Igreja na Argentina reafirma ‘o valor da vida em todas as suas etapas’

Declaração da Comissão Episcopal para a Vida, os Leigos e a Família foi realizada no Dia do Nascituro, 25 de março

Foto: Celam

A Comissão Episcopal para a Vida, os Leigos e a Família (Cevilaf), da Conferência Episcopal Argentina, por ocasião do Dia do Nascituro, publicou na quinta-feira, 25 de março, um comunicado no qual convida a todos “a acolher, cuidar e acompanhar aquela vida ”.

Direito à vida do nascituro

Os membros da comissão defendem que “o nascituro é uma vida única e irrepetível, e tem o direito inalienável de vivê-la ”. Ao mesmo tempo, enfatizam que “aquele momento da vida humana é um dos mais vulneráveis ​​da existência; e sem o cuidado dos pais e da família, essa vida não sobreviveria”.

O comunicado se refere aos dispositivos da Constituição argentina, que defende “os direitos que uma mesma criança tem desde o ventre ”. 

Esta afirmação da Carta Magna leva a Comissão Episcopal para a Vida, os Leigos e a Família, a afirmar que “cabe a todos nós, indivíduos, família e Estado, cuidar e respeitar a vida desde a sua concepção”. 

O texto é concluído com o apelo a “continuar a ser anunciadores convictos e alegres do valor da vida em todas as suas etapas”.

Repúdio à lei do aborto

Recentemente, reitores de faculdades de direito de uma dezena de universidades argentinas assinaram uma declaração conjunta intitulada “A cultura da vida e o nascituro”.

A declaração começa por se referir à chamada lei do aborto, que eles descrevem como “ iníqua e injusta”, aprovada pelo Congresso Nacional em 30 de dezembro de 2020.

Os signatários, que vivem “com muita dor face a esta manifesta ofensa à cultura da vida”, denunciam a inconstitucionalidade da referida lei, pretendendo “reiterar o nosso compromisso com a cultura da vida, exigindo que a ordem jurídica proteja o humano, desde a sua concepção e até mesmo a morte natural ”. 

A declaração dos reitores afirma que “não se trata de convicções religiosas, morais ou pessoais”, insistindo que “como Faculdades de Direito, queremos colocar os argumentos ao nível da ordem jurídica atual a partir da qual podemos e devemos dar a nossa contribuição para o serviço do bem comum”.

Fonte: Celam

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter