Ler em família: hábito cultivado na infância gera bons frutos para toda a vida

O que ler e como ler para e com as crianças durante as férias? A pergunta é sempre pertinente, sobretudo quando existem restrições externas, como viagens e idas a parques, devido à pandemia de COVID-19. E, como ajudar as crianças e adolescentes a se interessarem pela leitura, de forma a criar um repertório que os ajude, seja na formação humana, seja em vista de uma carreira profissional?

Ler em família: hábito cultivado na infância gera bons frutos para toda a vida
Foto: Arquivo pessoal

De acordo com a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil”, realizada pelo Instituto Pró-Livro (IPL), Itaú Cultural e Ibope Inteligência, divulgada em setembro de 2020, a única faixa etária que apresentou aumento no número de leitores no País foi a de 5 a 10 anos de idade, que passou de 67% (em 2015) para 71% (em 2019).

Os dados do Sindicato Nacional dos Editores de Livros apontam que as vendas de livros em livrarias, supermercados e lojas de autoatendimento também aumentaram significativamente em 2020, quando foram vendidos 2,95 milhões de cópias no Brasil.

Maria Luiza Custódio dos Santos Souto, 61, e Douglas Teixeira Souto, 60, são casados e proprietários da livraria Companhia Ilimitada, na zona Norte da capital paulista.

A livraria surgiu em maio de 1997 como consequência do trabalho realizado nas escolas daquela região da cidade. “Nosso acervo é voltado, principalmente, para a área de literatura infantojuvenil. A intenção, desde o início, foi a de criar um ambiente aconchegante e estimulador da leitura.  Nesses 23 anos, promovemos vários encontros com autores e contadores de histórias”, disse Douglas Souto, em entrevista ao O SÃO PAULO.

“Sempre nos colocamos à disposição de professores e coordenadores para assessorar a criação de ‘Cirandas de Livros’ ou projetos afins de estímulo à leitura”, continuou o proprietário.

Hábito que transforma a vida

O casal tem quatro filhos já adultos, e a leitura em casa com eles quando crianças fazia parte do ritual para a hora de dormir. “Eles cobravam se não lêssemos! Às vezes histórias curtas, livros ilustrados; outras vezes, livros maiores, um capítulo por noite, que criavam uma expectativa para o dia seguinte. Era um momento muito prazeroso, tanto pra eles como para quem lia”, disse o pai.

Além do aspecto relacional, Souto se recordou da experiência pessoal que a leitura literária proporciona: “Não é informação, e sim formação! Formação da pessoa, da personalidade, formação do caráter! A possibilidade de, por meio da leitura, conhecer inúmeros lugares, compartilhar uma infinidade de experiências vividas pelos personagens, nas mais variadas situações, alimenta a capacidade de aceitar diferenças, o respeito pelo outro. Traz autoconhecimento e crescimento. O grande desafio hoje é conseguir manter o equilíbrio entre a leitura e os atrativos oferecidos pela rápida expansão da tecnologia”.

Um estudo da Universidade de Nova York, em colaboração com o IDados e o Instituto Alfa e Beto, publicado em 2016, mostrou que:
– A leitura em família proporciona um aumento de 14% no vocabulário e de 27% na memória de trabalho de crianças.
– A leitura frequente dos pais para as crianças leva à maior estimulação fonológica, o que é essencial para a alfabetização. O hábito cria também maior estimulação cognitiva e menos problemas de comportamento, pois proporciona momentos de interação entre pais e filhos.
Fonte: Agência Brasil

Sobre a dificuldade que muitos pais encontram em tornar a leitura um momento prazeroso e não obrigatório, Souto salientou que é importante viver o processo sem cobranças, provas, resumos, fichas, atividades ou desenhos, além de deixar que o leitor – criança, adolescente ou mesmo adulto – escolha o próprio livro.

Outro hábito indicado por ele é o de frequentar livrarias para que a escolha aconteça: “Pais e filhos juntos na livraria: maravilha! Vale também procurar indicações de pessoas que sejam leitoras, e pesquisar autores, livros premiados, clássicos, lançamentos etc.”.

(Com informações de Cenecep e MidiaMax)

O QUE LER EM CADA IDADE?

Maria Luiza e Douglas Teixeira fizeram uma lista de dicas de livros de acordo com as faixas etárias das crianças:

Bebês e crianças de até 2 anos: livros cartonados, por serem mais resistentes, e bem coloridos!
Animais – Col. Dedinhos – Editora Catapulta
O bloco – Marcello Araújo – Editora Panda
1, 2, 3 quem está na fazenda – Editora Brinque-Book
 
Crianças de 3 a 5 anos:
O grúfalo – Julia Donaldson / Axel Scheffler – Editora Brinque-Book
O sapo bocarrão – Keith Faulkner / Jonathan Lambert – Editora Companhia das Letras
Mas papai… – Mathieu Lavoie / Marianne Dubuc – Editora Jujuba
O homem da chuva – Gianni Rodari / Francisco Degani – Editora Biruta
 
Crianças em fase inicial da alfabetização:
O pote vazio – Demi – Editora Martins Fontes
A primavera da lagarta – Ruth Rocha / Madalena Elek  – Editora Salamandra
O passeio – Pablo Lugones  / Alexandre Rampazzo – Editora Gato Leitor
O sapo e o canto do passarinho – Max Velthuijs – Editora WMF
 
Crianças leitoras:
Asas – Maya Hanoch / Ofra Amit – Editora Peirópolis
A máquina de retrato – Lúcia Hiratsuka – Editora Moderna
A extraordinária jornada de Edward Tulane – Kate DiCamillo – Editora WMF
A mulher que matou os peixes – Clarice Lispector / Mariana Valente – Editora Rocco

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Assine nossa Newsletter