Bispos peruanos pedem reconciliação e superação de polarizações no país

Prelados mostram preocupação sobre como ‘os valores da convivência humana no respeito mútuo, tolerância e responsabilidade social são cada vez mais afetados’

Em mensagem divulgada no dia 25, os bispos do Peru afirmam compartilhar os sofrimentos e as incertezas daquele país. Em 12 pontos, fazem uma análise de conjuntura, destacando a situação de polarização, que se soma a outras realidades que afetam especialmente a vida dos mais pobres.

Os prelados se dizem especialmente preocupados sobre como “os valores da convivência humana no respeito mútuo, tolerância e responsabilidade social são cada vez mais afetados”, como resultado da polarização política extrema.

O texto condena “o doloroso e histórico abandono do Estado por parte de milhares de compatriotas das periferias do país”, que se traduz em sofrimento, causado “pela falta de trabalho, pelo elevado custo de vida e pelo receio de investir na nossa país”.

Vacinas para todos

No contexto da COVID-19 que ameaça o país, os bispos peruanos criticam uma educação virtual que não atende aos objetivos de aprendizagem, o que aumenta entre os mais pobres, já que “muitos alunos em extrema pobreza não conseguiram acessar as aulas digitais”, para ao qual se soma sua deterioração mental e emocional. Diante disso, eles apelam “com insistência ao governo para que forneça as vacinas necessárias para todos e, ao mesmo tempo, pedimos a todos os peruanos que se vacinem”.

Os bispos peruanos desejam também que a fé seja um instrumento que contribua “para a reconciliação e superação das polarizações, gerando uma cultura de encontro e diálogo”. Por isso, insistem que “a intolerância, a indiferença e a discriminação não devem continuar a prevalecer na nossa convivência”, e que se busque a “reconciliação e do bem-estar de todos”, superando a “decepção, abandonando a nós mesmos e aos nossos. interesses ”.

Política para o bem comum

Em busca do bem comum e da democracia, a mensagem dos bispos do Peru pede que não se utilizem “o mecanismo político de exasperar, agravar e polarizar”, sugerindo que “orientamos a democracia para a liberdade, evitando todo autoritarismo. Rumo à igualdade, lutando contra todas as formas de discriminação e pobreza. E pela fraternidade, promovendo a amizade social e zelando pela nossa grande diversidade cultural e rica biodiversidade ”.

Por fim, o episcopado peruano reitera sua “disponibilidade para dialogar com as autoridades governamentais”, apelando “a trabalhar juntos para o bem comum por meio de mesas de diálogo”. Tudo isso a partir da disposição da Igreja peruana de “construir pontes e trabalhar juntos na fraternidade e na amizade social, pelo bem comum, pelo desenvolvimento humano integral e pelo fortalecimento de nossa frágil democracia”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter