Um pastor com o olhar voltado para a evangelização

Logo que Dom Paulo Evaristo Arns veio para São Paulo, ainda como Bispo Auxiliar na então Região Norte (hoje Região Santana), começou a ter contato com a realidade da periferia da cidade e, aos poucos, buscava a organização da Igreja nessas regiões mais afastadas do centro. Anos depois, já como Arcebispo, o Cardeal Arns propôs uma ação missionária inovadora para toda a Arquidiocese.

foto: Irmã Maria de Lourdes Schramm, mjc / Arquivo Pessoal

Motivado pela Campanha da Fraternidade de 1972, que tinha como lema “Descubra a felicidade de servir”, Dom Paulo lançou a Operação Periferia, convocando a Igreja em São Paulo a se voltar para a população que vivia nas periferias, tanto geográficas quanto sociais.

Na edição de 2 de fevereiro de 1972, O SÃO PAULO noticiou a proposta. “Em São Paulo, o serviço é exigência humana e cristã, pois o problema da periferia nos fere os olhos, o coração, e terá que mobilizar as nossas mãos. A Operação Periferia será, pois, a ação por excelência desta Quaresma, toda colocada debaixo da Fraternidade”, afirmou Dom Paulo, que, naquele ano, destinou 35% da arrecadação da Campanha da Fraternidade a várias atividades missionárias e pastorais realizadas na periferia. Seguindo os passos de seu patrono, o Apóstolo São Paulo, o Cardeal Arns queria evangelizar.

Maior Arquidiocese do mundo

Essa ação missionária vigorou de 1972 a 1978, quando a população da periferia no território da Arquidiocese atingia cerca de 4 milhões de pessoas. Nessa época, São Paulo era a maior Arquidiocese do mundo e compreendia toda a capital paulista e alguns municípios da região metropolitana, como Osasco, Itapecerica da Serra, São Roque e Ibiúna, incluindo áreas rurais.

Concretamente, a Operação Periferia propôs constituir comunidades, dar formação litúrgica, bíblica e catequética a leigos e animadores, criar centros comunitários, integrar recursos humanos e materiais de todas as comunidades da cidade.

Em um dos subsídios da Operação Periferia, o Cardeal dizia: “A periferia nos pede uma ação intensa e imediata, e não apenas palavras e bons propósitos. Para situações de emergência, reclama-se de soluções audaciosas que quebrem todas as barreiras do egoísmo e da burocracia”.

Um dos marcos dessa operação foi a venda, em 1973, do Palácio Pio XII, residência do Arcebispo à época. Com o dinheiro da transação, foram adquiridos mais de 500 terrenos em São Miguel Paulista, Guaianases, Jardim Vista Alegre, Jardim Tremembé, entre outros, para a instalação de comunidades. Além disso, a Operação Periferia contou com a ajuda financeira das organizações alemãs Misereor e Adveniat.

Igreja em missão

O coordenador-geral da Operação Periferia foi o Padre Ubaldo Steri, sacerdote italiano e até hoje Pároco da Paróquia Nossa Senhora das Graças, no Jabaquara, Região Episcopal Ipiranga. Ele explicou à reportagem que não era apenas socialmente que a periferia sofria.

“Com a crescente migração de pessoas do Norte e Nordeste do País, nem os poderes públicos nem a Igreja deram atenção até então para essa realidade periférica. Junto aos milhões de pessoas, não havia paróquias e padres suficientes.

Os poucos que existiam eram missionários estrangeiros.” Segundo o coordenador, a ideia era “criar igreja local para envolver o povo”.

A Operação Periferia propunha uma grande movimentação de padres diocesanos e religiosos, religiosas, leigos, todos chamados a contribuir para o desenvolvimento de uma Igreja mais missionária por meio de formações, cursos, encontros e reuniões que aconteciam nos setores, nas regiões episcopais e também em âmbito arquidiocesano.

“Seria imperdoável se neste momento não estimulássemos todas essas forças vivas, que poderão, por sua vez, descobrir e animar as próprias comunidades da periferia, e assim desenvolver a autopromoção, única solução a longo prazo”, disse Dom Paulo (O SÃO PAULO, 03/06/1972).

Pequenas comunidades

Ainda como Bispo Auxiliar, motivado pelas propostas do Concílio Vaticano II, tomou a iniciativa de formar uma equipe de pastoral chamada “Missão Povo de Deus”, constituída por padres, religiosas e leigos para a implantação dos documentos do Concílio, que depois, fortalecida pela Conferência de Medellín (1968), iria implantar pequenas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) nas 50 paróquias da Região Norte. No período seguinte, como Arcebispo de São Paulo, ele levou essa mesma ideia para toda a Arquidiocese a partir da
Operação Periferia. “O povo crescia na fé, testemunhava a solidariedade e trabalhava junto”, explicou Padre Ubaldo.

As comunidades eram construídas em mutirão, com a participação de todos os fiéis e com a ajuda vinda da Arquidiocese e das entidades do exterior para a compra dos terrenos e, eventualmente, de materiais de construção. Muitas paróquias da região central assumiram essas novas comunidades como uma espécie de intercâmbio que buscava estreitar a proximidade das diferentes realidades da cidade.

“Se nos engajássemos juntos na periferia, talvez descobríssemos aí quanto os homens pobres podem ser generosos, como sabem repartir, que alegria lhes proporciona esta coparticipação em tudo!”, disse Dom Paulo (O SÃO PAULO, 30/06/1973).

Frutos

Em 1978, a Operação Periferia foi oficialmente concluída e se tornou a Pastoral da Periferia, inserida nas diferentes iniciativas pastorais da Arquidiocese. Paralelamente, surgiram as pastorais sociais e o 1° Plano Arquidiocesano de Pastoral, de 1976.

A Operação Periferia expandiu a presença da Igreja em territórios que, posteriormente, deram origem às dioceses de São Miguel Paulista, Santo Amaro, Campo Limpo e Osasco, criadas em 1989. Nesse período, foram criadas 43 paróquias e cerca de 1,2 mil comunidades. Muitas dessas comunidades foram embriões de novas paróquias.

No livro “D. Paulo Evaristo Arns – Da Esperança à Utopia”, o Cardeal Arns relatou a ocasião
em que reservou um domingo para visitar algumas comunidades e celebrou uma missa para mais de 20 mil pessoas em gratidão pela Operação Periferia. “Jesus, que foi mal acolhido na terra dos homens, abençoava as pessoas que recebiam bem os nordestinos e demais brasileiros que procuravam refúgio em São Paulo. Acolher é amar, e amar é cumprir o destino principal da vida”, disse.

(Texto: Fernando Geronazzo)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter