Governo norte-americano afirma ter matado líder do Estado Islâmico

Informação foi divulgada por Joe Biden. Ação ocorreu em operação da Coalização na fronteira de Iskenderun. Civis, incluindo crianças, também morreram

Observatorio Sirio de Direitos Humanos

O presidente Joe Biden anunciou, na quinta-feira, 3, que as forças militares dos Estados Unidos na Síria mataram um comandante do grupo extremista Estado Islâmico. “Abdullah Qardash”, também conhecido como “Abu Ibrahim Al-Hashimi Al-Quraysh”, era um comandante iraquiano da cidade de Mosul. O feito ocorreu na área entre Idlib e Aleppo, na fronteira de Iskenderun.

Fontes relataram ao Observatório Sírio de Direitos Humanos (SOHR) que uma mulher não síria se explodiu com cinto explosivo durante a operação, fazendo com que seu corpo fosse dilacerado. Enquanto isso, o porão do prédio de dois andares não foi alvo das forças da Coalizão que conduziram o lançamento aéreo nas primeiras horas da quinta-feira. As forças sitiaram o prédio e pediram aos moradores do primeiro e segundo andar, por meio de alto-falantes, que se entregassem.

No entanto, os moradores da casa começaram a atirar nas forças de segurança, antes que os confrontos eclodissem e os helicópteros da Coalizão interviessem e atacassem a área.

Por outro lado, helicópteros da Coalizão pousaram no aeroporto “Kharab Ishik” na zona rural de Ain Al-Arab (Kobani) nas primeiras horas de quinta-feira e partiram por volta das 5h, horário da Síria. Não se sabe se esses helicópteros participaram da operação de segurança que ocorreu na área entre Deir Balout e Atamah, na fronteira administrativa entre Aleppo e Idlib.

Fontes ouvidas pelo SOHR informaram que um membro do Hayyaat Tahrir Al-Sham (HTS) estava entre as 13 pessoas que foram mortas durante a operação da Coalizão Internacional em uma área localizada na fronteira administrativa entre Idlib e Aleppo, perto da fronteira com a Síria. Iskenderun da Turquia.

O membro armado do HTS que foi observado perto da área alvo foi morto durante a troca de tiros com as forças da Coalizão.

O número de mortos na “operação de segurança” da Coalizão Internacional em Idlib subiu para 13 pessoas, incluindo quatro crianças, três mulheres e três corpos desmembrados. Enquanto isso, as identidades dos mortos permanecem desconhecidas.

Essas pessoas foram todas mortas em um lançamento aéreo e ataques aéreos das forças da Coalizão e aeronaves perto da região de Atamah, na fronteira de Iskenderun, no interior do norte da província de Idlib. Espera-se que o número de mortes aumente ainda mais porque há informações sobre outras pessoas mortas e também alguns dos feridos sofreram ferimentos graves.

Até o momento, os principais objetivos da operação não foram confirmados, enquanto alguns meios de comunicação têm circulado muitos nomes de jihadistas entre as vítimas. Enquanto isso, o SOHR enfatiza que os detalhes da operação não são claros.

(Com informações do Observatório Sírio de Direitos Humanos)

Deixe um comentário