Confira nossa versão impressa

Atividade empresarial: parte indispensável à promoção do bem comum

Empresários católicos readaptam atividades para manter emprego de funcionários

Atividade empresarial: parte indispensável à promoção do bem comum

Adoção do teletrabalho é uma das opções das empresas para assegurar o emprego de seus colaboradores (crédito: Agência Brasil)

Quando percebeu que, devido às restrições de funcionamento do seu negócio por causa da COVID-19, seria obrigado a paralisar as atividades presenciais do Magazine 25 de Março, empresa que atua no varejo on-line de artigos para festas, Bruno Oliveira, 36, fez com que seus 11 funcionários passassem a atuar no regime de teletrabalho. Para isso, levaram para suas casas os computadores da empresa. No decorrer dos dias, o gerente comercial também quis saber mais sobre a rotina dos empregados.

“Eu me assustei: muitos estavam trabalhando na mesa de cozinha, com aquelas cadeiras duras, algumas em mau estado de conservação. Não podia fechar os olhos diante disso, então, minha sócia e eu contratamos um carreto e enviamos a eles a mesa e a cadeira de escritório”, recordou ao O SÃO PAULO.

A atitude, segundo o empresário, além de proporcionar boas condições de trabalho aos funcionários, estreitou os laços de confiança entre as partes e resultou em melhorias de produtividade e na avaliação positiva de clientes e fornecedores.

Oliveira integra o Economia de Comunhão (EdC), que surgiu em 1991, após Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares, de inspiração católica, ter visitado o Brasil. Em linhas gerais, o foco é a promoção de uma cultura econômica de partilha, pela qual os lucros devem ser aplicados no desenvolvimento da empresa, no atendimento às necessidades dos pobres e na formação de jovens.

Foi a partir dessas premissas que Oliveira agiu no momento de maior instabilidade de sua empresa: “Não bastava olhar e pensar ‘estou pagando o salário, então, fiz minha parte’. Não é só isso. A pessoa precisa ter a sensação de estabilidade, saber que vai poder contar com o emprego, planejar coisas futuras, incluindo sua evolução pessoal. Diante da pandemia, a primeira coisa que fiz foi tranquilizar os funcionários, dizer para continuarem empenhados, que arcaríamos com eventuais prejuízos, e que eles seriam a prioridade do nosso caixa”.

Verdadeira parceria

Sérgio Cavalieri, membro do Conselho de Administração do grupo Asamar S/A e atual presidente da Associação de Dirigentes Cristãos de Empresa (ADCE) no Brasil – que se dedica a disseminar os valores cristãos no meio empresarial –, avaliou que uma das consequências positivas da pandemia é a melhoria na relação empregador-empregado.

“Na parte industrial, por exemplo, hoje há todo um cuidado para que os serviços possam continuar funcionando. Há a medição de temperatura dos funcionários e a higienização dos ambientes. Passou-se, também, a uma maior preocupação com a pessoa. Houve, de fato, por parte dos empresários, um despertar muito maior desse cuidado com o trabalhador e com sua famílias”, recordou Cavalieri.

O presidente da ADCE também destacou que as empresas que praticam a solidariedade, o respeito com os colaboradores, clientes, fornecedores e a comunidade do entorno têm melhor reputação, sendo reconhecidas como aquelas que contribuem para o bem comum: “A sociedade espera de uma empresa não só a geração de riqueza, mas também de empregos, uma riqueza criada de forma sustentável e distribuída de modo mais justo”.

Do outro lado do Atlântico

Os impactos econômicos e sociais que a perda de postos de trabalho pode ocasionar no Velho Continente levaram a União Europeia (UE) a incluir, no chamado plano de recuperação para a Europa, um fundo de 100 milhões de euros, para que as empresas garantam trabalhos com horários de curta duração, evitem a dispensa de funcionários e, assim, as famílias tenham algum rendimento.

Os Estados podem candidatar-se a receber verbas do chamado programa Sure caso desenvolvam políticas públicas para ajudar os trabalhadores. O apoio é em forma de empréstimo financeiro em condições favoráveis aos membros da UE.

Função primordial para a sociedade

Dirigindo-se a jovens empresários franceses, em dezembro de 2019, o Papa Francisco mencionou os desafios recorrentes que vivenciam, como o pagamento de salários, a manutenção dos empregos e a garantia de processos produtivos que respeitem o meio ambiente, e exortou-lhes a ser promotores de “mudanças concretas de hábitos e estilos, nas relações com seus colaboradores diretos, ou, melhor ainda, na difusão de novas culturas empresariais”.

Na encíclica Laudato si’, o Pontífice alerta para a necessidade de se garantir aos pobres uma vida digna por meio do trabalho e pontua que “renunciar a investir nas pessoas para se obter maior receita imediata é um péssimo negócio para a sociedade” (LS 128). Francisco indica, ainda, que “para se conseguir continuar a dar emprego, é indispensável promover uma economia que favoreça a diversificação produtiva e a criatividade empresarial (…). A atividade empresarial, que é uma nobre vocação orientada para produzir riqueza e melhorar o mundo para todos, pode ser uma maneira muito fecunda de promover a região onde instala os seus empreendimentos, sobretudo se pensa que a criação de postos de trabalho é parte imprescindível do seu serviço ao bem comum” (LS 129).

(Com informações de Euronews, Vatican News e EdC)

(Colaborou: Jenniffer Silva)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Doação de Sangue: um gesto concreto em favor do próximo

Hemocentros de todo país se unem na campanha ‘Somos todos do mesmo sangue’, em vista do Dia Nacional do Doador de Sangue, em 25...

A Igreja terá 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus

O Papa autorizou a Congregação das Causas dos Santos a promulgar os decretos de 128 novos beatos e 6 novos veneráveis Servos de Deus...

‘O embrião é uma pessoa humana’, recordam bispos costarriquenhos

No País da América Central, legisladores debatem projeto de lei que busca reconhecer os direitos dos nascituros

No próximo sábado serão criados 13 novos cardeais

Dos 13 novos cardeais, dois não poderão participar das cerimônias por causa da emergência coronavírus: Dom Cornelius Sim, Vigário Apostólico de Brunei e Dom...

Dom Odilo: viver bem cada dia, na esperança de que o Senhor virá

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta terça-feira, 24, na capela de sua residência, transmitida pela rádio 9...

Newsletter