Dados recentes da OMS indicam presença da variante Delta em 132 países e aumento global de casos

A declaração, que foi feita na quarta-feira, 28, também alertou a respeito da disseminação das quatro “variantes de preocupação”

© Taylor Brandon/Unsplash

Os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram um aumento “substancial” de novos casos de COVID-19 nas Américas e no Pacífico Ocidental, de 30% e 25%, respectivamente. A declaração, que foi feita na quarta-feira, 28, também alertou a respeito da disseminação das quatro “variantes de preocupação”. A explosão de novos casos na região contribuiu para um aumento acentuado no número total de mortes por coronavírus, que subiu 21% em comparação com a semana passada, para mais de 69 mil. 

A nível global, as infecções aumentaram 8% na semana passada, para mais de 3,8 milhões, informou a agência de saúde da ONU. Se essas tendências continuarem, a OMS observou que o número cumulativo de casos notificados globalmente pode exceder 200 milhões nas próximas duas semanas. 

Visão regional – Regionalmente, o sudeste asiático também relatou um aumento de novas infecções, embora a uma taxa muito menor de 3%, em comparação com os sete dias anteriores. O número de novas mortes aumentou em todas as regiões, exceto na Europa, onde as mortes foram semelhantes às da semana anterior. 

A OMS disse que, ao longo dos sete dias, o maior número de novos casos foi relatado nos Estados Unidos, que registrou mais de meio milhão de novas infecções, representando um aumento vertiginoso de 131%. Em seguida veio o Brasil, com 324.334 novos casos; Indonésia, com 289.029 novos casos; Reino Unido, com 282.920 novos casos; e Índia, com 265.836 novos casos. 

O total global de 194.608.040 de casos da COVID-19 confirmados inclui 4,1 milhões de mortes. Até segunda-feira, quase 3,7 bilhões de doses de vacina haviam sido administradas. 

Eficácia da vacina – Abordando a eficácia das vacinas contra a COVID-19 e suas quatro variantes preocupantes, a OMS referiu-se a estudos que haviam mostrado “uma redução de várias vezes na neutralização”. 

“No geral, a eficácia da vacina contra doenças graves, hospitalização e morte tem sido maior do que contra doenças sintomáticas não graves, com estimativas de eficácia da vacina para esses resultados mais graves acima de 80% para AstraZeneca-Vaxzevria, Moderna-mRNA-1273, Pfizer BioNTechComirnaty e Sinovac-CoronaVac”, declarou o relatório da OMS.

Variantes – Das quatro mutações da COVID-19 que a OMS designou como “variantes preocupantes”, a variante Alfa está presente em 182 países, Beta está em 131 e a variante Gamma em 81. Depois de atingir oito novos países na semana passada, a variante Delta está agora em 132 países.

Sobre a questão da eficácia da vacina contra o coronavírus, a OMS cita vários estudos de laboratório que mostram que a transmissão aos membros da família foi reduzida em aproximadamente metade quando a pessoa infectada foi vacinada com pelo menos uma dose, em comparação com alguém que não tinha recebido nenhuma vacina. 

A agência da ONU acrescentou que o risco de transmissão caiu ainda mais de 7 a 14 dias depois que as pessoas receberam duas vacinas, e observou que a maioria dos 90 estudos sobre a eficácia da vacina realizados até o momento veio de apenas três países que introduziram campanhas de vacinação precoce: Israel, Reino Unido e Estados Unidos.  

(Com informações de Nações Unidas Brasil)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter