Mais Arte e menos capacitismo

No livro Iniciação à Estética, Ariano Suassuna mostra que as Artes lidam com o sensível e, por meio delas, a pessoa se atenta para coisas às quais talvez nunca pensaria. Hoje, as Artes e os grandes aparelhos culturais têm uma tarefa urgente: incluir pessoas socialmente excluídas em aparelhos culturais de relevância em nossa sociedade, tais como orquestras, companhias de dança e de teatro, promovendo a reflexão sobre o seu papel na sociedade, superando o capacitismo (discriminação de pessoas com deficiência). 

No entanto, conhecendo processos de seleção praticados nessas companhias, é possível observar que a questão de incluir outros tipos de corpos não está presente na maioria. Aqui não se questiona o direito de selecionar pessoas com determinadas habilidades, mas sim a necessidade de expandir o entendimento de que outras também podem atuar. A proposta é a de pleitear que algumas companhias se abram para outros entendimentos sobre a capacidade de fazer Arte. Existem artistas que não são lindos e seus corpos não cabem no entendimento estreito de perfeição que ficou estabelecido, mas têm uma alta capacidade para outros desempenhos, igualmente capazes de promover reflexões no público. O que aqui se pleiteia é a busca de mais diversidade, de uma pluralidade de corpos mostrando diversas maneiras de se fazer Arte. 

São necessários programas para a inclusão de artistas com deficiência em projetos artísticos nos quais atualmente não há espaço para eles. Desse modo, a pessoa com deficiência poderá mostrar ao público que é um artista.

Uma coisa é uma companhia de balé dançando o mais belo que existe nas Artes. Outra, também possível, é uma companhia de balé agregando pessoas com deficiência e pessoas sem deficiência. A Associação Fernanda Bianchini, que trabalha com bailarinos deficientes visuais, é um exemplo de quem já faz isso, e o reconhecimento ao seu trabalho é a melhor prova de que abre campo para outras propostas em torno do balé. Grandes orquestras e companhias, muitas vezes, possuem um núcleo de formação que acolhe pessoas na infância e na adolescência, formando-as para se tornarem seus futuros integrantes. Seria importante que, nesta “categoria de base”, os projetos culturais com propostas artísticas distintas abrissem mais espaços a crianças e jovens que tenham alguma deficiência e vontade de estar naquele núcleo. 

A formação de um artista não acontece de uma hora para outra. Trata-se de uma construção de uma vida inteira. Se mais projetos não capacitistas começarem a existir no campo das Artes, mais artistas com deficiência poderão ser formados e contribuir com projetos artísticos plurais, que convivam com os que já existem. A luta precisa ser pelo aumento de propostas artísticas diferentes, para que não se eternize apenas um tipo de projeto artístico, um único entendimento de qual é o mérito a ser contemplado. Trata-se de uma proposta de mais diversidade, pois, se forem vários os projetos artísticos, serão vários os modelos dos processos de audição, nos quais caberá a possibilidade de reconhecer a singularidade de cada um. 

O grande poder de transformação das Artes é a facilidade que elas têm para mexer com o sensível, e, se elas são uma forma de tocar o sensível das pessoas, a possibilidade de conviver com diferentes propostas artísticas, realizadas por corpos com deficiência ou não, contribui enormemente para um equilíbrio mais justo entre pessoas com e sem deficiência, seja nos palcos, seja fora deles. 

Arthur Acosta Baldin é ator e professor de Teatro, com ênfase em Arte e Deficiência

Comentários

  1. Muito obrigado pelo comentário Leandra. O seu feed back e a troca de ideias com outra pessoas é importantíssimo para o meu trabalho.

  2. Muito obrigado Keila pelo comentário. O feed back de você e a troca de ideias com outra pessoas é importantíssimo para o meu trabalho

  3. Muito obrigado pelos comentários. O feed back de vocês e a troca de ideias com outra pessoas é importantíssimo para o meu trabalho

  4. Ótimo texto! Claro e esclarecedor. Pontual e amplificador de mentes para um mundo que reconhece a diversidade como uma das mais ricas contribuições da arte! Continue escrevendo textos tão importantes e necessários como este. Parabéns! Abraços, Leandra Migotto Certeza – feminista, escritora e jornalista com deficiência

  5. Parabéns por escrever sobre a arte e a diversidade, seu olhar nos mostra a realidade oculta que a sociedade e os artistas sem consciência impõe.

  6. Belíssimo texto Arthur. Com certeza precisamos de olhares mais empáticos para a questão, podendo então, buscar em nossa sociedade este equilíbrio justo que tanto ansiamos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter