Bispos franceses manifestam pesar por atentado na Catedral de Nice

O atentado foi perpetrado dentro da Catedral de Notre-Dame da cidade situada no sul da França. Três pessoas morreram. Uma delas foi decapitada. Há também feridos

Bispos franceses manifestam pesar por atentado na Catedral de Nice
Reprodução da Internet

Três pessoas morreram, em Nice, sul da França, num ataque perpetrado na manhã desta quinta-feira, 29, na Catedral da cidade. Uma das vítimas foi decapitada.

O prefeito de Nice, Cristian Estrosi, declarou tratar-se de um ataque terrorista. O ministro do interior francês, Gerald Darmanin, afirmou que a Polícia está conduzindo uma operação de segurança. Fontes da imprensa falam que um homem foi preso. O ataque perpetrado com uma faca ocorreu esta manhã, por volta das 9h, na Catedral situada no centro de Nice, na avenida Jean-Medecin.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, deixou apressadamente a Assembleia Nacional, onde deveria apresentar as novas medidas introduzidas para combater a pandemia de coronavírus. Ele deverá participar da reunião de crise organizada no Ministério do Interior pelo ministro Gerald Darmanin em decorrência do ataque.

Oração e a proximidade dos bispos da França

O presidente da Conferência Episcopal Francesa, dom Éric de Moulins-Beaufort, imediatamente expressou seus sentimentos à Diocese de Nice e a seu pastor, através do tuíte: “A minha oração muito especial pelo povo diocesano de Nice e pelo bispo dom Marceau. Que eles saibam como se sustentar nesta prova e apoiar aqueles que são provados em sua carne.” Rezando pelas vítimas e lembrando a proximidade da Solenidade de Todos os Santos, acrescentou: “No domingo, de Todos os Santos, ouviremos o Senhor: Bem-aventurados os que promovem a paz, eles serão chamados filhos de Deus. Bem-aventurados vocês que são perseguidos pelo meu bem. Pois grande é a sua recompensa no céu”.

Duas semanas atrás, a morte de Samuel Paty

O ataque foi perpetrado num momento em que a França ainda está em choque com a decapitação de Samuel Paty, o professor morto em 16 de outubro por ter falado aos alunos sobre as caricaturas de Charlie Hebdo retratando o profeta Maomé. Além disso, a tensão aumentou nas últimas horas depois que Charlie Hebdo publicou novas caricaturas contra o presidente turco Erdogan e depois das declarações do presidente francês, Emmanuel Macron.

O massacre de 2016

Retorna à mente o massacre perpetrado em Nice às 22h30 do dia 14 de julho de 2016, que ceifou a vida de 84 pessoas. Um homem, dirigindo um caminhão, acelerou voluntariamente contra a multidão que participada das festividades por ocasião do Dia da Bastilha, feriado nacional francês, na avenida Promenade des Anglais. O veículo percorreu 1.847 metros, durante os quais o motorista atirava de forma selvagem, forçando a zona de pedestres e ziguezagueando, causando um número elevado de vítimas. A estimativa dos feridos foi posteriormente atualizada para duzentos, cinquenta dos quais se encontravam em estado muito grave. O agressor foi ligeiramente desacelerado pela intervenção de um homem, que tentou se colocar do lado do veículo com sua lambreta. Depois de tentar imobilizar o motorista, procurando pular dentro da cabine do caminhão, ele caiu no chão. O agressor foi morto por tiros da Polícia disparados contra a cabine do motorista e o caminhão parou por volta das 22h50.

(Com informações de Vatican News)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter