Igreja renova apelo por ajuda aos cristãos da Terra Santa

Igreja na Terra Santa depende da ajuda anual vinda dos católicos de todo o mundo (Foto: Nadim Asfour/Custódia da Terra Santa)

O Frade franciscano responsável pela Custódia da Terra Santa, Frei Francisco Patton, enviou um apelo aos cristãos de todo o mundo por solidariedade para com os cristãos dos lugares santos, que sofrem os impactos da pandemia da COVID19.  

A Custódia da Terra Santa, é a instituição da Igreja Católica mantida pelos franciscanos e responsável pelo cuidado da maioria dos lugares santos na Palestina, em Israel, na Jordânia, na Síria, no Chipre, em Rhodes e no Egito. A Ordem dos Frades Menores se dedica ao cuidado do patrimônio e das comunidades cristãs nessa região há mais de 800 anos.

Assim como em todo o planeta, foram adotadas na Terra Santa medidas restritivas para conter o avanço do novo coronavírus, o que causou a paralisação das peregrinações. A suspensão das celebrações com o povo em muitos países também refletiu na diminuição do envio de ajuda financeira vinda, sobretudo, da coleta global para os Lugares Santos, realizada anualmente na Sexta-feira Santa.

LEIA TAMBÉM:
Terra Santa: o ‘Quinto Evangelho’


Cristãos voltam a celebrar Domingo de Ramos nas ruas de Jerusalém

Generosidade

“Apesar desta situação, continuamos a preservar os Lugares Santos da nossa redenção e a pequena comunidade cristã que ainda existe e resiste aqui. No Santo Sepulcro, no Getsêmani, em Belém, em Nazaré e nos outros santuários intensificamos a nossa oração pelo mundo inteiro”, manifestou o Custódio.

Patton destacou ainda, que, nas paróquias católicas continuam o atendimento aos cristãos de língua árabe, hebraica e grega, trabalhadores estrangeiros migrantes e refugiados. “Através das escolas da Terra Santa cerca de 10 mil crianças, meninos e meninas puderam usufruir de uma boa educação. Os nossos esforços caritativos têm se intensificado para atender às necessidades essenciais das populações colocadas à prova – tanto pela pandemia – quanto pela guerra e também pela ausência de assistência social e sanitária”, acrescentou o Franciscano.

“Este ano, mais do que nunca, precisamos da generosidade dos cristãos de todo o mundo, da generosidade de cada um de vós. Ajude-nos novamente este ano, de acordo com as suas possibilidades, de acordo com a generosidade do seu coração, para que também nós, possamos ajudar os mais necessitados”, pediu o Custódio.

Não esquecer dos irmãos

Apesar das restrições da pandemia, franciscanos continuaram os trabalhos pastorais nos lugares santos (Foto: Nadim Asfour/Custódia da Terra Santa)

Também o Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, Cardeal Leonardo Sandri, dirigiu um apelo aos católicos para não deixarem de colaborar com a Igreja na Terra Santa. Em carta enviada a todos os bispos do mundo, o Cardeal recordou que, em cada Semana Santa, “tornamo-nos idealmente peregrinos de Jerusalém e contemplamos o mistério de Nosso Senhor Jesus Cristo Morto e Ressuscitado”.

“Em 2020, os cristãos daquelas terras sofreram um isolamento que os fez sentir ainda mais distantes, separados do contato vital com os irmãos provenientes de vários Países do mundo. Sofreram a perda do trabalho, devida á ausência de peregrinos, e a consequente dificuldade de viver dignamente e prover as próprias famílias e aos próprios filhos”, enfatizou o Prefeito.

Recordando a parábola do bom samaritano, o Purpurado desejou, ainda, que coleta para a Terra Santa 2021 “seja para todos a ocasião para não voltar o olhar, para não passar adiante, para não ignorar as situações de necessidade e de dificuldade dos nossos irmãos e das nossas irmãs, que vivem nos Lugares Santos”.

“Se diminuir este pequeno gesto de solidariedade de partilha (São Paulo e São Francisco o chamariam de ‘restituição’) será ainda mais difícil para tantos cristãos daquelas terras de resistir á tentação de deixar o próprio país, será difícil manter as paróquias na sua missão pastoral, e continuar a obra educativa através das escolas cristãs e o empenho social a favor dos pobres e dos que sofrem”, acrescentou o Cardeal.

Coleta

A Coleta para os Lugares Santos foi instituída por São Paulo VI em 25 de março de 1974, por meio da exortação apostólica Nobis in Animo. Todos os anos, as coletas realizadas em todas as igrejas católicas do mundo na Sexta-feira Santa são enviadas para a Custódia da Terra Santa.

“A Igreja de Jerusalém ocupa um lugar de eleição na solicitude da Santa Sé e na preocupação de todo o mundo cristão, enquanto o interesse pelos Lugares Santos, e em particular pela cidade de Jerusalém, emerge mesmo nos grandes consensos das Nações e nas maiores Organizações internacionais. Tal atenção é hoje primordialmente pedida em razão dos graves problemas de ordem religiosa, política e social ali existentes”, afirmou o Santo Padre, na Exortação Apostólica.

Em São Paulo

Em muitos lugares, como na Arquidiocese de São Paulo, onde as missas com a participação de fiéis foram suspensas devido a “fase emergencial” da pandemia, a coleta para os lugares santos será realizada em outra data que será comunicada oportunamente.

No entanto, o site da Custódia da Terra Santa possui um canal direto que permite as doações ao longo de todo o ano, que pode ser acessado aqui.

Assista ao vídeo com a mensagem do Custódio da Terra Santa:


(Com informações de Custódia da Terra Santa)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter