Fala, Senhor!

Na imagem de São Paulo, Padroeiro de nossa Arquidiocese, que está em nossa Catedral Metropolitana, dois detalhes chamam a atenção: Paulo, que era um jovem altivo e até soberbo, está agora com o rosto abaixado, em atitude reflexiva. E o pergaminho em sua mão traz inscrita a pergunta: “Quid me vis facere?” – Que queres que eu faça? (At 22,10). A atitude e as palavras de Paulo referem-se ao momento de sua conversão quando, surpreendido por Jesus Cristo, Saulo passa a ser Paulo: de perseguidor de Cristo, torna-se apóstolo e missionário inteiramente dedicado a Cristo e ao Evangelho.

Soberbo e fechado na própria autossuficiência, ouvindo apenas a voz confusa dos seus projetos de glória, Saulo acabou cometendo violências, aprovando o apedrejamento do primeiro mártir, Estêvão (cf. At 22,20), perseguindo e castigando sem dó os seguidores de Jesus. Quando a luz fortíssima, vinda do céu, mostrou-lhe, porém, sua cegueira fanática, e a voz de Cristo o interpelou – “Saulo, por que me persegues?” –, ele caiu em si, tornou-se outra pessoa e reconheceu que não estava servindo a Deus, mas à própria vaidade. E daí por diante, mais humilde e dócil, aceitou ser tomado pela mão do Pedagogo, deixou- -se instruir e abraçou o Evangelho, que antes queria destruir.

A conversão de São Paulo mostra um itinerário de conhecimento falso e conhecimento verdadeiro de Deus, de uma religiosidade falsa e uma religiosidade autêntica. É falsa a religiosidade quando, movida por ambições e vaidades, por projetos ocultos de lucro, poder e dominação, torna-se fonte de violência e opressão contra o próximo e de desprezo pela pessoa e sua vida. Não é por nada que a Palavra de Deus ensina há muito tempo: “Religião pura e sem mancha diante de Deus e Pai é esta: assistir os órfãos e as viúvas em suas dificuldades e guardar-se da corrupção do mundo” (Tg 1,27).

O pergaminho na mão de São Paulo, na estátua da Catedral da Sé, sugere mais alguns pensamentos. A pergunta de Paulo – “Que queres que eu faça?” – é semelhante àquela que o sacerdote Eli sugere ao menino Samuel, que fazia um estágio no templo para se instruir nas coisas de Deus (cf. 1Sm 3,3-10). O texto diz que Samuel “ainda não conhecia a voz de Deus” e o sacerdote Eli lhe ensinou como ouvir Deus: “Se te chamar de novo, responde: ‘Fala, Senhor, teu servo escuta’” (1Sm 3,10). Samuel foi ajudado a ouvir a Deus, – assim como Paulo foi ajudado por Ananias (cf. At 22,12) –, e tornou-se, depois, o grande profeta Samuel.

Alguém os ajudou a reconhecer a voz de Deus e ensinou-lhes os Seus caminhos. Deus fala de muitos modos no interior da consciência e nas circunstâncias da vida, mas é preciso aprender a reconhecer a voz de Deus e a discernir seus caminhos. E são as outras pessoas, já “experimentadas” e familiarizadas com Deus que podem ajudar a fazer isso. Será que nossas crianças e adolescentes ainda recebem essa ajuda para “ouvir a Deus” e reconhecer sua voz no meio de tantas outras? Deveria ser esse o papel de pais, catequistas, pregadores, diáconos, religiosos e sacerdotes e dos demais membros da comunidade de fé: ajudar os membros jovens e ainda não iniciados no caminho da fé a reconhecerem a voz e o chamado de Deus. A iniciação à vida cristã e o processo de catequese, que começa na família, têm esse papel importante e insubstituível. Será que isso continua a acontecer também hoje?

Depois do batismo de Jesus no Jordão, João Batista, falando com os próprios discípulos e com o povo, apontou para Jesus, que passava: “Eis o Cordeiro de Deus!” (Jo 1,36). Era o mesmo que dizer: “O Salvador enviado por Deus é Jesus. A Ele é que vocês devem seguir daqui por diante!” De fato, dois discípulos de João logo seguem Jesus, e Jesus os convida a estarem com Ele para conhecer mais de perto quem Ele é e o que Ele tem a dizer. João Batista ajuda as pessoas a encontrarem Jesus Cristo e Deus. Ele não retém os discípulos junto de si, mas os encaminha para Jesus, como faz um verdadeiro profeta e evangelizador. Não pretende tirar vantagens da pregação para si mesmo e se alegra quando as pessoas encontram Jesus e o seguem: “Importa que Ele cresça e eu diminua” (Jo 3,30).

E a “pedagogia da iniciação à fé” continua, logo em seguida: André, um dos discípulos de João, que passa a seguir o Messias, vai falar sobre Jesus com seu irmão, Simão, e o leva até Ele. E Jesus chama também Pedro para o seu seguimento. O outro é Filipe: ele vai falar com Natanael e lhe conta sobre Jesus. Mesmo incrédulo, Natanael aceita o desafio de acompanhar Filipe ao encontro com Jesus e acaba se tornando discípulo. E assim, as histórias de quem ajuda outras pessoas a encontrarem Jesus continuaram ao longo do tempo, até os dias de hoje. Discípulos verdadeiros de Jesus ajudam outros a fazerem a experiência do encontro com Ele e a se tornarem discípulos. Quanto é importante essa ajuda para “ouvir a Deus” e discernir o seu chamado! Será que nós também fazemos isso?

Colunas Relacionadas

Fala, Senhor!

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Assine nossa Newsletter