Cáritas Bangladesh oferece assistência médica gratuita a mulheres grávidas

Serviço público de saúde é praticamente inexistente nas áreas rurais deste país asiático

Cáritas Bangladesh oferece assistência médica gratuita a mulheres grávidas
Fotos: Caritas Bangladesh

A Cáritas Bangladesh está oferecendo serviços médicos gratuitos para mulheres grávidas de famílias pobres nas áreas rurais do país do sul da Ásia.

“Desde de abril de 2021, a Cáritas Bangladesh está trabalhando nos cuidados de saúde para cerca de mil mulheres grávidas e adolescentes em dois distritos do país, Dinajpur e Netrokona”, disse o Dr. Edward Pallab Rozario, gerente de saúde da Cáritas Bangladesh.

O projeto destinado a melhorar o estado de saúde e nutrição dos mais desfavorecidos é financiado pela Cáritas Macau.

Rozário disse que os cuidados médicos nas áreas rurais e remotas do país são quase inexistentes, pelo que as grávidas raramente visitam um médico. A maioria das mulheres nem sabe onde encontrar um médico e muitas têm receio de ir a uma consulta.

Mow Manda tem 23 anos. Ela vive em Sagordighi, na área de Durgapur, no distrito de Netrokona, e disse estar grávida de seis meses. Recentemente, foi pela primeira vez a uma consulta desde que engravidou.

“O único hospital fica a cerca de cinco quilômetros daqui. Eu costumava pensar que não havia necessidade de fazer o teste por um médico durante a gravidez. Agora, porém, percebo que, se eu for examinada regularmente, meu bebê e eu estaremos saudáveis”, disse à UCA News a indígena Garo Católica, mãe de dois filhos.

A Cáritas Bangladesh está planejando expandir seus programas de conscientização sobre saúde para as mulheres nas áreas mais remotas de Bangladesh, disse Rozario. Além disso, está fornecendo conscientização e serviços de saúde para cerca de 30 mil mulheres grávidas, adolescentes e pacientes com HIV-AIDS.

De acordo com o departamento de saúde do governo, apenas 12% das mulheres puderam receber aconselhamento e cuidados de saúde no ano 2000. Atualmente, cerca de 50% das mulheres estão recebendo ajuda durante a gravidez.

Mohammad Sharif, diretor do programa de saúde materno-infantil do departamento de planejamento familiar, disse à UCA News: “Reduzir a mortalidade materna é uma grande conquista, mas é realmente possível reduzi-la ainda mais. Não é desejável que uma mãe morra ao dar à luz uma criança ou não tenha acesso a cuidados de saúde adequados durante a gravidez.”

De acordo com dados do departamento de saúde, 165 em cada mil mães morrem durante o parto em Bangladesh, enquanto 21 em cada mil recém-nascidos não sobrevivem.

Fonte: UCA News

Deixe um comentário