Dom Odilo: ‘estaremos abertos para ver onde nos levará este caminho’

Arcebispo Metropolitano participou da coletiva de imprensa da 1a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, na segunda-feira, 22

Fotos: Comunicação Assembleia Eclesial

Como 1o Vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) e representante da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) neste Conselho, o Cardeal Odilo Pedro Scherer participa da 1a Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe, que acontece até o domingo, 28, na Cidade do México.

Na tarde da segunda-feira, 22, o Arcebispo de São Paulo participou da primeira coletiva de imprensa da Assembleia, realizada na sede da Conferência Episcopal Mexicana, ao lado da Irmã María Dolores Palencia, da Comissão de Conteúdos do Celam; do Padre Leo Perez, da Conferência Episcopal dos Estados Unidos; e da jovem Ligia Elena Matamoros, da Costa Rica, que integra a equipe latino-americana e caribenha da Pastoral Juvenil.

Um momento único para a Igreja

Inicialmente, o Arcebispo de São Paulo lembrou que a realização da Assembleia Eclesial, com a participação de clérigos, religiosos e leigos é um momento único e histórico para toda a Igreja e não só para a latino-americana e caribenha.

“A Igreja, de fato, é a comunidade de todos os discípulos e missionários de Jesus que vivem na comunhão de fé, esperança e caridade em torno de Cristo e se fazem seus missionários e testemunhas do Evangelho em todo o mundo”, ressaltou.

Dom Odilo enfatizou que a Assembleia Eclesial dá a oportunidade de um amplo processo de escuta e de se conhecer as muitas realidades da Igreja. “Por isso, este é um momento privilegiado que vive a Igreja e estaremos abertos para ver onde nos leva este caminho. Não está todo já construído. O que virá nestes próximos dias e para onde nos levará, isso está em aberto e veremos para onde o Espírito de Deus nos conduz”, afirmou.

Retomada à Conferência de Aparecida

O Arcebispo de São Paulo lembrou que a realização da Assembleia Eclesial atende a um pedido do Papa Francisco para que a Igreja no continente retome as reflexões e indicativos da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, realizada em 2007, em Aparecida, uma vez que nem tudo proposto já foi colocado em prática e há novos desafios que devem ser assumidos pela Igreja em sua missão evangelizadora e missionária.

“Um primeiro convite da Conferência de Aparecida, por meio das palavras do Papa Bento XVI, é o de voltar ao encontro com Deus, por meio de Jesus Cristo, sua Palavra e sua Igreja, bem encontrar-se com os pobres. Isso não cessa jamais, é absolutamente central, mas talvez tenhamos nos esquecido um pouco”, comentou.

Dom Odilo também lembrou que o chamado à conversão foi um dos aspectos tratados naquela Conferência e que se mantém atual: “É necessário um processo de conversão não só pessoal, mas também eclesial e social, para que se reconheça o Reino de Deus presente e se coloque para valer seus valores e a sua importância, pois é de sumo bem para todos e não faz mal a ninguém. Em Aparecida há também o impulso missionário. Não devemos nos preocupar só com uma pastoral de manutenção, de conservação, mas, sim, estar preocupados com uma pastoral decididamente missionária, que vai adiante, e é o que diz o Papa Francisco sobre a ‘Igreja em saída’, a Igreja indo ao encontro, que sai de si para o encontro, o diálogo e a escuta”.

O diálogo contra as polarizações

Questionado sobre a interferência de polarizações de todos os tipos na caminhada da Igreja no continente, o Arcebispo de São Paulo comentou que está tem sido uma preocupação permanente, uma vez que qualquer polarização no ambiente eclesial “é contrária ao espírito do Evangelho que fala sempre em comunhão e diálogo”.

No entender do 1o vice-presidente do Celam, o modo como foi estruturada a Assembleia Eclesial, partindo de um amplo processo de escuta, indica que é possível dialogar, ouvir posições diferentes e não fomentar polarizações. “Essa é uma semente que se lança e que depois, com a graça de Deus, com o Espírito de Deus, pode fazer nascer algo novo na sociedade”, desejou.

Evangelizar é missão de todos

Dom Odilo também comentou sobre a crescente preocupação da Igreja contra a clericalização e lembrou que evangelizar é missão de todos os católicos.

“Todo o povo de Deus é chamado para comunicar, anunciar e testemunhar o Evangelho de muitas maneiras para que a Igreja chegue às pessoas, para que o Evangelho não permaneça fechado em nossas comunidades eclesiais, mas que seja comunicado para que se transforme em luz, caminho e esperança às pessoas”, destacou.

“Essa experiência que estamos fazendo na Assembleia Eclesial é de voltar às raízes da Igreja como comunidade dos discípulos de Jesus Cristo, com todos comprometidos com o Evangelho e em testemunhá-lo”, completou, lembrando que a proposta de uma Igreja sinodal é oposta a de uma Igreja clerical, uma vez que todos são chamados com seus dons e carismas a evangelizar nos diferentes ambientes e não só os clérigos.

Renovação do Celam

Durante a coletiva de imprensa, o Cardeal Scherer também foi questionado sobre o atual processo de renovação do Celam, algo que está proposto desde 2019 e pelo qual se buscará fortalecer a atuação subsidiária deste organismo, uma vez que não se trata de uma diocese ou conferência episcopal, às quais competem atribuições executivas.

“O Celam se converteu, sobretudo, em um organismo continental de escuta, de conhecer, de perceber a realidade e de gerar processos que depois podem ser adotados pelas as Igrejas locais – dioceses e conferências episcopais. O processo de escuta, de renovação do Celam já está avançado e é embasado nos impulsos que nos dá o Papa Francisco para uma Igreja em saída, uma Igreja missionária, uma Igreja de escuta, uma Igreja a serviço”, concluiu.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter