Colômbia: bispo faz novo apelo ao diálogo após um mês de conflitos

Manifestações começaram em 28 de abril, em oposição ao anúncio de uma reforma tributária. Ao menos 60 pessoas morreram e 120 continuam desaparecidas

Grupo de manifestantes contra o governo colombiano (imagem extraída a partir de vídeo da Comissão Intereclesial de Justiça e Paz)

A Colômbia completa na sexta-feira, 28, um mês com manifestações diárias e conflitos entre civis e destes contra as forças de segurança do país que já resultaram na morte de, ao menos, 60 pessoas, de acordo com o Instituto de Desenvolvimento da Paz (Indepaz), e em 120 desaparecidos, conforme dados da Comissão Intereclesial de Justiça e Paz.

Uma greve nacional foi deflagrada naquela data após o governo do presidente Iván Duque apresentar uma proposta de reforma tributária que levaria à maior tributação das pessoas físicas – direta ou indiretamente, como pelo aumento de impostos em itens de alimentação – e à redução de tributos que decorrem sobre as pessoas jurídicas (empresas e outras instituições).

Após os primeiros protestos, a reforma tributária foi retirada da pauta, mas as manifestações prosseguiram, lideradas pelas centrais sindicais, movimentos estudantis e membros do movimento indígenas, contrários a outras reformas que o governo federal deseja realizar, como nos serviços de assistência à Saúde.

Nos últimos 30 dias, conflitos têm ocorrido diariamente, com acusações de parte a parte: os manifestantes afirmam que as forças de segurança têm agido com força desproporcional. Já o Governo garante que as ações são em resposta aos atos de vandalismo e de incitação da violência.

Estímulo ao diálogo

Desde o início dos conflitos, a Igreja na Colômbia, por meio da conferência episcopal e das dioceses, tem exortado que as partes dialoguem.

Dom José Roberto Ospina Leongómez (foto: Diocese de Buga)

Uma das vozes que ressoaram pela paz nesta semana foi a de Dom José Roberto Ospina Leongómez, Bispo de Buga e Administrador Apostólico de Cartago, que se manifestou, em carta, após o crescimento das tensões sociais nas cidades de Cartago, Buga e Tuluá.

“Quero expressar a todos que vos acompanho com toda a alma e que compartilho, no mais íntimo do meu ser, do sofrimento ao qual têm sido vítimas pelos excessos que foram cometidos. E repudio qualquer forma de violência ou atropelo da dignidade humana e do direito de viver dignamente, venha de onde vier”, afirmou o Bispo.

Além de pedir que sejam ampliadas as vias de diálogo, Dom José Roberto convidou que todos pensem nas reais motivações do atual conflito: “É bom perguntarmos se esta situação não é reveladora do fracasso social que temos cultivado como país, uma sociedade que há muito perdeu o norte moral; uma população que crê resolver seus problemas sem Deus”.

Manifestação na cidade de Cali

O Prelado também pediu aos sacerdotes que se mantenham perseverantes na prática da oração e no apelo pelo paz. “Convido-lhes a ser pontes de diálogo, de aproximação entre todos para ouvi-los, entender as reclamações, buscar saídas, a fim de que todos possamos nos sentir parte da solução e não coloquemos mais fogo para a intolerância e a discriminação”.

Às pessoas de boa vontade, o Bispo também pediu que, independentemente da forma como pensem a realidade do país, que possam apresentar suas ideias, mas que saibam escutar a dos outros, com vistas a construção de uma sociedade melhor. “‘Jesus nos ensinou: faça o bem a quem te faz mal, ora por teu inimigo’ … Todos somos colombianos, somos uma pátria, todos somos irmãos”, escreveu na conclusão da carta.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter