Confira nossa versão impressa

Síria vive uma ‘bomba de pobreza’, diz Cardeal Zenari

Síria vive uma ‘bomba de pobreza’, diz Cardeal Zenari
ACI Digital

A catástrofe humanitária na Síria permanece, após quase dez anos de guerra, e o país vive atualmente uma “bomba de pobreza” que abateu 80% da população. A mensagem foi transmitida pelo Cardeal Mario Zenari, Núncio Apostólico (embaixador) na Síria, em encontro com o corpo diplomático da Santa Sé, na quinta-feira, 15.

Mais de 380 mil pessoas já morreram desde o início da guerra, de acordo com o Observatório para Direitos Humanos da Síria, entre civis, militares do governo, rebeldes e militares estrangeiros.

Conforme comunicado emitido pelo Vaticano, o Cardeal disse que, atualmente, há uma série de projetos humanitários em realização no país e, por isso, há que “não deixar morrer a esperança”. Segundo ele, o mundo não pode se acostumar com “a ladainha de horrores que todos os dias chega a nós daquela martirizada nação”.

As crianças e os idosos estão entre os que mais sofrem com a pobreza, a ponto de muitos morrerem de frio no inverno. Muitos jovens sírios qualificados profissionalmente deixaram o país. Outro desafio é a repatriação de refugiados, além dos inúmeros desaparecidos e presos, constituindo um complexo cenário social. É preciso recuperar a economia do país e promover a educação.

Citando a encíclica Fratelli tutti, do Papa Francisco, ele acrescentou: “Precisamos fazer crescer a consciência de que hoje ou nos salvamos todos ou ninguém se salva”, e pediu que a comunidade internacional se organize em torno de soluções de longo prazo. O Cardeal Secretário de Estado, Dom Pietro Parolin, também afirmou que a Síria não deve ser abandonada sob um “cobertor de silêncio e indiferença”.

A guerra civil na Síria começou no ano de 2011, com uma série de protestos no mundo árabe contra governos autoritários. Manifestantes e grupos armados se organizaram contra o presidente Bashar al-Assad, que reprimiu opositores violentamente, com a ajuda de forças militares estrangeiras.

O cenário se tornou ainda mais complexo com o aparecimento de terroristas como o Estado Islâmico, contra os quais exércitos e facções inimigas tiveram que se unir. Entre os países envolvidos nos conflitos estão Rússia, Turquia e os Estados Unidos.

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Jovens católicos egípcios nas pegadas de Santo Tomás de Aquino

O grupo é organizado de forma que todos os ofícios e funções são desempenhados alternadamente por seus membros, e conta com o acompanhamento de um assistente pastoral

Cardeal Scherer ordenará dois novos padres para a Arquidiocese neste sábado

Neste sábado, 5, o Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo de São Paulo, às 15h, presidirá a ordenação de dois novos padres, no Santuário Arquidiocesano...

Novo documento do Vaticano ressalta o compromisso dos bispos pela unidade dos cristãos

“O Bispo e a unidade dos Cristãos: vademecum ecumênico” é o título do novo documento publicado pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade...

Dom Jorge Pierozan conclui visitas pastorais na Região Santana

O Bispo celebrou na Paróquia Santa Joana D’Arc, no  Setor Pastoral Tremembé No domingo, 29 de novembro, Dom Jorge Pierozan, Bispo Auxiliar de São Paulo...

Paróquia Nossa Senhora das Graças realiza festa da padroeira na Brasilândia

As festividades foram encerradas com uma procissão luminosa e missa solene Com o tema “Maria, mãe da consolação e de todas as graças”, foi celebrada...

Newsletter