Arcebispo Maronita na Síria enaltece a perseverança de fé das famílias cristãs

‘O Menino [Jesus] que está para nascer ficará repleto do caloroso acolhimento que receberá em cada uma destas famílias destroçadas, pobres e frias como na manjedoura de Belém’, disse Dom Samir Nassar

ACN Canada

Por 11 anos os cristãos sírios (e outros) têm sido “uma família heroica” que corajosamente suportou “uma guerra, agravada por sanções, bloqueios, migração, miséria, morte e indiferença”, escreve Monsenhor Samir Nassar, Arcebispo Maronita de Damasco, em sua mensagem de Natal aos fiéis.  Toda a comunidade está se preparando para a época festiva, apesar dos muitos problemas não resolvidos.

Monsenhor Nassar elogia as famílias que “perseguem o esforço de viver com dignidade”, apesar de muitas vezes estarem sozinhas “nesta luta contra os problemas e perante o sofrimento que parece não ter fim”. Ele lembra “o êxodo sem fim de povos, a violência e a morte” que caracterizaram a história recente da Síria.

As famílias, acrescenta, têm tentado “adaptar-se” a uma vida de “austeridade” que não conheciam antes, agravada pela eclosão da pandemia COVID-19, e continuaram a lutar e a gerar, dando origem a novos núcleos que são sinais de esperança. Eles se assemelham a ‘um refugiado’ em meio a um ‘enorme caos’ de ‘falta de eletricidade, combustível, alimentos, remédios e até mesmo trabalho’ combinado com o ‘colapso’ da economia e da moeda local.

Por muito tempo, os sírios, especialmente a população civil que não teve nenhum papel ou interesse no conflito, tiveram que sofrer punições coletivas injustas devido às sanções internacionais e ao Caesar Act imposto pelos Estados Unidos, que são as principais causas da crise da fome e da pobreza, adicionado a uma década de guerra.

O sentimento comum e generalizado é o de exilados em sua própria terra, mas não faltam visões otimistas e esperançosas sobre o futuro. Desse ponto de vista, pode-se ler a perspectiva de uma retomada do turismo internacional após um longo período de marginalização e isolamento, líquido da emergência sanitária global.

Apesar das dificuldades, a família síria “continua firme na fé” que é a única maneira “de superar as dificuldades e misérias” que ainda enfrenta. “O menino [Jesus] que está para nascer”, concluiu o Prelado, “ficará repleto do caloroso acolhimento que receberá em cada uma destas famílias destroçadas, pobres e frias como na manjedoura de Belém”.

Fonte: Asia News

Deixe um comentário