Ataque militar russo à Ucrânia. O mundo em apreensão

O anúncio por parte de Moscou de uma operação para proteger o Donbass desencadeia imediatamente uma série de condenações e reações internacionais. O presidente ucraniano fala à nação de ataques com mísseis enquanto as primeiras explosões são ouvidas no país. Biden: A Rússia é responsável pela destruição que este ataque trará. Reunião do Conselho de Segurança da ONU em andamento, Comitê Cobra programado para Londres e reunião da UE no dia de hoje

Imagem do Site Oficial do Presidente Ucraniano

O que se temia há dias se verificou e o mundo está testemunhando uma nova guerra. Durante a noite, a Rússia lançou operações militares em território ucraniano para proteger o Donbass. Foi o próprio presidente Putin quem anunciou a invasão: explosões e sirenes de alarme começaram a ser ouvidas ao amanhecer, também na capital, Kiev, onde se registraram colunas de carros civis em fuga, especialmente de áreas periféricas. O caos está por todo o país, não apenas no sul e sudeste, mas também nas fronteiras com Belarus e Polônia: em Odessa, Kharvik, Mariupol e Lviv. O ataque anunciado por Putin parece, portanto, ser poderoso e em grande escala. Em seu anúncio, o presidente russo, por outro lado, usou termos precisos como “desnazificar” e “desmilitarizar” a Ucrânia, ou seja, torná-la inofensiva: “a expansão da OTAN e seu uso do território ucraniano são inaceitáveis”, disse. Qualquer um que tente criar obstáculos e interferir conosco”, afirmou, “sabe que a Rússia responderá com consequências sem precedentes”. Estamos preparados para tudo. E na ONU, Moscou deixou claro que o alvo do ataque é “a junta no poder em Kiev”. Pouco antes, ele havia dito que estava respondendo a um pedido de ajuda de líderes separatistas que, nas últimas horas, afirmaram ter conquistado dois locais no Donbass. A notícia dever ser ainda verificada, assim como a das primeiras mortes.

A resposta da Ucrânia

A presidência ucraniana fala de uma “guerra de agressão”, e está pedindo ajuda ao mundo, em termos de sanções e isolamento da Rússia, assistência financeira, militar e humanitária. Enquanto isso, o governo está tentando proteger a população através da imposição da lei marcial. “Detenham a guerra e Putin”, escreveu o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky no seu Twitter. Têm-se notícias também da destruição da defesa antiaérea de Kiev. E da própria presidência a difusão das primeiras imagens da guerra, uma explosão na capital com uma densa nuvem de fumaça, perto de um parque. A operação russa”, adverte Zelensky, “visa destruir o estado ucraniano, tomar seu território pela força e estabelecer uma ocupação”.

Reações do mundo: EUA, ONU e UE

Reações de condenação e planejamento de uma resposta unida por parte do mundo ocidental são registradas nas primeiras horas após a ação militar russa. Os Estados Unidos e o presidente Biden falam de uma guerra premeditada e injustificada que trará “perdas catastróficas de vidas e sofrimento”. O líder norte-americano chamou o presidente Zelensky e anunciou novas duras sanções contra Moscou junto com os aliados. A OTAN, que convocou embaixadores com o Secretário-Geral Stoltenberg, disse que faria “o que fosse preciso para proteger seus aliados”. Na reunião do Conselho de Segurança da ONU, o Secretário Geral Guterres se manifestou: “este é o momento mais triste do meu mandato”, disse ele, “o presidente Putin, em nome da humanidade, retire as tropas russas. Este conflito deve parar agora, esta guerra não faz sentido e viola os princípios da Carta da ONU”.

A Europa está ao lado de Kiev: os representantes permanentes dos Estados membros se reunirão nesta manhã em Bruxelas para discutir a situação da segurança. “Nessas horas escuras, nossos pensamentos estão com a Ucrânia e as mulheres, homens e crianças inocentes que enfrentam esse ataque não provocado e temem por suas vidas. Responsabilizaremos o Kremlin”, disse a presidente da Comissão da UE, Von der Leyen. Putin escolheu o caminho do banho de sangue e da destruição’, atacou o primeiro-ministro britânico Johnson, que disse estar horrorizado com os acontecimentos, ‘a Rússia escolheu o banho de sangue para um ataque não provocado’. O Comitê de Emergência Cobra foi convocado de emergência em Londres nesta manhã.

“Precisamos de orações”

Enquanto isso, a população espera e tenta se proteger da melhor maneira possível. Aos microfone de Jean Charles Poutzulu Padre Radko Vaolodymyr de Lviv:

É a guerra, ouvimos notícias de bombardeios de numerosos vilarejos e até de grandes cidades. Nosso Patriarca chamou todos nós nesta manhã para nos convidar para a oração. Ainda estou na cidade de Lviv, a cerca de 60 quilômetros da fronteira com a Polônia. Posso testemunhar que durante alguns minutos as sirenes foram ouvidas. Não vamos ceder ao pânico. A ativação das sirenes significa que temos que ser cautelosos e nos esconder. À meia-noite, hora ucraniana, começou o estado de emergência, e esta manhã o presidente declarou o estado militar, portanto, a guerra aberta começou. Precisamos da oração para nos ajudar a não ceder ao pânico e para manter a calma, na esperança de que possamos vencer este mal.

Outras reações à operação militar russa na Ucrânia

França

“A Rússia fez a escolha da guerra. A França condena nos termos mais fortes o lançamento dessas operações”, disse o embaixador francês na ONU, Nicolas de Rivière.

Esta decisão, “no preciso momento em que este Conselho está reunido, ilustra o desprezo que a Rússia tem pelo direito internacional e pelas Nações Unidas”, acrescentou ele.

“Exortamos a Rússia a respeitar o direito humanitário internacional em todas as circunstâncias, pedimos a proteção e o respeito de todos os civis, incluindo pessoas vulneráveis, mulheres e crianças, e pessoal humanitário”, afirmou ainda.

Alemanha

A operação militar russa é “uma violação flagrante” do direito internacional, disse o chanceler alemão Olaf Scholz.

Reino Unido

O primeiro ministro britânico Boris Johnson condenou  os “horríveis acontecimentos na Ucrânia”, dizendo que o presidente russo Vladimir Putin “escolheu o caminho do derramamento de sangue e da destruição ao lançar este ataque não provocado”.

OTAN

O Secretário Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, condenou o “ataque imprudente e não provocado” da Rússia à Ucrânia, advertindo que isso coloca “inúmeras” vidas em risco.

“Condeno veementemente o ataque imprudente e sem provocação da Rússia à Ucrânia, que coloca em risco inúmeras vidas civis. Mais uma vez, apesar de nossas repetidas advertências e os esforços incansáveis da diplomacia, a Rússia escolheu o caminho da agressão contra um país soberano e independente”, disse o Sr. Stoltenberg em uma declaração.

“Os Aliados da OTAN se reunirão para enfrentar as conseqUências das ações agressivas da Rússia. Estamos com o povo ucraniano neste momento terrível. A OTAN fará o que for preciso para proteger e defender os aliados”, acrescentou ele.

Itália

O primeiro-ministro italiano Mario Draghi chamou o ataque da Rússia à Ucrânia de “injustificado e injustificável” e disse que a UE e a OTAN estavam trabalhando em uma resposta imediata.

Japão

O ataque russo à Ucrânia “abala as bases da ordem internacional”, disse o primeiro-ministro japonês Fumion Kishida.

Silvonei José – Vatican News

Deixe um comentário