Confira nossa versão impressa

Pandemia impacta fluxos migratórios e traz incertezas

Em live no dia 22, Padre Fabio Baggio, Subsecretário do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, alertou que com o retorno dos migrantes aos países de origem, miséria e desemprego nestas nações deve ser ainda maior

Pandemia impacta fluxos migratórios e traz incertezas
(Crédito: ACNUR)

O deslocamento forçado afeta mais de 1% da humanidade, ou seja, uma em cada 97 pessoas. Até o fim de 2019, em todo o mundo, 79,5 milhões de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas. Os dados são do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) e estão no relatório anual “Tendências Globais”, lançado no dia 18 de junho.

Qual é, porém, a situação dos migrantes e refugiados durante a pandemia? Com fronteiras fechadas e a crise econômica que já atinge muitos países, as pessoas continuam a se deslocar ou têm recebido assistência em seus países de origem?

Para Abdulbaset Jarour, 30, a pandemia deixará uma marca indelével. Abdo, como é conhecido, deixou a Síria em 2013. Por causa da guerra, ele vivia com a mãe, Khadouj Makhzoum, 55, em São Paulo.

Khadouj ficou por um mês internada no Hospital das Clínicas após contrair a COVID-19 e faleceu, por complicações da doença, na madrugada do dia 13 de maio. A mãe de Abdo foi tratada pelo Sistema Único de Saúde  (SUS) e ele teve apoio de amigos e instituições pelas quais passou para superar a dor e o luto, participando de projetos e até mesmo de programas radiofônicos e televisivos, o que foi essencial para ajudar na superação da perda dessa perda.

Nem todos os migrantes, porém, recebem a mesma acolhida e o apoio que Abdo teve no Brasil. Durante uma transmissão ao vivo promovida pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC-SP e pela Missão Paz de São Paulo, no dia 22, Padre Fabio Baggio, doutor em Teologia, professor da Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma e Subsecretário do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, falou sobre os efeitos da pandemia para os fluxos migratórios atuais e possíveis consequências a médio e longo prazo.

Também participou da live o Doutor Diego Carámbula, Coordenador Regional para a América do Sul do mesmo Dicastério.

CLIQUE AQUI E ASSISTA A ÍNTEGRA DA LIVE

Fronteiras fechadas

“Temos assistido ao fechamento das fronteiras de muitos países e uma redução significativa dos fluxos regulares. Nesse sentido, tivemos um retorno massivo de trabalhadores migrantes de países do Hemisfério Norte a países do Hemisfério Sul. Um exemplo é a Filipinas, que está recebendo muitos trabalhadores que tiveram seus contratos terminados”, disse Padre Baggio, que salientou o fato de que os países, já fragilizados pela crise, tenham que lidar com um número crescente de trabalhadores que, ao retornar, fazem crescer o desemprego e a miséria.

Pandemia impacta fluxos migratórios e traz incertezas
Padre Fabio Baggio, Subsecretário do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral (Reprodução da internet)

Padre Baggio falou também que, com o fechamento da fronteiras, há o aumento do uso de canais ilegais para a migração, os quais são utilizados não somente por migrantes, mas também por solicitantes de refúgio, o que torna a situação ainda mais complexa e modifica radicalmente a questão do refúgio globalmente.

“Os fluxos migratórios tendem a retornar de forma massiva assim que as fronteiras forem abertas; no entanto, os países vão resistir a esses fluxos, pois muitos canais de trabalho que eram oferecidos aos migrantes foram eliminados. Por outro lado, muitos países sentiram a falta de mão de obra em setores importantes e isso pode requerer migrantes para preencher esses vazios”, explicou o Subsecretário.

O Padre mencionou também a desassistência gerada pelo fato de que muitos países que ofereceram recursos como dinheiro ou mesmo alimentos e programas de habitação não consideraram os migrantes, o que gerou ainda mais marginalização para as pessoas que não conseguiram ou não puderam voltar a seus países de origem.

Comissão Especial no Vaticano

O Papa Francisco instituiu uma comissão especial para refletir e pensar soluções para a crise provocada pela pandemia. Dentro dessa comissão são produzidos boletins semanais em cinco idiomas para tratar a respeito da situação dos migrantes e refugiados, bem como divulgar boas ações que estão sendo feitas em todo o mundo.

CLIQUE AQUI E ACESSE O BOLETIM

Padre Baggio citou que a comissão tem trabalhado sob quatro aspectos principais:

* Acesso aos territórios que devem ser respeitados, mesmo durante a pandemia;

* Regularização dos imigrantes que trabalham ilegalmente;

* A não detenção dos migrantes, mas a existência de programas de acolhida que possam acolhê-los e acompanhá-los, de forma particular os menores, que não podem ser detidos;

* A dignificação dos trabalhadores migrantes, com condições iguais às dos demais trabalhadores de cada país.

“A situação atual é um momento oportuno para entender dinâmicas mundiais e fazer uma mudança. Temos a possibilidade de organizar um sistema diferente, em que todos os países possam crescer e desenvolver-se com mais igualdade para todos. Temos que pensar em uma resposta internacional ou global para a migração, pois não é possível dar respostas nacionais a essas questões”, afirmou Padre Baggio

É TEMPO DE CUIDAR

Pandemia impacta fluxos migratórios e traz incertezas

A Caritas Arquidiocesana de São Paulo promoveu a campanha “É Tempo de Cuidar” e conseguiu arrecadar mais que a meta inicial. Todo o valor será destinado para a compra de cestas básicas, leite, fraldas e kits de higiene para 115 famílias refugiadas impactadas pelos efeitos sociais e econômicos da pandemia, que agravaram situações de vulnerabilidade.

As fronteiras do Brasil estão fechadas desde 30 de junho para estrangeiros por causa da pandemia do novo coronavírus.

A Portaria nº 340 foi publicada em edição extraordinária do Diário Oficial da União. “Fica restringida, pelo prazo de trinta dias, a entrada no País de estrangeiros de qualquer nacionalidade, por rodovias, por outros meios terrestres, por via aérea ou por transporte aquaviário”, consta no artigo 2o da portaria. A entrada de pessoas com funções consideradas essenciais ou diplomáticas e por questões humanitárias está liberada.  

- publicidade -

Notícias relacionadas

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Compartilhe!

Últimas Notícias

Comunidade Canção Nova dá ‘abraço virtual’ em São Paulo

Transmitido pela TV e internet, evento de evangelização que costuma reunir multidões na capital paulista foi acompanhado em todo o Brasil e...

‘Vale a pena enfrentar a cruz e todo sofrimento por causa de Cristo’

Afirmou o Cardeal Scherer em missa na Catedral da Sé, nesta quinta-feira, 6, Dia de Oração pelos Cristãos Perseguidos

Mês vocacional é aberto com missa presidida por Dom Devair Araújo da Fonseca

No domingo, 2, Dom Devair Araújo da Fonseca, Bispo Auxiliar da Arquidiocese na Região Brasilândia, presidiu missa...

Festa de São Pedro Julião Eymard, o apóstolo da Eucaristia

A Paróquia Nossa Senhora da Imaculada Conceição – Santa Ifigênia, Setor Pastoral Catedral, cuja igreja matriz tem...

Paróquia Santo Inácio completa 80 anos

Na sexta-feira, 31 de julho, a Paróquia Santo Inácio de Loyola, Setor Pastoral Paraíso, completou 80 anos de existência, hoje confiada aos...

Newsletter