Orfanato católico recebe prêmio de direitos humanos em Timor-Leste

Irmãs dominicanas recebem premiação criada em homenagem a diplomata brasileiro assassinado em 2003

Reprodução do Facebook de Francisco Guterres Lu Olo

O governo de Timor-Leste concedeu prêmios a quatro pessoas e instituições, entre os quais um orfanato administrado por freiras católicas, em razão de sua atuação pela defesa dos direitos humanos.

O Prêmio Sergio Vieira De Mello de Direitos Humanos de 2021 foi entregue pelo presidente de Timor Leste, Francisco Guterres Lu Olo, em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Os destinatários foram o Orfanato das Irmãs Dominicanas em Díli, o ativista ambiental Alexandre Rosa Bruno Sarmento, a ONG Casa Vida Creche e uma parteira, Paulina da Costa Soares.

“Este prêmio é um reconhecimento ao impacto de seus esforços e atividades no fortalecimento dos direitos humanos em nosso amado País”, disse o presidente de Timor-Leste, dirigindo-se aos premiados, na cerimônia realizada no palácio presidencial.

Introduzido em 2008 pelo então presidente e laureado com o Prémio Nobel da Paz, José Ramos-Horta, o prémio anual é atribuído a indivíduos, bem como a organizações governamentais e não governamentais que contribuem para a promoção, defesa e divulgação dos direitos humanos em Timor-Leste.

O prêmio leva o nome do diplomata brasileiro que serviu como administrador de transição da ONU no país de dezembro de 1999 a maio de 2002, guiando o país para a independência. Em 2003, Sergio Vieira De Mello foi morto em um atentado a bomba em um hotel em Bagdá, no Iraque.

Indispensável para a educação formal e informal

Guterres disse que o prêmio foi concedido ao orfanato administrado pela Congregação das Irmãs Missionárias Dominicanas do Rosário por ter fornecido abrigo para crianças pobres e órfãs da pré-escola ao ensino superior desde 2005.

“O orfanato ajudou crianças pobres a terem acesso à educação informal, formal e não formal”, destacou.

O  Presidente disse que o orfanato ensina as crianças a respeitarem a si mesmas e aos outros como a imagem de Deus, amar os outros e cuidar do meio ambiente. “O orfanato também ajuda as crianças a irem à escola, pagar mensalidades, transporte, construir seus valores e prover necessidades básicas”, complementou.

Além disso, adicionou, o orfanato oferece aulas de inglês e português, aulas de música, estudos bíblicos e cursos básicos de informática.

Demais premiados

O ativista Alexandre Sarmento recebeu seu prêmio por ajudar que cerca de 1,5 mil agricultores aumentassem suas rendas. Por meio do grupo Carbon Offset Timor, estabelecido em 2009, ajudou também a plantar 220 mil árvores em 197 hectares de terra e 22 mil árvores de mangal nas zonas costeiras de Wenunuc e Metinaro, nos arredores de Díli.

O grupo também concedeu bolsas de estudo a 600 alunos do ensino médio em Laclubar e 13 alunos em Dili.

Por sua vez, a Creche Casa Vida foi escolhida pela sua dedicação em salvar crianças e mulheres do abuso sexual.

“O centro também fornece assistência importante às vítimas na construção de força e resiliência após vivenciarem violência sexual”, disse o presidente.

A parteira Paulina da Costa Soares foi recompensada pela “notável dedicação” ao trabalhar em locais remotos.

Cada premiado recebeu o valor de US$ 10 mil.

Fonte: UCA News

Deixe um comentário