Confira nossa versão impressa

Réquiem para uma criança no seio de outra criança

O Brasil foi recentemente sacudido pela notícia de um crime bárbaro, infelizmente muito comum: o estupro de uma criança de 10 anos, que acabou por resultar em gravidez.

A pergunta que se fez também é, infelizmente, muito comum: dada a opinião médica e jurídica, se seria justificável ou não a interrupção da gravidez. Seguindo os princípios da razão instrumental moderna, a decisão rapidamente foi efetivada: optou-se por interromper a gravidez de 22 semanas. A decisão foi facilitada por uma estratégia retórica: em momento algum se falou em matar a criança no seio da outra, falando-se apenas em parar o coraçãozinho, que já batia havia algumas semanas, de um ser a quem se chama de “feto”, um nome técnico que esconde a subjetividade do ser humano que estava sendo gestado.

Não quero aqui julgar as pessoas envolvidas (a criança grávida, os familiares, o juiz, os médicos), nem entrar na delicada questão se uma criança nesta idade poderia levar a gravidez a bom termo. Apenas quero destacar o clima que se criou em torno do evento nos formadores de opinião. De fato, sabemos que esses formadores são em sua maioria pró-abortistas, ou seja, defendem que a opção de prosseguir ou não com a gravidez fique inteiramente a cargo da mulher, independentemente de sua motivação. A posição quase consensual se transformou em furor quando alguns grupos protestaram em frente ao hospital contra o procedimento. Ainda que certos membros desses grupos ajam por razões políticas, usando a religião como pretexto, o furor se voltou contra todos os religiosos que ousaram se manifestar, oportuna ou inoportunamente. Até uma revista de alcance nacional publicou uma matéria de capa defendendo o aborto como solução “progressista”, que não se implementa pela resistência irracional de “conservadores” religiosos.

Não vi praticamente ninguém lamentando pela vida do ser que estava sendo gestado, alheio a toda a controvérsia a seu redor. Qualquer que fosse a solução alternativa que pudesse ter sido apresentada (com suporte às duas crianças, a que gerava e a que estava sendo gerada), teria sido imediatamente rejeitada pelos moralistas de plantão.

Certamente, é um grande ônus para uma mulher carregar em seu ventre o fruto de um estupro. Entretanto, o Cristianismo também se construiu com a convicção de que as crianças que nascem não carregam os pecados do ato vergonhoso. Uma vida nova se inicia, praticamente do zero. O ato violento é, ao mesmo tempo, um apelo ao amor de todos ao redor: apoio incondicional, a oferta de todas as condições para a subsistência e educação da criança.

É certo que o peso da iniquidade humana é muito grande, mas isso tem servido de pretexto para a celebração do individualismo moderno, em detrimento das novas gerações. Agora é apenas hora de lamentação (cf. Lc 23,28), e, por isso, este réquiem para a criança inocente.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Um momento de revolta contra Deus tem perdão?

“Minha mãe sofreu um acidente e, em casa, estamos vivendo sérios problemas. Num momento de raiva, quando do acidente, eu disse que...

Abre tua mão ao teu irmão

Todos os anos, desde 1971, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) dedica o mês de setembro ao estudo e à...

Postura conservadora

Recentemente, circulou a notícia de que os organizadores do Oscar, a maior premiação às produções da indústria cinematográfica, deixaram o seguinte recado:...

A encíclica Humanae vitae, de São Paulo VI, nos dias de hoje

Na encíclica Humanae vitae, publicada em 1968, São Paulo VI tratou da paternidade responsável, da abstinência da...

Fala, Senhor, que teu servo escuta!

E m nossos tempos, subsiste ainda, em muitas pessoas, a ideia de que o hábito de ler a Bíblia “é coisa de...

Newsletter