Agências católicas dão boas-vindas ao acesso à região de Tigray, na Etiópia

Depois de meses de conflito, governo do país africano permite que ajuda humanitária chegue até população necessitada

Foto: Acnur

Agências católicas de ajuda humanitária na Etiópia receberam bem a iniciativa do governo de permitir mais acesso a Tigray, região semiautônoma no norte do país, onde uma operação militar deslocou milhões e deixou um número não especificado de mortos.

Em meio ao aumento dos pedidos internacionais de acesso irrestrito, o primeiro-ministro Abiy Ahmed Ali anunciou, em 24 de fevereiro, que 135 funcionários de organizações bilaterais e multilaterais foram liberados para viajar e realizar trabalhos de ajuda na região.

Sete organizações internacionais de mídia, incluindo The New York Times, BBC e Reuters, também tiveram acesso.

“Isso é tudo o que as agências humanitárias têm buscado. Elas têm pedido acesso à região para que possam fornecer os serviços tão necessários às pessoas”, disse Andre Atsu, diretor regional do Serviço Jesuíta aos Refugiados (SJR) na África Oriental.

O SJR é uma das agências que prestam assistência humanitária na região, onde metade dos 6 milhões de habitantes está supostamente deslocada.

AJUDA COMPARTILHADA

Um porta-voz do Catholic Relief Services dos bispos dos Estados Unidos, que também está prestando socorro em Tigray, disse que a agência tem trabalhado com o governo e parceiros locais para distribuir alimentos e outros itens essenciais.

“Muitas pessoas fugiram de suas casas durante o conflito e viajaram para outros locais seguros. Em muitos casos, as pessoas levaram muito pouco de seus pertences e não tiveram acesso a alimentos e suprimentos”, disse David Orth-Moore, chefe da operação conjunta de emergência do partido CRS Etiópia.

Ele disse que o CRS distribuiu mais de 22 mil toneladas de alimentos da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional. A comida foi entregue a mais de 600 mil pessoas e estava no caminho certo para atingir a meta de 1,4 milhão de pessoas até março.

“Ainda há áreas que não são acessíveis. Em algumas áreas, ainda existem conflitos, o que torna difícil apoiar todas as pessoas necessitadas”, disse ele.

O governo foi criticado por bloquear o acesso a Tigray desde 4 de novembro, quando o primeiro-ministro etíope ordenou ataques militares contra os governantes da região, a Frente de Libertação do Povo Tigray, por supostamente atacar uma base do exército federal em Mekele, a capital.

Fonte: Crux Now

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter