São Pedro Julião Eymard: A Eucaristia como centro e motor da vida

Especial do O SÃO PAULO destaca a centralidade do sacramento da Eucaristia na vida dos cristãos

São Pedro Julião Eymard

“Estou falando com Jesus.” Foi com essa resposta nos lábios, diante do sacrário, que o pequeno Pedro, um garoto de 5 anos, se justificou ao ser encontrado sozinho na igreja, depois de ter desaparecido de casa e deixado toda a família preocupada.

Seus familiares mal podiam imaginar que aquela criança, que vivia na região interiorana da França no início do século XIX, levada desde pequena pela mãe à igreja para receber diariamente a bênção do Santíssimo, se tornaria um santo conhecido, que marcaria toda a Igreja com o verdadeiro culto a Jesus Eucarístico: São Pedro Julião Eymard.

Sua vocação ao sacerdócio também foi descoberta à luz do Cristo Eucarístico, a quem recebera pela primeira vez aos 12 anos, e se concretizou depois de vencer as oposições do pai. Como sacerdote secular, foi zelosíssimo, a ponto de ser comparado ao Cura D’Ars, seu compatriota e contemporâneo mais famoso, que admirava seu trabalho apostólico e se referia a ele publicamente como “santo”.

Depois de 17 anos como religioso na Sociedade de Maria, deixou o Instituto Marista, foi para Paris e, em 1856, com a ajuda do arcebispo daquela cidade, fundou a Congregação dos Padres do Santíssimo Sacramento, mais popularmente conhecidos como Sacramentinos, e que, oito anos depois, contaria também com seu ramo feminino, com a fundação da Congregação das Servas do Santíssimo Sacramento.

INSPIRAÇÃO

A frieza do povo para com Jesus Eucarístico o incomodava profundamente, e por inspiração de Nossa Senhora, Padre Pedro Julião concluiu:

“Refleti muito sobre os remédios para vencer a indiferença universal, que se apodera de tantos homens, e encontrei somente um: a Eucaristia, o amor a Jesus eucarístico. A perda da fé provém da perda do amor. É necessário tirar Cristo do sacrário, apresentá-lo ao povo como grande Senhor, Mestre, Salvador, vivo, real em nosso meio”.

Possuía profunda convicção de que somente o culto eucarístico seria a chave para a renovação da vida cristã e para a formação de leigos e consagrados.

A MISSA COMO CENTRO DA VIDA

A celebração eucarística deveria ser o centro de toda a vida de um cristão, a origem de toda a sua ação, o motor e a alma de toda atividade caritativa. Assim, Padre Pedro Julião foi um incansável incentivador da participação frequente da missa. O fato de estar diante de Deus, contemplando a hóstia consagrada, segundo ele, transcendia toda e qualquer forma de intimismo e impelia o adorador à vida ativa.

Esta dimensão social da Eucaristia é destacada por ele no texto Le Trés Saint Sacrement: “O culto solene à exposição do Santíssimo é necessário para despertar a fé, adormecida em tantos homens honestos. (…) A sociedade morre quando não tiver mais um centro de verdade e de caridade, tampouco vida em família. Muitos se isolam, se concentram em si mesmos, querem ser autossuficientes. Assim, a dissolução é iminente! Ao contrário, a sociedade renasce com vigor quando todos os seus membros se reúnem em torno do Emanuel”.

LEGADO

Deixou vários escritos, que se destinavam a sacerdotes, religiosas e leigos na sua obra em honra ao Santíssimo Sacramento. Dedicava-se com empenho à Obra da primeira Comunhão de adultos e atendia a numerosos compromissos na pregação, centrada principalmente na Eucaristia.

Foi um dos santos mais eucarísticos da história da Igreja, e toda a sua espiritualidade e mística estavam centradas na Eucaristia. Faleceu no dia 1º de agosto de 1868, aos 57 anos de idade. Foi beatificado em 1925, por Pio XI, e canonizado por São João XXIII em 1962, no contexto do Concílio Vaticano II. A festa litúrgica de São Pedro Julião Eymard é celebrada em 2 de agosto.

PENSAMENTOS DE SÃO PEDRO JULIÃO EYMARD SOBRE A EUCARISTIA

“Ajoelhai-vos aos avistardes Jesus na Hóstia adorável! Prosternai-vos com profundo respeito, perante Ele, em sinal de dependência e de amor…”

“Urge crer na simples palavra de Jesus. Resta-nos uma pergunta: ‘Quem está ali?’. ‘Eu!’, responde Jesus… Prostremo-nos e adoremos…

“Participar cada dia da Santa Missa é chamar, sobre cada dia, as bênçãos do céu!”

“A oração, embora boa e necessária, sem a Comunhão que vos sustente, torna-se cansativa e acabareis por deixá-la.”

“É necessário deixar-se penetrar bem dos sacrifícios do amor de Nosso Senhor, no Santíssimo Sacramento… São tão surpreendentes que eu sentia o coração acelerar e os olhos cheios de lágrimas.

“Jesus estabeleceu a Eucaristia para reabilitar o homem, que se degradara e aviltara pelo pecado original, que esquecera sua origem celeste, perdera sua dignidade de rei da criação; o homem que, senhor dos animais, a eles se assemelhou!”

“Quando por enfermidade, por doença ou por impossibilidade, não puderdes fazer a adoração, deixai que vosso coração se entristeça um instante… E, depois, uni-vos em espírito àqueles que adoram.”

“Reparai num santo, ao entrar numa igreja. Alheio às pessoas, esquecido de tudo, só a Nosso Senhor vê. Quem, na presença do Papa, pensará nos bispos ou cardeais? Só a Deus toda honra e toda glória.”

“A criatura tem tempo para tudo, menos para visitar o seu Deus, que no seu Tabernáculo a espera.”

(Com informações de Vatican News e Congregação do Santíssimo Sacramento)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter