Economia de Francisco: espaço para o diálogo entre os jovens

O evento global terá seu ápice no sábado, 24, com o encontro de jovens de todo o mundo com o Santo Padre. Entre os mais de mil jovens presentes, 100 são provenientes do Brasil.

Foto: Vatican Media

Na sexta-feira, 23, acontece o segundo dia de trabalhos e encontros no evento global da Economia de Francisco, em Assis, convocado em 2019 pelo próprio Papa Francisco.

Na parte da manhã os jovens se encontram em sessões, discussões e mesas redondas para apresentar ideias e projetos, e enfrentar questões econômicas e os desafios contemporâneos.

O início das atividades foi na quinta-feira, 24, no Teatro Lyrick. Na ocasião, foram recordados os jovens que não puderam estar presente neste encontro devido a problemas com o visto de entrada na Itália.

Na sexta-feira e também no sábado, haverá espaço para momentos de diálogo entre os jovens com figuras de renome internacional, para discutir as suas propostas e continuar a aprofundar os grandes desafios contemporâneo, começando pela construção de uma economia de paz.

Está disponível ao lado do Teatro Lyrick uma área permanente, definida como incubadora para ideias-projetos, onde se realizam sessões de networking e workshops temáticos”.

O Evento global de Assis é uma oportunidade para os jovens conhecerem as experiências de outros países, de outros continentes, de outras realidades culturais, descobrindo assim modelos alternativos de desenvolvimento.

No sábado ocorre o ápice do evento, quando os mais de mil jovens, se encontrarão com o Papa. Na ocasião, o Pontífice assinará o Pacto por uma nova economia.

Foto: Diocese de Assis-Nocera-Gualdo

PRESENÇA BRASILEIRA

Articuladores, educadores sociais, pesquisadores e economistas do Brasil também participam das atividades em Assis. Nos dias que antecederam o encontro, eles visitaram a Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL), e apresentaram um documento (cartilha) com a Articulação Brasileira para a Economia de Francisco e Clara (ABEFC) e a Rede Igrejas e Mineração no qual se destaca o papel feminino nas alternativas econômicas.

Para Guilherme Cavalli, membro da ABEFC e coordenador da Campanha de Desinvestimento em Mineração, a oportunidade de reunir jovens do mundo e propor outros paradigmas econômicos “é aterrizar o chamado do Papa Francisco, por seu testemunho, desde a exortação Evangelii gaudium até a encíclica Fratelli Tutti”.

 “Como juventudes do mundo, temos um espaço para partilhar e construir outros modelos econômicos que não aposte na exploração da Mãe e Irmã Terra, na exploração desumana da força de trabalho em determinadas zonas geográficas, em um capital internacional que continua as colonialidades sobre nossos territórios”, comenta o ambientalista.

Segundo os participantes brasileiros há uma maturidade política, uma habilidade política de quem está construindo a Economia de Francisco e Clara que é perceber que são os territórios, se empoderando sobre processos cada vez mais de democracia econômica, de organização popular, que geram um processo de transformação.

Ainda segundo eles a Economia de Francisco e Clara, não deve ser uma única resposta para o mundo, mas ela tem sua resposta a partir dos territórios. Isso o leva a afirmar a necessidade de entender a Economia de Francisco e Clara como “uma expressão a partir dos territórios e não como uma plataforma que pega um documento para debater com políticos ou empresários”, e sim como “um processo de retomada das experiências territoriais”.

Uma expressão disso é a economia solidária, que gera renda, trabalho cooperado, superação da fome a través da agroecologia, mas também os bancos comunitários, o orçamento participativo, que leve a discutir para onde está indo o orçamento do povo.

O grande parceiro da Economia de Francisco e Clara é o Pacto Educativo Global, que leva a discutir dentro das escolas, dos espaços de educação global e comunitária, nas comunidades eclesiais, ajudando a perceber o território como lugar de potencialidades, não como lugar de ausências, e com isso a uma retomada do comunitário.

ENCONTRO COM O PAPA

Agora a expectativa é o encontro com Francisco neste sábado. O Pontífice estará em Assis nesta manhã de sábado onde poderá olhar nos olhos e nos rostos de mais de mil jovens de todas as partes do mundo.

O Santo Padre chegará à cidade da Úmbria por volta das 9h30 e será recebido por três jovens participantes da iniciativa, pelo prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Cardeal Michael Czerny, pelo Arcebispo de Assis-Nocera Umbra-Gualdo Tadino e bispo de Foligno, Dom Domenico Sorrentino, pelas autoridades civis, e pelo economista Luigino Bruni, um dos promotores da Economia de Francisco junto com a irmã Alessandra Smerilli, e a doutora Francesca Di Maolo.

Em seguida, no Palaeventi de Assis, o encontro do Papa com os jovens. Haverá um momento teatral artístico. Depois, oito jovens contarão suas experiências. Por fim, o discurso do Papa, a leitura e assinatura do Pacto entre Francisco e os jovens. No final da manhã, o Papa retorna ao Vaticano.

A presença do Papa Francisco no encontro – dizem os jovens – já os compromete ao modelo que priorize uma economia comprometida com processos de vida.

Fonte: Vatican News (reportagens de Silvonei José)

Deixe um comentário