Confira nossa versão impressa

Prestar contas!

Prestar contas faz parte da vida, e todos estamos sujeitos ao dever de fazê-lo, mesmo se isso não nos parecer muito simpático. O administrador deve prestar contas da responsabilidade assumida; o trabalhador o faz àquele que o contratou; o esportista, ao seu clube e à torcida; o governante deve prestar contas ao povo; o padre presta contas ao bispo que o nomeou e à Igreja; o bispo presta contas à diocese, à sociedade e à Santa Sé. E cada um deve prestar contas à própria consciência.

Prestamos contas porque não somos senhores absolutos de nossas ações e iniciativas, nem estamos acima do bem e do mal. Faz parte de nossa responsabilidade social, uma vez que somos seres relacionais. A prestação de contas decorre do senso ético e moral de nossas pessoas e ações. E, quando se trata da nossa vida, a quem devemos dar contas?

Na parábola dos talentos (cf. Mt 25,14-30), meditada no domingo, 15 de novembro, Jesus ensina que, no reino de Deus, as coisas não são diferentes. Deus nos entrega dons e capacidades, que podem ser diversos para cada um, “conforme as suas capacidades” (25,14). O maior de todos os dons é a própria vida. E Deus espera que cada um coloque seus dons para produzir frutos e rendimentos ao longo da vida: as boas ações que praticamos, as obras de caridade e misericórdia, a dedicação generosa à promoção do bem comum na comunidade local ou para toda a humanidade. Frutos também são a dedicação à família, à criação dos filhos, ao cuidado dos doentes e idosos, à produção de obras culturais que elevam o espírito e educam; dedicação à ciência e à técnica em benefício da humanidade, aos serviços profissionais e artísticos… Não é possível enumerar todas as oportunidades para fazer multiplicar os talentos recebidos.

No dia em que Deus nos chamar para o julgamento, deveremos prestar contas de nossa vida. E não adiantará nada alegar que não se acredita Nele, nem nessas coisas. A prestação de contas será para todos. E haverá muita felicidade ao ouvir do Supremo Juiz este elogio: “Como foste fiel na administração de tão pouco, eu te darei muito mais: entra na alegria do teu Senhor!” (25,21). A recompensa de Deus será grande! E haverá muitas surpresas, ao ver gente desconhecida de nossas igrejas, que receberá grande recompensa, por ter dedicado sua vida, de modo honesto e generoso, à prática do bem.

No entanto, haverá também a decepção amarga de quem passou a existência sem nunca se preocupar em fazer algo de útil da sua vida. Quem vive apenas pensando em si próprio e sempre pretende tirar vantagem apenas para si, talvez escutará esta terrível repreensão: servo inútil, que fizeste de tua vida? “Servo mau e preguiçoso!” Tu bem sabias que, um dia, deverias prestar contas de tua vida. Que fizeste de bom com os dons recebidos? E para esse não haverá a recompensa da felicidade eterna, mas o lamento e a condenação eterna (25,26).

Parece fora de moda falar que deveremos prestar contas a Deus de nossa vida e de nosso agir. Pensar assim seria cair na grande e permanente tentação do homem, desde Adão e Eva: “Ser igual a Deus”, sem dever dar contas da vida a ninguém, nem mesmo a Deus. O julgamento e a prestação de contas, porém, são parte sólida do ensinamento de Cristo, conforme também lemos na parábola do grande julgamento (cf. Mt 25,31-46). Que Deus espera fruto de nossa vida, está muito claro em várias passagens do Evangelho, como a parábola do semeador (cf. Mt 13,1-30) e a da figueira estéril (cf. Mt 21,18-19).

A fé sincera em Deus nos leva a viver de maneira responsável, esforçando-nos na realização de nossos deveres e na prática do bem. A recompensa será grande para quem aceita os caminhos de Deus, observando seus mandamentos e colaborando de maneira generosa e alegre na realização de toda obra boa. A aproximação do final do ano litúrgico nos confronta com a perspectiva do final de nossa vida, do julgamento divino e da recompensa eterna. Assim, poderemos viver serenos e cheios de esperança. A “alegria do Senhor”, ou felicidade eterna, é prometida a todos os que fazem de sua vida um tempo de generosa dedicação a Deus e ao próximo.

Colunas relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Colunas

Cardeal Scherer envia saudação ao prefeito reeleito de São Paulo

Em mensagem enviada a Bruno Covas, Arcebispo de São Paulo reitera a necessidade de um governo que não se esqueça dos mais pobres e...

Bruno Covas é reeleito prefeito de São Paulo

Ele foi o mais votado em 50 das 58 zonas eleitorais da cidade, tendo mais de 3,1 milhões de votos O candidato do PSDB à...

Padre Vitor Bertoli: uma vida dedicada à caridade e à promoção humana

No cruzamento da Avenida Rebouças com a Rua Henrique Schaumann e a Avenida Brasil, encontra-se a Igreja Senhor Bom Jesus dos Passos, na Praça...

Católicos coreanos abrem jubileu dos 200 anos do nascimento de São Kim Degun

Na manhã deste domingo, 29, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu uma missa na matriz da Paróquia Pessoal Coreana São...

Como denunciar as fake news e outras irregularidades nas Eleições 2020?

Em sites específicos e até pelas redes sociais é possível ajudar a combater a desinformação neste dia de eleições Neste dia de eleição, eleitores que...

Newsletter