhante com o semelhante, alérgico a toda contaminação. E, do ninho à seita, o passo é curto, mesmo dentro da Igreja. Quantas vezes se define a própria identidade contra alguém ou contra alguma coisa! Pelo contrário, o Espírito junta os distantes, une os afastados, reconduz os dispersos. Funde tonalidades diferentes numa única harmonia, porque, em primeiro lugar, vê o bem, vê o homem antes dos erros, as pessoas antes das suas ações”. Então, é preciso abrir as portas das comunidades para que o sopro do Espírito areje o lugar, remova a poeira, purifique o ambiente e lance luz para clarear o que está escuro.

“Estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou.” Novamente, a imagem de uma casa, agora com as portas fechadas. Nela, Jesus entra, encoraja os discípulos e transmite o Espírito para reconstruir as relações rompidas, afastar o medo e abrir horizontes para a missão. O Espírito recebido não mudou o chão no qual pisavam os discípulos, mas mudou seu coração; não os libertou dos problemas, mas lhes deu coragem para enfrentá-los; não encurtou o caminho, mas os fez caminhar confiantes para nunca serem vencidos pelo cansaço. Como nos ensina São Paulo: “É preciso viver segundo o Espírito”, de tal modo que, mesmo quando formos tomados pela noite escura, não nos falte fôlego para caminhar com a cabeça erguida.

Como o vento que carrega folhas e sementes para longe, o Espírito nos impele para fora, indicando que a missão vai para além das muralhas em que fazemos nossas celebrações. Em tempos de fácil contágio por um vírus oportunista, celebrar Pentecostes é ser portador de um novo contágio, capaz de acordar as forças adormecidas. Um contágio que vem com palavras positivas e motivadoras para quem se encontra angustiado, um contágio pelas mãos estendidas, que convidam à solidariedade e ao cuidado de vidas que foram machucadas, um contágio que alimenta e cria vínculos em tempos de isolamento. O amor é contagioso. Os textos bíblicos mostram-nos Pentecostes acontecendo a partir das casas. Há um bom tempo, fomos orientados a ficar em casa e a fechar nossos templos, a casa maior na qual a comunidade estava acostumada a se reunir para celebrar sua fé. Isso tudo é muito difícil para nós, mas cremos que o Espírito, como um vento forte, vai varrer as cinzas há tanto tempo acumuladas e expor as brasas, que teimaram em não se apagar para renovar a vida e sacudir a Igreja.

- publicidade -

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas colunas

Viver bem o tempo presente

Fomos todos surpreendidos pela pandemia do novo coronavírus. Depois de 1918, com a gripe espanhola, que dizimou muitas pessoas ao redor do...

O ‘Covidão’ do aborto

Quem lesse de relance uma manchete como “Movimentos financiados por fundações internacionais na iminência de conseguir a legalização do aborto no Brasil”...

Catequese: parte importante na missão da Igreja

O novo Diretório para a Catequese, publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, válido para a Igreja em todo...

Clássicos do cinema: ‘Ao Mestre com Carinho’

POR JOÃO FOUTO To Sir with Love – no Brasil “Ao Mestre com Carinho” – é um excelente...

Newsletter