Vigário de Istambul: Cristo criança, luz da ‘salvação’ na escuridão da pandemia

No quarto domingo do Advento, dia 19, Dom Massimiliano Palinuro celebrou a missa inaugural de início de seu ministério pastoral como Vigário Apostólico de Istambul, na Turquia. Ele se lembrou de seu antecessor, Dom Tierrablanca um ano após sua morte.

Cathopic

“Precisamos ser salvos. Precisamos da vinda do Senhor. Vivemos em tempos difíceis. A pandemia semeia sofrimento, doenças e morte. As tremendas consequências econômicas desta crise estão trazendo pobreza e desespero para todas as nossas famílias”, afirmou o Prelado.

Com os eventos atuais em mente e as celebrações de Natal marcadas pelo segundo ano pelo drama de Covid-19, Dom Massimiliano Palinuro saudou autoridades e fiéis na missa de início de seu ministério pastoral, celebrada no último fim de semana na catedral de Istambul.

O novo vigário apostólico da metrópole econômica e comercial turca enfatizou ao mesmo tempo a esperança que vem da fé, porque Cristo “não nos abandonará. Ele vem para nos salvar. Ele vem para expandir nossos corações ao amor e à solidariedade”.

Refletindo sobre o encontro entre Maria e Isabel, definidas como “duas mães especiais”, o prelado destaca que “quando carregamos Deus em nós, não podemos ficar indiferentes à dor e ao sofrimento de nossos irmãos”.

Pelo contrário, a “fé verdadeira” empurra “para o amor e o serviço”. Num mundo condicionado por demasiados extremismos, continua ele, “uma religião sem amor pela pessoa humana torna-se apenas uma ideologia perigosa. Se, por outro lado, levamos Deus em nossos corações, Ele nos exorta a empreender nossa jornada, para sair de nossas certezas presumidas a fim de encontrar a outra pessoa e nos tornar companheiros de viagem de todos os homens”.

O Bispo fez também um convite a testemunhar, a caminhar, a dialogar, a encontrar, a viajar às periferias do mundo, como o Papa Francisco repetidamente sublinhou e que, numa realidade como a da Igreja na Turquia, onde os cristãos são minúsculos minoria, mas a minoria viva torna-se experiência da realidade cotidiana.

É por isso que o vigário apostólico insiste na figura de Maria, porque seguindo os seus passos “a nossa pequena comunidade católica de Istambul é chamada a empenhar-se em aproximar-se dos que sofrem e sofrem”.

“Ela não deseja os holofotes. Não almeja uma visibilidade que não lhe pertença. Ela não deseja prestígio e honras. Como Maria – afirma Dom Palinuro – queremos apenas contribuir para a alegria e a salvação de cada um.”

A celebração, realizada em conjunto com o Quarto Domingo do Advento e que se segue à ordenação episcopal ocorrida em Ariano Irpino (Itália) no que aconteceu no dia 7 de dezembro, contou com a presença de numerosas personalidades civis e religiosas, cristãs e muçulmanas, católicas, protestantes e ortodoxas, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu que, como Dom, o próprio Palinuro assinala, “sempre me demonstrou um afeto extraordinário, um afeto que me encoraja muito. O Patriarca dos Armênios da Turquia, Sahak II, vários bispos, incluindo o Vigário Apostólico da Anatólia, Dom Paolo Bizzeti e o Grande Rabino da comunidade judaica da Turquia também estiveram presentes.

Os cristãos do Médio Oriente, fermento e sal da terra, embora “poucos”, sempre representaram um exemplo de “amor concreto”, oferecendo “um contributo significativo para a construção de uma sociedade pacífica e unida”, disse o vigário. Em sua homilia, ele reservou uma sincera homenagem a seu predecessor, Dom Ruben Tierrablanca, falecido há um ano, em 22 de dezembro de 2020, após lutar por três semanas na UTI contra o Covid-19.

Dom Palinuro assegurou a “continuidade” no “trabalho generoso” que visa o fortalecimento de uma comunidade “rica de carismas e de energias fecundas”.

Por fim, dirigiu o pensamento a São João XXIII, que também estava à frente do vicariato apostólico e vinculado, como evidenciam seus próprios escritos, a um “afeto sincero” pela Turquia e seu povo, sua cultura, sua língua e seus valores. “Ainda é o Papa João – conclui Dom Palinuro – quem ensina o método: ‘Buscai o que une, deixa de lado o que divide.’ Caminharemos assim juntos para a nossa verdadeira Pátria, que é o coração de Deus nosso Pai ”.

Fonte: Asia News

Deixe um comentário