Arquidiocese de Seul, na Coreia do Sul, apoia mães solteiras em dificuldades

Elas decidiram acolher a vida e recebem todo suporte para criar seus filhos. Na Coreia do Sul, cerca de 30% das famílias são monoparentais

Arquidiocese de Seul, na Coreia do Sul, apoia mães solteiras em dificuldades
Catholic Times of Korea

A Arquidiocese católica de Seul, na Coreia do Sul, continua a patrocinar mães solteiras que lutam para manter suas famílias como parte de suas atividades pró-vida.

Em 22 de janeiro, em um evento arquidiocesano, 20 beneficiários e chefes de famílias monoparentais na capital coreana receberam seus certificados de patrocínio, no programa intitulado “Coragem e Esperança para Mães Solteiras”, conforme informou o jornal Catholic Times of Korea, no dia 6.

Em 2018, o Comitê do Fundo de Pais Solteiros, sob o Comitê para a Vida da Arquidiocese de Seul, iniciou o programa de patrocínio para mães solteiras em colaboração com o Catholic Newspaper e a Catholic Peace Broadcasting Corporation (CPBC).

Cada família patrocinada recebe um subsídio de 500 mil won (US$ 418) por mês durante um ano e esse período pode ser estendido se necessário.

O fundo de patrocínio cobre alojamento para a família, custo de vida, despesas médicas e também a preparação para o emprego durante o período.

“Essa ação dá oportunidades para mães que estão lutando economicamente e emocionalmente”, disse o Padre Remigio Lee Dong-ik, responsável pelo programa. Ele saudou as mães solteiras por terem decidido proteger vidas, apesar de suas dificuldades.

“Em uma sociedade onde muitas decisões são tomadas para destruir vidas, obrigado por valorizar e proteger a vida. Continuaremos a subsidiar as despesas das famílias monoparentais, até para satisfazer o seu desejo de fazer um piquenique. Juntos, oramos uns pelos outros”, acrescentou o Padre Lee.

Enquanto participava da cerimônia de patrocínio, Dom Peter Chung Soon-Taick, Arcebispo de Seul e Presidente do Comitê Arquidiocesano para a Vida, disse que a Igreja continuará apoiando iniciativas para proteger a vida, que é um presente e uma bênção de Deus.

“Sinto novamente que a vida é um presente e uma bênção de Deus. Obrigado por proteger a vida que você recebeu de Deus. Vocês estarão em meus braços”, disse o prelado.

Em abril de 2021, o Ministério da Igualdade de Gênero e Família da Coreia do Sul divulgou seu quarto Plano Básico para Famílias Saudáveis ​​(2021-25), que pela primeira vez buscou fornecer apoio financeiro e institucional a famílias, incluindo uniões fora do casamento e crianças.

Acredita-se que o plano seja uma resposta aos sentimentos crescentes de jovens coreanos que não veem o casamento como uma prioridade de vida. Uma pesquisa do ministério no ano passado descobriu que 6 em cada 10 jovens coreanos acham desnecessário se casar e ter filhos.

Dados da estatal Statistic South Korea mostram que as famílias monoparentais estão aumentando no país. Em 2019, a Coreia do Sul tinha cerca de 30,2% de famílias monoparentais, um aumento de 29,8% do que no ano anterior.

A Coreia do Sul, uma nação de 51,8 milhões, teve a menor taxa de natalidade do mundo de 0,84 em 2020.

A potência econômica asiática não conseguiu interromper o declínio constante nas taxas de natalidade, apesar de sucessivos governos gastarem cerca de 225 trilhões de won (US$188 bilhões) na última década até 2020 em subsídios para creches e licenças maternas, dizem relatos da mídia.

Analistas previram que, no ritmo atual de queda na taxa de natalidade, espera-se que a Coréia do Sul se torne “uma sociedade superenvelhecida” com 20% da população com mais de 65 anos até 2026.

Fonte: UCA News

Deixe um comentário