Confira nossa versão impressa

Em tempos de pandemia, a Igreja continua a celebrar a Santa Missa

Em tempos de pandemia, a Igreja continua a celebrar a Santa Missa
Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Cardeal Robert Sarah, ressalta que, cada vez que um sacerdote celebra a missa, mesmo estando sozinho, oferece culto público e oficial da Igreja em união Cristo (Foto: Luciney Martins)

Durante a pandemia de COVID-19, e as consequentes medidas de isolamento social para conter o avanço do novo coronavírus, os cristãos de muitos países ficaram impossibilitados de participar presencialmente das celebrações religiosas nas igrejas, especialmente da Santa Missa.

Com o objetivo de auxiliar os católicos a lidar com essa situação excepcional, o Cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, organismo da Santa Sé responsável por acompanhar, em nome do Papa, as questões relacionadas à liturgia e à vida sacramental, publicou uma carta “sobre o culto católico nestes tempos de provações”.

“Como Cardeal Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, mas, acima de tudo, em profunda comunhão com o humilde serviço de Deus e de sua Igreja, desejo oferecer esta meditação a meus irmãos no episcopado e no sacerdócio e ao povo de Deus para tentar aprender algumas lições desta situação”, explicou o Cardeal, no início do texto.

A carta, publicada originalmente em francês, língua materna do Cardeal nascido na República da Guiné, ressalta que a impossibilidade de participar sacramentalmente da Eucaristia é uma fonte de “grande sofrimento”, mas também uma oportunidade “para entender melhor a necessidade e o valor do culto litúrgico”.

ACESSE:
Carta do Cardeal Robert Sarah a respeito do culto católico nestes tempos de provações

TODA LITURGIA É PÚBLICA

Antes de aprofundar a reflexão, o Prefeito esclareceu que não é correto afirmar que, devido à epidemia e ao confinamento ordenado pelas autoridades civis, o culto público foi suspenso.

“O culto público é o culto prestado a Deus por todo o Corpo Místico, Cabeça e membros, conforme recordado pelo Concílio Vaticano II”, afirmou o Cardeal, citando um trecho da constituição conciliar Sacrosanctum concilium, que destaca: “A liturgia é considerada como o exercício da função sacerdotal de Jesus Cristo”, cujo “culto público integral é exercido pelo Corpo Místico de Jesus Cristo, isto é, pela Cabeça e seus membros”.

Recordando, ainda, o que diz o Código de Direito Canônico, o Prefeito ressaltou que esse culto é prestado a Deus sempre que é oferecido em nome da Igreja por ministros legítimos e de acordo com atos aprovados pela autoridade eclesiástica.

“Assim, cada vez que um sacerdote celebra a missa ou a Liturgia das Horas, mesmo estando sozinho, ele oferece culto público e oficial da Igreja em união com sua Cabeça, Cristo, e em nome de todo o Corpo”, sublinhou.

O Cardeal Sarah reconheceu que, para encontrar sua expressão plena e manifesta, “é propício que esse culto possa ser celebrado com a participação de uma comunidade de fiéis do povo de Deus”. No entanto, “a ausência física da comunidade não impede a realização do culto público”.

Cardinal Sarah says world blighted by Europe's sickness
Papa Francisco e o Cardeal Robert Sarah, no Vaticano, em 2018 (Foto: Vatican Media)

REALIDADE ESPIRITUAL

Desse modo, o Prefeito para o Culto Divino reconheceu que cabe às autoridades civis proibir reuniões que sejam consideradas perigosas para o bem comum em vista da situação de saúde. E, nesse sentido, “é responsabilidade dos bispos colaborar com essas autoridades”.

O Cardeal sublinhou, contudo, que nenhuma autoridade secular pode sus- pender o culto público da Igreja, pois este “é uma realidade espiritual sobre a qual nenhuma autoridade temporal tem controle” e, por essa razão, “este culto continua onde quer que uma missa seja celebrada, mesmo sem a assistência das pessoas reunidas”.

O Prefeito da Congregação condenou a “mentalidade secularizada” que considera os atos religiosos como atividades secundárias a serviço do bem-estar das pessoas. “Essa perspectiva é radicalmente falsa”, frisou, acrescentando que a expressão pública do culto católico não é uma concessão do estado à subjetividade dos crentes”, mas “um direito inalienável de cada pessoa”.

TESTEMUNHO DE FÉ

Na carta, o Cardeal Sarah também prestou homenagem aos padres, religiosos e religiosas que asseguraram a continuidade do culto público católico nos países mais afetados pela pandemia. “Ao celebrarem em solidão, rezam em nome de toda a Igreja, são a voz de todos os cristãos que sobe ao Pai”, disse.

De igual modo, ele agradeceu a todos os fiéis leigos que se empenharam em as- sociar-se a esse culto público, “celebrando a Liturgia das Horas em seus lares ou se unindo espiritualmente à celebração do santo sacrifício da missa”.

Em tempos de pandemia, a Igreja continua a celebrar a Santa Missa
Cônego Celso Pedro da Silva, preside missa na Paróquia Santa Rita de Cássia, no Pari, transmitida pela internet (Foto: Felipe Catelhano)

TRANSMISSÃO DAS MISSAS

Quanto à transmissão das liturgias pelos meios de comunicação e pela internet, prática criticada por alguns, o Prefeito recordou as palavras do Papa Francisco, quando afirmou que “a imagem virtual não substitui a presença física” e que “Jesus veio nos tocar em nossa car- ne” e, portanto, “nenhuma transmissão virtual jamais substituirá a presença sacramental”.

No entanto, o Purpurado agradeceu a todos os que trabalharam nessas transmissões. “Eles permitiram que muitos cristãos se unissem espiritualmente ao culto público ininterrupto da Igreja”, afirmou.

CUIDADOS

Ainda sobre as liturgias nas plataformas digitais, o Prefeito chamou a atenção para certos riscos. “Os meios de transmissão virtual podem induzir a uma lógica de busca de sucesso, imagem, espetáculo ou pura emoção. Essa lógica não é a do culto cristão. O culto não visa a atrair espectadores por meio de uma câmera. É dirigido e orientado para o Deus Uno e Trino”, esclareceu.

Outro aspecto enfatizado na carta é quanto ao cuidado com a “lógica da efi- ciência” gerada pelo uso da internet. “É costume julgar as publicações de acordo com o número de ‘visualizações’ que elas geram. Isso induz à busca pelo inesperado, emoção, surpresa”, alertou o Cardeal, que frisou que “o culto litúrgico é estranho a essa escala de valores”, pois coloca o fiel “na presença da transcendência divina”.

SACRALIDADE DAS IGREJAS

O Cardeal Sarah também refletiu sobre o valor sagrado dos locais de culto, cuja falta é hoje sentida pelos fiéis. “Precisamos de um lugar, um edifício sagrado, isto é, reservado exclusivamente para Deus… Uma igreja é um lugar onde tudo é orientado para a glória de Deus, o culto de sua majestade”, afirmou.

A mesma reflexão foi feita em relação ao domingo, dia do Senhor. “Não o profanamos, tornando-o um dia de trabalho, um dia de puro entretenimento mundano? Hoje ele faz muita falta”, frisou o Prefeito.

Por fim, o Prefeito para o Culto Divino renovou seu encorajamento fraterno aos sacerdotes que se dedicam de corpo e alma e sofrem por não poderem fazer mais pelo rebanho. “Juntos, em breve, prestaremos novamente, aos olhos de todos, o culto que retorna a Deus e que nos torna seu povo”.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Em cada árvore, muitas vidas beneficiadas

Crescem em São Paulo as ações da população para o plantio de árvores. Prefeitura lançará Plano Municipal de Arborização Urbana (PMAU) no...

Seminário Redemptoris Mater São Paulo Apóstolo comemora dez anos de origem

Na última quarta-feira, 16, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo presidiu a missa pelos...

Cresce entre os católicos a prática da Leitura Orante da Bíblia

Nos últimos anos, muitos têm redescoberto uma das práticas mais antigas do Cristianismo, a Lectio Divina, método pelo qual a pessoa vive...

Estação de trem em São Paulo recebe lixo eletrônico

Projeto visa conscientizar sobre descarte correto. Os equipamentos recolhidos serão reciclados e depois serão doados para alunos de escolas públicas

Rede Eclesial Pan-Amazônica tem novo Secretário Executivo

Anúncio foi feito durante coletiva de imprensa on-line, realizada na segunda-feira, 14, em celebração pelos seis anos de criação da entidade

Newsletter