Confira nossa versão impressa

Famílias vivem o desafio da volta ao trabalho com as escolas fechadas

Famílias vivem o desafio da volta ao trabalho com as escolas fechadas
Suspensão de atividades presenciais nas escolas desde março é um complicador para os pais (Foto:Wokandapix/Pixabay)

As atividades econômicas estão, aos poucos, sendo retomadas nas cidades, embora a pandemia ainda não tenha sido totalmente controlada. Adotando uma série de protocolos e restrições, muitos profissionais que estavam trabalhando em casa desde meados de março, agora começam a retornar ao trabalho presencial. Escolas e creches, contudo, ainda estão fechadas. Surge, então, o dilema: com quem vão ficar as crianças?

Em São Paulo, a Secretaria Estadual da Educação planeja a retomada das aulas em setembro, de forma gradual e organizada. O Sindicato das Escolas Particulares também informou que os protocolos de reabertura de escolas e creches conveniadas estão sendo estudados, mas aguarda a orientação do poder público.

MÃES

Nesse cenário, quem mais sofre são as mães, que contam essencialmente com as escolas e creches para deixar os filhos enquanto trabalham.

De acordo com pesquisa publicada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em 2018, a participação feminina no mercado de trabalho da região metropolitana de São Paulo representa 54,2%, sendo que 33% das mulheres têm responsabilidade total pelo rendimento financeiro da casa.

O impacto desse problema já é sentido em países que retomaram as atividades econômicas e mantêm as aulas suspensas. No Reino Unido, por exemplo, cresceu o número de mulheres que foram demitidas ou tiveram que pedir demissão por não ter onde deixar os filhos.

COLABORAÇÃO

A fonoaudióloga Luciana Amaro Paganini, 40, vive esse drama com os filhos, Heloísa, 7, e Pedro, 9 meses, desde abril, quando terminou sua licença-maternidade e teve que voltar a trabalhar bem no início do isolamento social. A princípio, ela uniria a licença com as férias, porém, por ser profissional da saúde e trabalhar no serviço municipal, as férias foram canceladas.

Com a escola de Heloísa fechada e sem creche para matricular o Pedro, Luciana teve que contar com a ajuda da família, que se reveza para cuidar das crianças. Seu marido, o consultor de marketing Marcelo Paganini, 53, trabalha em regime home office, mas, quando está com as crianças, não consegue efetuar suas tarefas profissionais, pois é preciso acompanhar a rotina de estudos da filha e ajudar a cuidar do bebê, que, nesta fase, exige bastante atenção.

“Uma das minhas cunhadas vinha duas vezes por semana para nos ajudar. Só que, agora, ela está voltando a trabalhar e não poderei mais contar com ela”, relatou a fonoaudióloga.

Luciana, então, recorreu à sua mãe, que é professora e, por enquanto, está trabalhando em casa e já cuida de outra neta. Contudo, ela tem mais de 60 anos e, portanto, é do grupo de risco.

NECESSIDADE

Com isso, as crianças não estão tendo uma rotina fixa, pois há dias em que vão para a casa da avó e outros em que ficam com o pai em casa. “Temos que dar conta das aulas da Heloísa, que já está no 2º ano, do Pedro, da casa e do trabalho. Sem contar o medo da COVID-19, pois tenho contato direto com o público no meu trabalho”, ressaltou a mãe.

Ainda segundo Luciana, a maior dificuldade é não ter certeza sobre o futuro em relação às escolas, pois, por mais que haja planos de retomada das aulas presenciais em setembro, haverá revezamento dos alunos e ainda há o risco de o retorno ser adiado, dependendo da evolução da pandemia.

Quando perguntada se teria receio de enviar os filhos à escola neste período, Luciana confessou que não. “A escola da Heloísa já fez reuniões para demonstrar como seriam as ações e os protocolos para a volta às aulas, e me sinto segura. Infelizmente, nossa realidade é essa. Neste momento, a necessidade é maior que o meu receio.”

CENTRALIDADE DA FAMÍLIA

Famílias vivem o desafio da volta ao trabalho com as escolas fechadas
(Freepik)

Essa realidade causada pela pandemia evidenciou um tema que nem sempre é valorizado na sociedade: o bem-estar da família.

Letícia Barbano, terapeuta ocupacional e pesquisadora da Family Talks, entidade que tem como objetivo a promoção do debate sobre o papel da família na sociedade, destacou ao O SÃO PAULO a necessidade de uma mudança cultural por parte da sociedade, das empresas e dos governantes em relação à centralidade da família na reflexão social.

“Vivemos em uma cultura de valorização excessiva do trabalho produtivo, isto é, aquele que dá retorno financeiro. Tendemos a colocar o trabalho produtivo acima da família. É preciso que a família esteja no centro das ações e políticas sociais”, salientou a terapeuta.

É PRECISO ESTAR EM REDE

Nesse sentido, a Family Talks tem sua atuação pautada em três vertentes: na esfera pública, em pesquisas relacionadas à família e na conscientização da sociedade sobre a importância dos vínculos familiares e, por isso, propõe discussões que visam a novas relações de trabalho, centradas na família. A ideia, conforme explicou a pesquisadora, é estabelecer uma rede de apoio entre empresa, família, amigos, vizinhos e escolas, para que pais e mães sejam capazes de conciliar o trabalho e a relação com os filhos de forma equilibrada.

Letícia reiterou que o retorno ao trabalho, deixando o cuidado dos filhos em situação de vulnerabilidade, fragiliza a família como um todo. “É preciso um esforço para criar arranjos organizacionais mais maleáveis – como flexibilidade nos horários, possibilidade de dividir tarefas e funções, apoio e compreensão por parte dos gestores. Até que a situação se normalize, precisamos de uma dose extra de humanização e empatia”, concluiu.

Em busca de alternativas
Embora nem sempre seja fácil, o caminho, neste momento, é negociar com a empresa a busca de alternativas que sejam vantajosas para ambas as partes. Seguem algumas dicas:

Home office – Proponha a manutenção do regime de teletrabalho até que as creches e escolas sejam reabertas.

Flexibilidade de horário – Caso haja uma rede de apoio que possa atender parcialmente à necessidade dos pais, sugira chegar mais tarde ou sair mais cedo do trabalho. Ou, então, alterne o regime de trabalho presencial com o home office, de acordo com as possibilidades.

Rede de apoio – Além dos familiares e amigos próximos, busque articulação com outras mães que passam pela mesma situação e podem ser encontradas nos grupos de apoio já existentes entre mães da escola dos filhos para troca de informações.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Novo cardeal afirma que os escândalos não impedem a reforma do Papa Francisco

Em entrevista a um jornal italiano, Dom Marcello Semeraro ressalta que o processo de reforma da Cúria Romana tem o objetivo ético...

São Paulo prorroga campanha de Multivacinação e Poliomielite até dia 13 de novembro

Com baixa adesão, medida visa a aumentar as coberturas vacinais contra cerca de 20 doenças no território paulista

Esta sexta, 30, é o último dia para realizar matrículas e rematrículas na rede estadual

Processos podem ser realizados de forma online ou presencialmente nas escolas, diretorias de ensino e postos do Poupatempo

Missas em cemitérios no Dia de Finados: confira os locais e horários

Na Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, na segunda-feira, 2, diferentes paróquias da Arquidiocese de São Paulo organizam missas nos cemitérios da...

‘Preparemo-nos, a cada dia, para o encontro definitivo com Cristo’

O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, presidiu a missa desta sexta-feira, 30.

Newsletter