Papa recorda novos beatos, testemunhas do Evangelho no Uruguai e Espanha

No sábado a Igreja ganhou dois novos beatos: uma jovem espanhola, leiga, que teve a vida provada pelo sofrimento, e o primeiro bispo do Uruguai, pastor com grande zelo missionário e que promoveu a reconciliação social em meio à guerra civil.

Reprodução da Internet

Dirigindo-se aos presentes na Praça São Pedro após a oração do Regina Caeli, o Papa recordou as beatificações de Maria Conchita e Dom Jacinto Vera realizadas no sábado:

Ontem foram celebradas duas beatificações. Em Montevidéu, Uruguai, foi beatificado o bispo Jacinto Vera, que viveu no século XIX. Pastor que cuidava do seu povo, testemunhou o Evangelho com generoso zelo missionário, promovendo a reconciliação social no tenso clima de guerra civil. Em Granada, Espanha, foi beatificada a jovem Maria de la Concepción Barrecheguren y García. Acamada por grave doença, suportou os sofrimentos com grande força espiritual, despertando em todos admiração e consolação. Morreu em 1927, aos 22 anos. Uma salva de palmas aos dois beatos!

A jovem Maria Conchita Barrecheguren foi beatificada na Catedral Metropolitana da cidade de Andaluzia, no sul da Espanha, em Missa presidida pelo prefeito do Dicastério para as Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro.  Nascida em Granada em 27 de novembro de 1905 e falecida aos 22 anos em 1927 teve sua breve vida marcada pelo sofrimento. Aceitou com serenidade e alegria as muitas adversidades causadas por sua saúde frágil, mas também a doença mental de sua mãe. Encontrou sustento na frequência aos Sacramentos e, em particular, na comunhão diária e na devoção à Virgem Maria. “Assim – destacou o cardeal Semeraro em sua homilia – ela experimentou que quem permanece em Jesus dá muito fruto”. O milagre que levou à beatificação foi a cura de uma menina em Alicante.

Já o primeiro bispo do Uruguai, Dom Jacinto Vera, foi beatificado na tarde de sábado na Tribuna Olímpica do Estádio Centenário, em Montevideo em celebração presidida pelo cardeal arcebispo de Brasília Paulo Cezar Costa, delegado pontifício nomeado pelo Papa Francisco.

Pai dos pobres, o primeiro bispo do Uruguai foi a pessoa mais próxima e amada pelo povo dessa nação sul-americana, tanto nas cidades quanto no campo, na segunda metade do século XIX, afirmaram os bispos uruguaios ao convidar os fiéis para a beatificação. 

Dom Jacinto nasceu em 3 de julho de 1813 em um navio, no Oceano Atlântico, na costa do Brasil, quando sua família estava indo para o Uruguai saída das Ilhas Canárias. Quando jovem trabalhou no campo com sua família, em Maldonado e Toledo. Descobriu sua vocação aos 19 anos. Incorporado ao exército, foi dispensado pelo general Oribe para que pudesse continuar seus estudos sacerdotais. Na ausência de formação no Uruguai, mudou-se para Buenos Aires para estudar. Ali celebrou sua primeira Missa, em 6 de junho de 1841.

Foi tenente sacerdote e depois pároco da Villa de Guadalupe de Canelones por 17 anos. Foi nomeado vigário apostólico do Uruguai em 4 de outubro de 1859; consagrado bispo na Igreja Matriz de Montevidéu em 16 de julho de 1865. Participou do Concílio Vaticano I em 1870. Primeiro bispo de Montevidéu desde 13 de julho de 1878. Faleceu durante uma missão que cumpria em Pan de Azúcar, em 6 de maio de 1881.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário