Adélia Prado: não apesar, mas por meio da circunstância

Tudo pode ser visto como sinal de outra coisa: o descascar da laranja, a briga com o pároco, a compra da carne no açougue, a desobediência do filho….  Quem tiver olhos que veja. Em Adélia Prado, sinal e mistério são uma coisa só.

A primeira vez que li um texto da Adélia Prado fiquei muito decepcionada! O poema era muito simples e tolo. Descrevia uma mulher que cozinhava a vida toda um trivial mineiro sem graça e sem fim e que – apesar disso – cantava:

“Minha mãe cozinhava / Arroz feijão, molho de batatinhas / Mas cantava” (“Solar”[in] Coração disparado. Rio de Janeiro: Record, 2006).

Graças a amigos muito mais interessantes e inteligentes do que eu, fui revisitando seus textos até entender que sem graça era eu e não o poema! E muito mais do que isso, esses três versos são como um hino de libertação porque, então, não era necessário acontecer absolutamente nada de genial, excepcional e incrível para que fosse possível cantar? Quer dizer que a vida podia ser fabulosa em sua repetição miúda e sem glamour, sem likes, nem seguidores, a vida anônima e pálida emanava uma luz que os olhos embaçados, engordurados da nossa velhice iniciada na adolescência não conseguia mais ver?

Adélia Prado é assim. A realidade a impacta. Ela esperneia até chegar num ponto em que algo se revela daquele cotidiano. E isso acontece até quando está tudo em paz porque o que ela deseja é descobrir o significado das coisas, de todas as coisas grandes ou pequenas do cotidiano.

Nosso Deus é encarnado, se eu perco a realidade perco Deus. Então ela leva muito a sério qualquer momento da realidade. Ao mesmo tempo que não tem medo dela porque Deus está ali e, de alguma maneira, ela vai – como ela mesma diz – espernear até descobrir.

Vejamos, por exemplo, esse trecho genial, em que ela descreve a chegada da luz elétrica na casa da narradora do livro:

“Quando inauguraram a luz elétrica na minha casa, meu pai convidou os vizinhos e serviu café acompanhado, depois de rezar o terço, onde se contemplou no quarto mistério glorioso, como Jesus, quarenta dias após sua ressurreição, subiu ao céu na presença de sua mãe santíssima e dos apóstolos. Não esplende o sol, como esplendeu naquele dia a lâmpada Alva Edison sobre a mesa quadrada e nossas quatro cadeiras.  Que lugar terá este fato irreversível, no cômputo final, quando o Senhor reunir o povo pra separar os bodes dos carneiros, assim como os sacos de plástico e as carteirinhas onde os fotógrafos acomodam para os fregueses seus retratos três por quatro e mais esta frase escrita com letra ginasial na página de um livro de Histórias do Brasil: Ferreira Brito substituiu Araújo Ribeiro.”  (Solte os Cachorros. Rio de Janeiro: Record, 2006)

Adélia Prado: não apesar, mas por meio da circunstância, Jornal O São Paulo
Para iniciar a leitura de Adélia Prado:
PROSA – Manuscritos de Felipa. Rio de Janeiro: Record, 2007.
POESIA – Oráculos de maio. Rio de Janeiro: Record, 2007.

Nada, absolutamente, nada na vida é desperdiçado e não por um dever, por termos que levar a vida a sério, mas porque – na vida, em qualquer parte dela, aí, dentro dela – a razão de todas as coisas se revela! Por isso a realidade a atrai e, se a atrai, quer levá-la a sério! É assim que o cristianismo nos faz respirar porque a transcendência ocorre ali, onde e como a gente vive. 

E para que lermos escritores assim? Para que eles possam ser uma companhia que nos ajude a entrar na vida sem medo, sem que precisemos nos distrair demais ou fingirmos que nada está acontecendo.  Uma provocação para viver uma abertura, encontrar um vínculo entre as circunstâncias e seu significado. Eu desejo aprender a viver desse jeito!

Termino com um outro autor que é, também, ótima companhia, Guimarães Rosa:

“Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive, os fatos. Ou a ausência deles. Duvida? Quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo.” (“O espelho” [in] Primeiras estórias, São Paulo: Global Editora, 2019).

Deixe um comentário