Confira nossa versão impressa

ONU: em meio à pandemia, 5 mil indígenas venezuelanos buscaram proteção no Brasil

A Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados tem buscado inserir estes migrantes e refugiados na dinâmica da sociedade brasileira

ONU: em meio à pandemia, 5  mil indígenas venezuelanos buscaram proteção no Brasil
(Fonte: Acnur)

Entre os meses de abril e julho, a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) fez um levantamento de ações que realizou para indígenas venezuelanos com base em seu mecanismo de proteção comunitária – estratégia usada em resposta ao fluxo de refugiados e migrantes da Venezuela.

O Relatório de Atividades para Populações Indígenas da Acnur, de julho, estima que cerca de cinco mil indígenas de quatro etnias diferentes (E’nepa, Warao, Pemon e Kariña) buscaram proteção no Brasil, sendo 3,2 mil solicitantes de refúgio.

O levantamento traz ações que vão desde a doação de itens básicos, treinamentos e consultas para formulação dos acordos de convivência nos abrigos até jornal comunitário e atividades de resgate cultural.

“A proteção comunitária é um mecanismo utilizado pela Acnur para envolver as comunidades afetadas por crises na busca pelas soluções”, explicou oficial associado de proteção da Acnur, Sebastian Roa. Segundo ele, o objetivo é identificar com as comunidades estratégias que aproveitem suas próprias capacidades na construção de respostas para as diversas dificuldades que enfrentam.

Em julho, o Acnur facilitou uma visita de lideranças indígenas ao hospital de campanha de Boa Vista, a Área de Proteção e Cuidados (APC), onde pessoas sintomáticas e confirmadas com a COVID-19 são transferidas para isolamento e assistência médica. A visita teve como objetivo apresentar aos indígenas os serviços disponíveis e as estruturas de hospedagem do hospital, para que as lideranças possam explicar sua importância à comunidade.

Outra ação de destaque é a criação do jornal comunitário Deje Nome Yutukayo Atuankoin (Notícias Verdadeiras, na língua Warao). É um canal de comunicação que atende às especificidades culturais das etnias Warao e E’ñepa abrigadas em Boa Vista, incentivando o exercício de seus direitos e a produção de informação por eles mesmos sobre sua própria comunidade.

No caso da etnia Warao, que representa 66% dos refugiados e migrantes indígenas da Venezuela no Brasil, são os aidamos, os líderes, que atuam como os principais porta-vozes da comunidade.

As ações acontecem principalmente na Região Norte. Em Manaus e Belém, a Acnur promoveu, entre outras ações, sessões de debate sobre o papel das mulheres em suas comunidades e desenvolveu metodologia para consulta sobre acordo de convivência de abrigo para pessoas Warao.

Há também importantes iniciativas sendo tomadas no eixo Sul-Sudeste. A Acnur tem apoiado estes estados por meio do trabalho conjunto com agentes governamentais, organizações parceiras da sociedade civil, redes, coletivos e conselhos comunitários, na coordenação de grupos de trabalho e ações de proteção e integração das populações indígenas refugiadas e migrantes.

A ação inclui identificação de necessidades específicas desta população, compartilhamento de conhecimento e boas práticas na acolhida e a elaboração de estratégias de intervenção em contextos de trânsito e de permanência prolongada.

A Acnur trabalha em apoio à Força-Tarefa Logística Humanitária Operação Acolhida, a resposta emergencial do Governo Brasileiro ao fluxo de venezuelanos. A agência atua nas três principais frentes de trabalho da Operação Acolhida: ordenamento de fronteira e documentação, abrigamento e interiorização.

Essas atividades junto à população indígena se tornaram possíveis devido ao apoio financeiro dos Estados Unidos, Japão, Luxemburgo e União Europeia destinado especificamente à operação da Acnur no Brasil.

(Com informações de ONU Brasil)

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhe!

Últimas Notícias

Dom Odilo: A Igreja Católica é apostólica, está assentada no testemunho dos Apóstolos

Afirmou o Arcebispo de São Paulo na mais recente edição programa ‘Diálogos de Fé’

Dom Magnus Henrique, Bispo de Salgueiro (PE), está recuperado da Covid-19

O Bispo da Diocese de Salgueiro (PE), Dom Magnus Henrique Lopes, está recuperado da Covid-19. O prelado...

Como ler a Bíblia?

Muitos católicos têm contato com os textos da Bíblia apenas durante as celebrações da Missa. A Igreja Católica indica a seus fiéis...

Farmácia Vaticana investe em tecnologia para o atendimento da população

Inaugurada 1894, local esteve em reforma desde 2017 e foi reinaugurado no início do mês de agosto

Congregação para a Doutrina da Fé condena todas as formas de eutanásia e de suicídio assistido

“Samaritanus bonus”, a carta da Congregação para a Doutrina da Fé aprovada pelo Papa, reitera a condenação a todas as formas de...

Newsletter